O vírus da desigualdade. A recessão já acabou para os super-ricos

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Pornô e sedução em contexto de vida religiosa

    LER MAIS
  • Padres da Caminhada & Padres contra o Fascismo emitem nota de solidariedade à Via Campesina, MST, Dom Orlando Brandes, CNBB e Papa Francisco

    LER MAIS
  • “Devemos conceber o catolicismo de outra maneira”. Entrevista com Anne-Marie Pelletier

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Janeiro 2021

As 1.000 pessoas mais ricas do mundo recuperaram em apenas nove meses todas as perdas que haviam acumulado devido à emergência Covid-19, enquanto os mais pobres para se recuperarem das consequências catastróficas da pandemia podem levar mais de 10 anos.

A reportagem é publicada por Oxfam Itália, 25-01-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

É o que emerge de O vírus da desigualdade, o novo relatório publicado pela Oxfam, organização empenhada no combate às desigualdades por ocasião da abertura dos trabalhos do Fórum Econômico Mundial de Davos, que este ano será realizado de forma virtual.

Pela primeira vez em um século, poderia se registrar um aumento na desigualdade econômica em quase todos os países ao mesmo tempo. Uma pesquisa global da Oxfam com 295 economistas em 79 países – entre os quais Jeffrey Sachs, Jayati Ghosh e Gabriel Zucman - reforça essas previsões, com 87% dos entrevistados esperando "um aumento" ou "um aumento significativo" na desigualdade de renda em seu país devido à pandemia. Na ausência de uma ação adequada e coerente por parte dos governos, o Banco Mundial também prevê que em 2030 mais de meio bilhão de pessoas viverão na pobreza, com uma renda inferior a US$ 5,50 por dia.

O vírus da desigualdade mostra como a pandemia exacerbou as desigualdades econômicas e sociais, raciais e de gênero pré-existentes: graças a um sistema econômico injusto, uma elite de bilionários continuou a acumular riqueza durante a pior crise desde a Grande Depressão, enquanto bilhões de as pessoas foram empurradas para a beira da pobreza. Alguns dados:

· A recessão acabou para os super-ricos: Os 10 homens mais ricos do mundo viram sua riqueza aumentar em US $ 540 bilhões desde o início da pandemia. Esta é uma soma que seria mais do que suficiente para pagar a vacina para todos os habitantes do planeta e garantir que nenhum caia na pobreza devido ao vírus. Basta dizer que entre março e dezembro de 2020, enquanto a pandemia desencadeava a pior crise de emprego dos últimos 90 anos, deixando centenas de milhões de pessoas desempregadas ou subempregadas, o patrimônio líquido de Jeff Bezos aumentou US $ 78,2 bilhões. Na Itália, a riqueza de 36 bilionários italianos aumentou em mais de 45,7 bilhões de euros desde março: uma soma que equivale a 7.570 euros para cada um dos 6 milhões de italianos pertencentes aos 10% na camada mais pobre.

· Mulheres, mais uma vez, são as mais afetadas: Globalmente, as mulheres são empregadas principalmente nos setores profissionais mais afetados pela pandemia. Se o nível de emprego entre homens e mulheres fosse igual nesses setores, 112 milhões de mulheres não correriam mais o risco de perder o emprego e, portanto, a renda. Isso é evidente no Oriente Médio e no Norte da África, onde as mulheres representam apenas 20% da força de trabalho, mas estima-se que as perdas de empregos devido à Covid-19 afetem o emprego feminino em 40%. As mulheres representam mais de 70% da força de trabalho empregada em profissões da saúde ou empregos sociais e de cuidados. Isso as expõe a riscos maiores em tempos de pandemias - para a saúde, mas também para tutela da renda. Hoje, na Itália, uma enfermeira teria que trabalhar 127 anos para ganhar o mesmo que um CEO de uma grande empresa ganha em um ano.

· A pandemia mata de forma desigual: Os brasileiros de ascendência africana têm 40% mais probabilidade de morrer de COVID-19 do que a população branca; nos Estados Unidos, 22.000 cidadãos afro-americanos e latino-americanos ainda estariam vivos se sua taxa de mortalidade fosse iguais à dos brancos.

· A recuperação da Covid envolve a criação de sistemas econômicos mais justos: Um imposto temporário sobre os superlucros acumulados por 32 multinacionais durante a pandemia teria gerado 104 bilhões de dólares em 2020, montante de recursos equivalente ao necessário para garantir seguro-desemprego para todos os trabalhadores e apoio financeiro para crianças e idosos em todos países de baixa e média renda.

“Poderíamos assistir a um aumento exponencial da desigualdade como nunca foi visto antes - disse Gabriela Bucher, diretora da Oxfam International - Uma distância tão profunda entre ricos e pobres que é mais letal do que o próprio vírus. Enquanto uma elite de poucos bilionários obteve enormes lucros com a pandemia, as pequenas e médias empresas lutam para resistir, e cada vez mais pessoas estão perdendo seus empregos, acabando na pobreza. Entre todos, são as mulheres e as minorias étnicas que suportam o impacto maior da crise. Em muitos países, eles são os primeiros a correr o risco de padecer fome e perder a assistência sanitária”.

Com a recuperação das bolsas, as fortunas dos bilionários atingiram recordes históricos: em dezembro sua riqueza total havia chegado a 11,950 bilhões de dólares, o equivalente aos recursos alocados por todos os países do G20 para responder aos efeitos da pandemia. A recuperação para aqueles em dificuldade mesmo antes da Covid será dura e longa: antes de o vírus chegar, metade dos trabalhadores nos países mais vulneráveis estavam na pobreza e três quartos da força de trabalho não usufruía de qualquer forma de proteção social, como benefício por doença e abono desemprego.

“O aumento das desigualdades não é um fenômeno inevitável, mas depende das escolhas políticas dos governos. - acrescenta Bucher. A crise gerada pelo Covid-19 oferece aos governos em todo o mundo a oportunidade de adotar políticas aptas a promover sistemas econômicos mais justos e inclusivos. Combater as causas estruturais da desigualdade para a Oxfam significa principalmente investir na cobertura universal e gratuita sanitária, na educação e outros serviços públicos que possam reduzir as desigualdades; promover o trabalho digno, livre de exploração, também incentivando modelos de empresa que distribuam o valor de forma mais equitativa entre todos os stakeholders e não centrados na mera maximização dos lucros para os acionistas; implementar políticas voltadas para a justiça fiscal; reorientar os nossos modelos de produção e consumo para conter a severa crise climática. Hoje, mais do que nunca, precisamos enfrentar a emergência, mas ao mesmo tempo começar a adotar políticas estruturais capazes de promover um novo sistema econômico que não seja mais para a vantagem de poucos, mas para todos”.

Um apelo para colocar um fim às desigualdades acentuadas pela pandemia Covid-19, que pode ser apoiado assinando a petição #STOPDISUGUAGLIANZE

 Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O vírus da desigualdade. A recessão já acabou para os super-ricos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV