Sem esgoto, moradores convivem com ratos e problemas de saúde

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desgaste do discurso evangélico

    LER MAIS
  • Outro papa. Ratzinger, sua renúncia e o confronto com Bergoglio

    LER MAIS
  • ‘Eu serei sempre minoria’, diz padre Júlio sobre sua vocação em ajudar pobres e oprimidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Janeiro 2016

A naturalidade ao falar do tamanho e da quantidade de ratos dentro das casas impressiona. Neuza Souza, 57, conta que ratazanas do tamanho de gatos sobem pelas paredes e é praticamente impossível colocá-las para fora.

A reportagem é de Vinicius Pereira, publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 11-01-2016.

Ela é moradora do Jardim Damasceno, na Brasilândia, zona norte de São Paulo. Sua casa fica colada ao córrego do Canivete – que recebe o esgoto de praticamente todas as residências da rua.

"Esses dias estava olhando pela janela e as ratazanas atacaram um pombo que estava no chão; carne fresca, né?", conta Evangelista Costa, 62, dono de uma vendinha à beira do Canivete, abrindo os braços para mostrar o tamanho dos animais.

Os moradores não sabem dizer qual é o pior período, se o das chuvas, quando o córrego sobe e causa alagamentos, ou o da seca, quando o odor de fezes invade as casas, mesmo com janelas fechadas.

Quem mais sofre são as crianças. De acordo com os moradores da região, doenças e problemas respiratórios são comuns entre elas. "Todas as crianças passam muito mal. Não sei se é o esgoto, mas tempos atrás tivemos muitos problemas com virose também", diz Cleia Silva, 58, no bairro há 30 anos.

Ligação preparada

As casas ao redor do córrego recebem água encanada e, segundo a Sabesp, também poderiam ligar ser ligadas ao sistema de coleta de esgoto. O serviço é, inclusive, cobrado nas contas mensais de água. Mesmo assim, atrás das centenas de casas, canos continuam a levar todo o esgoto diretamente para o córrego.

Isso ocorre porque a responsabilidade de realizar a ligação ficou por conta dos moradores, segundo a Sabesp. E, como a rede de esgoto chegou depois das casas, eles afirmam não ter condições financeiras para as reformas.

Por isso, o saneamento do bairro continua incompleto. "Aqui é assim. Se tem água, falta o esgoto. O dia que tratarem esse esgoto, vai faltar água", afirma Renata Silva, 37.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sem esgoto, moradores convivem com ratos e problemas de saúde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV