EUA retornam ao Acordo de Paris e ampliam o isolamento negacionista do Brasil

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • 'Eu nunca recusei a Eucaristia a ninguém. A comunhão não é um prêmio para os perfeitos'. Entrevista com o papa Francisco voltando da Eslováquia para Roma

    LER MAIS
  • Papa Francisco: “Vacinas, há negacionistas até entre os cardeais. Matrimônio só homem-mulher, mas uniões civis homoafetivas possíveis”

    LER MAIS
  • Alemanha. Dom Stefan Hesse: renúncia rejeitada

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Janeiro 2021

O discurso de posse do presidente Joe Biden, na quarta-feira (20), confirmou mudanças de peso na política ambiental americana. Biden mencionou “o clima em crise” entre os maiores desafios à frente dos EUA, juntamente com a pandemia e o racismo estrutural, e deve anunciar nas próximas horas o retorno do país ao Acordo do Clima de Paris.

A reportagem é de Solange A. Barreira, publicada por EcoDebate, 21-01-2021.

Mas é urgente ir do discurso à prática, já que os EUA, atualmente segundo maior emissor mundial de gases de efeito estufa, possuem uma dívida ambiental histórica com o planeta — que se agravou ao longo dos últimos quatro anos do governo Trump.

Mesmo com maioria no Congresso, Biden deve enfrentar resistência de importantes setores da economia americana para cumprir com a extensa agenda ambiental planejada, que inclui um investimento de US$ 2 trilhões em iniciativas para alcançar o crescimento econômico com redução de emissões.

“Os Estados Unidos viraram a página do negacionismo e do populismo. Os novos rumos da política americana são um sopro de esperança e precisam se transformar em ações o quanto antes. Já os governos negacionistas, como o de Jair Bolsonaro, ficarão cada vez mais pressionados e devem ser responsabilizados pelo desastre que provocam à humanidade”, diz Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Com a pior taxa de desmatamento dos últimos 12 anos e metas menos ambiciosas para o Acordo do Clima, Jair Bolsonaro perdeu a referência do trumpismo e caminha para acastelar cada vez mais o Brasil devido a sua política antiambiental, sob o risco de sofrer sanções das grandes economias mundiais e perder acordos importantes, além de investimentos essenciais para a recuperação econômica pós-pandemia.

“Sob Bolsonaro, o Brasil é visto hoje como um exemplo negativo dentro das discussões de clima. Lamentavelmente, viramos o problema de uma agenda que deveríamos liderar”, afirma Astrini.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA retornam ao Acordo de Paris e ampliam o isolamento negacionista do Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV