Ratzinger fala e sacode a Igreja: “Mais testemunhas ou o êxodo continuará”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Julho 2021

 

O rugido do Papa emérito. Bento XVI quebra o silêncio. Do retiro do mosteiro Mater.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 27-07-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

Mater Ecclesiae onde reside desde pouco depois de sua renúncia, Joseph Ratzinger, 94 anos, respondeu por escrito à revista alemã Herder Korrespondenz com reflexões e críticas à "sua" Igreja alemã. Para Bento XVI, a Igreja da Alemanha deve falar mais “com o coração e o espírito”, deve “desmondanizar-se”, porque “enquanto nos textos oficiais da Igreja falarem as funções, mas não o coração e o Espírito, o mundo continuará a se afastar da fé”.

Ratzinger nunca o menciona, mas é evidente que no pano de fundo queima, para um "romano" como ele, o caminho sinodal que a Igreja alemã está realizando a duras penas. Os vários pedidos de aberturas, desde as bênçãos para casais homossexuais ao sacerdócio feminino e a abolição do celibato sacerdotal, para muitos em Roma - tudo indica também para Francisco - vão além das atualizações que o Concílio Vaticano II havia proposto. E é com toda probabilidade também por essa sintonia no conteúdo com o Papa reinante que o emérito hoje se permite uma saída que está destinada a causar barulho.

Uma saída que um Papa como Francisco, fiel à linha conciliar de Paulo VI, só pode agradar. Mas não só. No pano de fundo, está também a crise da instituição eclesial alemã como tal. O último dossiê da Conferência Episcopal alemã explica como, entre os vinte e dois milhões de fiéis teutônicos, apenas 6% frequenta regularmente a missa. Enquanto os casamentos diminuíram para menos de um terço. As paróquias obrigadas a fechar por falta de fundos também estão aumentando numericamente. Bento XVI explica que é necessário nada mais do que “um verdadeiro e pessoal testemunho de fé dos operadores da Igreja”. E por isso critica o fato de que “nas instituições eclesiais - hospitais, escolas, Caritas - muitas pessoas estão envolvidas em posições decisivas que não apoiam a missão da Igreja e, portanto, muitas vezes obscurecem o testemunho desta instituição” enquanto “os textos da própria Igreja na Alemanha são escritos em grande parte por pessoas para as quais a fé é apenas oficial”.

O apelo à desmondanização é uma retomada de um discurso proferido em 2011 em Freiburg.

Dois anos antes de renunciar ao papado, Ratzinger exortou a Igreja a "distanciar-se do mundo" naquela que foi interpretada como uma exortação a não se adaptar ao mundo moderno.

"Entweltlichung", precisamente desmondanização, palavra tirada do filósofo Martin Heidegger, não era adequada para o Papa Emérito, pois não expressava "suficientemente" o aspecto positivo de sua argumentação. Para Ratzinger, de fato, a Igreja não deve fugir das coisas do mundo. Sua tarefa não é separar o bem do mal, porque ela mesma "é feito de trigo e joio, de peixes bons e ruins". E ainda: “Não se trata, portanto, de separar o bom do mau, mas de dividir os crentes dos não-crentes”. Na Igreja alemã, parece que Bento XVI quer dizer, há uma parte que não acredita, e que quer aberturas contrárias ao caminho do Concílio.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ratzinger fala e sacode a Igreja: “Mais testemunhas ou o êxodo continuará” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV