121 entidades denunciam violência policial contra migrantes venezuelanos e trabalhadores humanitários em Pacaraima – RR

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo Mundial é uma preparação para um futuro Concílio, afirma arcebispo de Praga

    LER MAIS
  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Março 2021

A situação vivida no dia 17 de março em Pacaraima, na fronteira entre Roraima e a Venezuela, onde as forças policiais, agindo de forma desproporcionada, entraram nas casas sem um mandado judicial e conduziram à força os responsáveis pelos locais para a delegacia, retendo indevidamente os seus aparelhos telefônicos, levou 121 organizações sociais e eclesiais a emitir uma nota pública apelando por justiça e dignidade e contra a violência.

A reportagem é de Luis Miguel Modino.

A operação policial "desalojou mais de 70 pessoas, dentre as quais 21 mulheres, inclusive gestantes, e 40 crianças migrantes, da Casa São José, casa de acolhida gerida pelas Irmãs de São José e Pastoral do Migrante da Diocese de Roraima, bem como da Igreja Assembleia de Deus Águas Vivas". É por isso que têm pedido que sejam tomadas medidas face às "sucessivas e gravíssimas violações aos direitos da população migrante e dos trabalhadores humanitários".

A nota denuncia que o que está sendo feito não é um crime, mas um ato de humanidade, algo que é levado a cabo "porque o poder público não o faz ou o faz precária e limitadamente". Os migrantes foram ameaçados de deportação, violando as leis internacionais, causando "grande medo na população migrante e refugiada, que, apavorada, acaba deixando de buscar serviços essenciais”.

Os signatários denunciam "com indignação reiterados ataques aos direitos da população migrante", que estão sendo perseguidos pelas forças de segurança em Roraima, recordando "que o ato de migrar jamais pode ser caraterizado como ilegal, mas sim como um direito humano universal". Ao mesmo tempo, afirmam que "a assistência social e humanitária prestada a migrantes em situação irregular por entidades da sociedade civil tampouco é ilegal", o que deveria levar ao respeito pelas "organizações da sociedade civil e trabalhadores humanitários" nas suas atividades.

Eis a nota: 

 

 Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

121 entidades denunciam violência policial contra migrantes venezuelanos e trabalhadores humanitários em Pacaraima – RR - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV