Cardeal Wuerl: A Igreja Católica está se deslocando do legalismo à misericórdia

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Novembro 2015

“O quadro de referência agora vai ser: ‘O que Evangelho realmente diz aqui?’ Eis a nossa primeira tarefa”.

Este é o cardeal de Washington, Donald Wuerl, resumindo o novo curso do catolicismo posto pelo marcante encontro, no Vaticano, de 270 bispos de todo o mundo concluído semana passada, uma maratona de três semanas onde ele desempenhou um papel central.

A entrevista é de David Gibson, publicada por Religion News Service, 28-10-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Depois de debates por vezes contenciosos sobre se se deveria adaptar a abordagem católica a questões tais como o divórcio e a coabitação, o Sínodo acabou tendo sucesso ao presentear o Papa Francisco com um documento que lhe oferece uma flexibilidade nova significativa em modelar mais as políticas pastorais.

Mas o relatório final, e as suas medidas mais polêmicas, ganharam apoio dos eclesiásticos somente após alguns momentos dramáticos e com um forte lobby, especialmente executados por religiosos linhas-duras que acusaram os reformadores de tentarem manipular o Sínodo dos Bispos.

Wuerl é um dos bispos americanos em quem Francisco mais confia, e muitos créditos estão sendo dados a ele para o sucesso na conclusão do Sínodo deste ano, o qual em muitas ocasiões pareceu estar em dúvida.

Em uma entrevista ao Religion News Service concedida semana passada – no dia em que ele retornou para casa –, o cardeal brincou com as noites em claro de trabalho e escrita: “Veja estas olheiras!”, disse ele apontando para as marcas escuras debaixo de seus olhos.

Em geral, os sínodos acontecem a cada três anos focados em diferentes temas, e este foi o último para Wuerl, religioso que completou 75 anos no mês passado e tem se envolvido com os sínodos nos últimos 25 anos.

As respostas foram editadas para fins de clareza e extensão.

Eis a entrevista.

O discurso do papa no 50º aniversário de instituição do sistema sinodal falou de como a “Igreja e o Sínodo são sinônimos”, e que este não foi um evento singular, mas um diálogo em curso sobre aquilo que chamou “sinodalidade”. O que isso significa?

O verdadeiro resultado deste Sínodo é que o Papa Francisco mudou a maneira como a Igreja se põe a refletir sobre o seu ministério pastoral. E isso não é pouca coisa.

O que Francisco tem feito nestes dois anos, com estes dois sínodos e toda a colaboração que se deu nesse meio tempo – e não podemos nos esquecer disso –, é um processo, não um sínodo.

Tivemos todos estes debates abertos sobre questões com as quais a Igreja está lutando. No futuro não teremos mais a chance de fechar esta porta. O Papa Francisco deixou claro que este é o caminho em que a Igreja aborda a mensagem do Evangelho e a condição humana.

O Sínodo pareceu retornar, repetidas vezes, ao chamado do papa para que a Igreja aborde as realidades das vidas das pessoas, para “sempre considerar a pessoa”, como ele diz, em vez de ficar citando a doutrina.

Sim, temos um ensinamento muito claro e, sim, nós anunciamos este ensinamento. Mas, ao mesmo tempo, tal ensinamento inclui a misericórdia de Deus e o cuidado do fiel em particular. Estes dois elementos da mesma realidade são o que o papa tem levantado e tornado visível de uma maneira que não era feito há bastante tempo. Se não temos condições de ministrar a estas pessoas, onde elas se encontram, então não estamos realizando o ensinamento.

O documento final alcançou o consenso, mas não deu muitos detalhes sobre como os bispos e sacerdotes poderão proceder no “acompanhar” as pessoas. O senhor espera que o papa responda a estas dúvidas, que ele preencha estas lacunas de alguma maneira concreta?

Acho que o primeiro fruto deste Sínodo vai ser a ideia de que precisamos estender a mão.
Mas agora, na prática, o que o Santo Padre irá fazer com isso? Ele pode partilhar algumas reflexões a partir deste material em suas audiências gerais. Pode decidir fazer algo por escrito, ou retornar o texto a alguns dicastérios da Cúria Romana e dizer: “Tirem algo disso daqui”.

O quadro de referência agora não é mais o Código de Direito Canônico. O quadro de referência agora vai ser: “O que Evangelho realmente diz aqui?” Mas eu acho que o Santo Padre tem toda uma gama de oportunidades diante dele. Precisamos apenas esperar e ver o que ele escolhe.

Então, de uma forma ou de outra, o senhor espera que vai haver algum desdobramento concreto a partir deste documento?

Eu acho que vamos ter algo. Mas as lições aqui podem não precisar estar na forma de documentos escritos. As lições podem ser: “Este é o jeito de se debater as coisas na Igreja”. Esta abertura, ela é uma lição.

A segunda lição é: Tente viver o ensinamento no contexto em que você está, e não desista só porque não está vivendo-o perfeitamente. E não se considere à parte da Igreja caso não esteja vivendo os ensinamentos tal como seria o ideal.

O Papa Francisco, em seu discurso de encerramento no Sínodo deste ano, falou dos diálogos intemperados em que até mesmo alguns bispos e cardeais se engajaram antes e durante o encontro. Será que os temperamentos irão se arrefecer ou será que poderão piorar?

Eu acho que aquelas duas coisas – a “síndrome da manipulação” e o “fim da síndrome mundial” – não foram úteis. Elas estavam bem distantes do que se espera de um encontro dos bispos num sínodo.
Mas, na medida em que o encontro acontecia, tornava-se claro que há uma tal coisa como um consenso eclesial em torno da prática da Igreja.

A minha impressão é que um Sínodo com três semanas de duração, e um consenso aí decorrente, não vai mudar o pensamento e a maneira de falar de todo mundo.

O que espero é que ele estabelece alguns novos parâmetros para o diálogo. Que não nos apressemos em encontrar falhas nas pessoas com as quais discordamos – este é o lado conspiratório – e que não nos apressemos em encontrar aberrações doutrinárias nas oposições destas mesmas pessoas.

A única questão que pareceu ficar fora dos debates, especialmente se comparado com o Sínodo do ano passado, foi a questão de como melhor acolher os gays e as lésbicas. Aonde o senhor acha que este diálogo irá chegar no futuro?

Acho que o engano inicial presente já no Sínodo de 2014 foi que o debate sobre o respeito aos gays e lésbicas se misturou com a questão de se deveria haver um matrimônio homoafetivo. Estas coisas são duas questões diferentes. A primeira é uma parte básica do ensino católico: é claro que respeitamos todas as pessoas, feitas à imagem e semelhança de Deus. Agora, se formos falar sobre coisas institucionais, daí não ficou claro. E eu acho esta falha deixou uma espécie de mácula no Sínodo.

Acha que um debate mais aprofundado sobre os gays e lésbicas pode acontecer em algum fórum?

Acho sim. Eu não acho que ele foi retirado de pauta. No documento final, encontramos um chamado a respeitar as pessoas como elas são. Eis um chamado importante. Mas também é um diálogo que vai levar um pouco de mais tempo para se desenvolver em aplicações mais práticas.

Num sínodo?

Não acho que tudo o que ocorreu neste Sínodo tenha de ser suspenso até uma outra edição dele. Creio que parte do gênio deste Sínodo foi a abertura da Igreja em seu processo de discernimento para incluir estes tipos de diálogos em sua pauta. Não temos de esperar por um outro Sínodo.

O que significa “sinodalidade permanente”? É preciso se reunir a cada três anos ou existe uma outra forma de fazê-la?

A meu ver, quando se está lidando com uma instituição mundial que já possui mais de um bilhão de membros, sim, é preciso se encontrar. E esta é, provavelmente, a maneira mais econômica de realizar executar uma consulta.

Como se pode continuar o espírito do Concílio Vaticano II a menos que se reúna, de fato, as pessoas para falar umas às outras sobre as necessidades da Igreja? Não se consegue fazer isso eletronicamente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Wuerl: A Igreja Católica está se deslocando do legalismo à misericórdia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV