Vacinar-se: uma escolha moral

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Padre alvo de preconceito em supermercado quer encorajar vítimas

    LER MAIS
  • “A crise já acabou para os ricos, mas os pobres vão esperar mais 10 anos”

    LER MAIS
  • O vírus da desigualdade. A recessão já acabou para os super-ricos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Janeiro 2021

Antes do V-Day, o dia no qual a vacina contra o Corona Vírus começou a ser administrada de maneira exponencial na Itália, os meios de comunicação social, seguido depois pelos outros órgãos de imprensa, já haviam começado a debater a obrigatoriedade ou não da vacinação como medida preventiva.

O texto é de autoria coletiva do Prof. Dr. Pe. Alfonso V. Amarante, diretor geral da Academia Afonsiana de Roma, publicado no site[1], 05-01-2021.

A tradução é de Pe. Moésio Pereira de Souza, C.Ss.R, doutor em teologia moral pela Academia Afonsiana de Roma, professor de Teologia Moral Fundamental e Teologia Moral Matrimonial na Faculdade Católica de Fortaleza, Vigário Paroquial de Caucaia – Parque  Albano-Araturi - CE.

Eis o artigo.

Nos últimos dias, foram veiculadas informações sobre a eficácia da vacina, mas de difícil assimilação pelos que não são peritos no assunto. Existem também grupos pequenos, mas muito barulhentos, que sustentam, sem dados científicos comprovados, que a vacina não é outra coisa senão um complô orquestrado pela indústria farmacêutica e pelos governos mundiais para controlar as massas.

Sem querer entrar nesta polêmica estéril, acredito ser necessário colocar duas simples considerações. Em primeiro lugar, o mundo está enfrentando uma epidemia de morte e estreitamento de estilos de vida e, em segundo, observar o que a história nos ensina que somente através da medicina e das vacinas as doenças têm sido derrotadas. Por que, então, esta aversão às vacinas em geral e a da Covid-19 em particular? Qual comportamento moral responsável deve ser assumido?

Vejamos alguns comportamentos religiosos que contribuem para confundir as ideias sobre um tema assim tão delicado. Os Amish (2) recusam a modernidade repudiando a utilização de fármacos e das próprias vacinas. Os seguidores da igreja científica, Christian Science, criada nos Estados Unidos em 1892, defendem que todas as doenças devem ser curadas apenas com orações. Posições contrastantes se encontram também nas igrejas protestantes.

Outras negações religiosas contra a vacina são relativas às substâncias nelas contidas, como a utilização de animais impuros (para o judaísmo e o islamismo) ou pela presença de células de cultura que originalmente foram retirados de fetos abortados voluntariamente. Sobre esta temática remeto ao post “La questione dei vaccini” e à nota da Congregação para a Doutrina da Fé: “Nota sulla moralità dell’uso di alcuni vaccini anti Covid-19”.

Para nós que cremos, vacinar-se é uma escolha clara pelo bem comum, uma escolha moral ditada pela responsabilidade que temos frente às outras pessoas. Para um crente, vacinar-se é um dever humano, em nome da solidariedade social e cristã, em nome da caridade para consigo mesmo e o próximo. Em um contexto cultural onde a motivação para a interdependência é forte, diante de escolhas assim importantes, o individualismo e os estilos de vida autorreferenciais não devem prevalecer.

Diante de uma crise sanitária não podemos antepor o bem pessoal ao bem comum. Como crentes somos chamados à vacina para exercitar livremente a nossa responsabilidade moral em relação às outras pessoas.

Sobre este tema é totalmente compartilhável a nota da Comissão Vaticana Covid-19 em colaboração com a Pontifícia Academia pela Vida: “Vacina para todos. 20 pontos por um mundo mais justo e saudável”. No ponto n. 13 se afirma: “Sobre a responsabilidade moral de submeter-se à vacinação (também em base no que foi dito no n. 3) é preciso reiterar que esta temática implica também uma relação entre saúde particular e saúde pública, mostrando a estreita interdependência entre ambas. À luz desse nexo, consideramos importante que se leve em conta que a recusa da vacina pode se constituir também em um risco para os outros”.

O bem comum é uma escolha moral responsável feita de relações enquanto forma especial de bem relacional. Sendo o bem constituído pelas relações entre as pessoas, eis porque se vacinar se torna escolha moral autenticamente responsável. Diante do Bem comum devemos deixar de lado a lógica do “eu” para deixar vencer aquela do ”nós” como escolha que nos envia ao único e sumo Bem.

Nota:

1.- Texto original: "Vaccinarsi: uma scelta morale". Disponível aqui.

2.- Amish é um grupo religioso cristão anabatista baseado nos Estados Unidos e Canadá. São conhecidos por seus costumes ultraconservadores, como o uso restrito de equipamentos eletrônicos, inclusive telefones e automóveis. (Nota do Instituto Humanitas Unisinos - IHU).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vacinar-se: uma escolha moral - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV