“As empresas nos vigiam melhor que os Estados”. Entrevista com Ignacio Ramonet

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 14 Abril 2016

Pela mão de Barack Obama, a empresa Google planeja sua aterrissagem em Cuba. Mark Zuckerberg pede no Mobile World Congress,de Barcelona, internet “para os mais pobres” e a Apple se nega a fornecer os dados do telefone de um possível terrorista ao governo estadunidense. As GAFAM (Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft), rainhas de Silicon Valley, movimentam as fichas. Buscam mercado e a fidelização de seus clientes. No mundo, há 4,1 bilhões de pessoas sem acesso à internet, que vivem desconectadas desse Império da vigilância (Clave Intelectual, 2016), a respeito do qual Ignacio Ramonet (foto) fala em seu último livro.

 
Fonte: https://goo.gl/wMMAli  

Conversamos com este especialista em geopolítica, cofundador da ATTAC (Associação pela Tributação das Transações Financeiras para Ajuda aos Cidadãos) e diretor da edição espanhola de Le Monde Diplomatique, a respeito da crise sistêmica global, seus vínculos com as tensões entre segurança e liberdade e o panóptico tecnológico no qual vivemos.

A entrevista é de Izaskun Sánchez Aroca, publicada por Diagonal, 10-04-2016. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

O que é isto considerado o império da vigilância?

O império da vigilância é esta espécie de articulação que foi criada entre os Estados, as grandes empresas que dominam internet e os sistemas de inteligência. É o resultado da facilidade técnica que existe hoje para nos vigiar, a partir do momento em que cada um de nós, nos países desenvolvidos, decidimos voluntariamente nos equipar com aparelhos como celulares, iPads  e computadores. Adotamos sistemas que permitem que organizações do Estado ou grandes empresas nos vigiem. Isto é a novidade a respeito da vigilância histórica. Consideramos que a existência destes instrumentos amplia o perímetro de nossa liberdade, mas ao mesmo tempo ampliamos a superfície de nossa vigilância.

A vigilância é um acidente. Paul Virilio disse que todas as vezes que se faz um avanço tecnológico surge um acidente não previsto. Quando se inventa a eletricidade, inventa-se a eletrocussão. Quando se inventa a internet, inventa-se a vigilância de massas. Antes a vigilância era um fantasma, um temor paranoico porque era impossível vigiar todo mundo. Hoje, a vigilância é possível.

Parece que esta vigilância, que envolve a perda de liberdades, é amparada e legitimada em um discurso sobre a segurança. Que papel tem os meios de comunicação endossando este paradigma securitário?

Os meios de comunicação desempenham um papel muito conservador à ideia de que se os Estados estabelecem um sistema de vigilância é para nos proteger. É uma espécie de truque. Eu te dou segurança e você me dá a sua liberdade, ou uma parte dela. Os meios de comunicação aderem a isso. O problema é que se para combater o terrorismo, acabamos com o conjunto das liberdades democráticas, pagamos um preço muito alto e um dos objetivos do terrorismo é conquistado. Cuidado com este negócio falsificado, porque a segurança total não existe. Os próprios governantes falam constantemente de que estão tomando todas as precauções, mas não podem garantir que não haja um atentado. Ao contrário, a liberdade, sim, pode ser diminuída mediante leis.

Quais os riscos que esse discurso possui?

Tem o risco de que, dessa maneira, estejamos acabando com liberdades fundamentais. Que diferença há entre uma ditadura e uma democracia? Que a ditadura controla, condiciona e vigia você sem que esteja informado disso. Contudo, se atualmente nos vigiam, onde está a verdadeira democracia?

Existe um teto de cristal nesta espionagem, neste controle da população? Até onde se pretende chegar?

O objetivo é criar o que chamo de justiça preditiva. Existem duas obras que imaginaram sociedades distópicas, totalmente vigiadas. Uma é 1984 (1949), de George Orwell, e a outra é Minority Report (1956), de Philip K. Dick. 1984 é uma sociedade completamente vigiada através da tecnologia. Minority Report fala de um aparato que essencialmente serve para prevenir o crime. Vigia-se toda a população com um objetivo preciso de evitar o crime. Detém-se a pessoa por um crime que ainda não cometeu. Na França, há um artigo da lei que permite isto. A intenção do crime já é um crime.

Você fala muito de que o objetivo deste controle é a suposta segurança, mas também existe uma parte comercial, de venda de dados a governos e multinacionais.

A novidade é que agora as empresas nos vigiam e fazem isto melhor que os próprios Estados. Quando o Estado quer vigiar você, pede ao seu provedor telefônico a lista de suas chamadas. É o seu provedor telefônico quem vigia. O Estado e os governos também vão pedir ao Google a lista do que você consultou, porque possui tudo. Isto é o que explica que empresas como Google, que não vendem nada, sejam as mais ricas do mundo, porque vendem nossos dados.

O outro lado da moeda seria a potencialidade que possuem todas estas redes, como Facebook e Twitter, para promover mobilizações.

Não se trata de condenar a internet, é um avanço fundamental, trata-se de estudar o acidente, que é a vigilância e como reduzi-lo e se proteger.

Essa vigilância aumentou a partir do 11S. Agora, a situação na Europa mudou muito. A crise dos refugiados e a guerra na Síria precisam de novos marcos de interpretação. Que análise geopolítica você faz?

Estamos em um momento de transição. O período destes últimos 20 anos foi marcado, em escala geopolítica, pela crise do Oriente Médio, que agora explode com a questão da Síria e também pela hegemonia da China. Neste momento, a China está mudando de modelo econômico e de desenvolvimento, o que tem uma repercussão muito grande.

A queda do preço das matérias-primas é algo novo nestes 20 anos, que se caracterizaram por um aumento incessante das commodities e pelo fato de muitos países do Sul terem se aproveitado desta situação para se transformar, até o ponto de se tornar possível falar de países emergentes, os BRICS, foi criado o G20... Já não se fala dos emergentes. Muitos estão em crise. Na América Latina, o ciclo está mudando e na Europa os partidos consolidados viram reduzir sua solidez.

Como esta mudança influência nas crises dos diferentes governos de esquerdas da América Latina?

Muita gente lê a mudança de ciclo na América Latina como se, de repente, a oposição tivesse argumentos, mas não possuem. A mudança de ciclo político é consequência de uma mudança do ciclo econômico que se baseava em três pilares. Por um lado, a China tinha um crescimento muito elevado, acompanhado de uma política de ser a fábrica do mundo para a exportação de produtos, para o qual precisava importar muitíssimas matérias-primas da América Latina, entre outros lugares.

Em segundo lugar, o preço do petróleo caiu por diferentes razões muito complexas, como rivalidades entre Arábia Saudita e Estados Unidos ou o fracking. Em último lugar, o dólar subiu muito, o que encarece os investimentos, que já não chegam à América Latina. São três parâmetros que mudaram a economia latino-americana.

Os países que antes tinham muitos recursos pelo preço das matérias-primas, pelos investidores ou pelo preço do petróleo, já não podem distribuir como faziam antes. O Equador, por exemplo, teve que reduzir seu orçamento em 2 bilhões de dólares, apesar de ser um país muito bem administrado. Outro exemplo é a Bolívia, que terá dificuldades porque o gás é muito importante na exportação.

Em 15 anos, muitas sociedades na América Latina mudaram. Dezenas de milhares de pessoas saíram da pobreza e se integraram às classes médias, razão pela qual o discurso de poder não pode ser o mesmo. As ambições destas classes médias não são as mesmas que as das classes populares anteriores. As pessoas já não se contentam em ter escola.

Na Bolívia, Equador e Venezuela o analfabetismo foi eliminado. Na Venezuela, foram construídas onze universidades que não existiam. No entanto, a resposta mediante a quantidade já não é suficiente para milhares de pessoas que já estão acostumadas a ter escola. O que querem é que exista uma boa escola, hospitais de qualidade e transportes públicos eficazes. Muitos destes governos não souberam responder estas demandas. Na Venezuela, perderam as eleições legislativas, mas a oposição só ganhou 300.000 votos. Quem perdeu foi o chavismo, que perdeu dois milhões de votos.

Na Bolívia, perderam o referendo. Era necessário fazer este referendo para alguém que está há 10 anos no poder? A resposta foi dada pela cidadania. Não era indispensável. A sociedade mudou. Agora é mais culta, está melhor cuidada. Não pode ser tratada como se fosse o contrário.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“As empresas nos vigiam melhor que os Estados”. Entrevista com Ignacio Ramonet - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV