O Reino Unido aprovou uma vacina da covid-19 – mas o que alguns cientistas ainda querem saber?

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • COP26, estrada difícil: aqui estão os documentos que comprovam a resistência aos empenhos climáticos

    LER MAIS
  • Os três movimentos de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco mira na imprensa e cultura da “pós-verdade” em discurso aos movimentos populares

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Dezembro 2020

A vacina da Pfizer-BioNTech passou pelos testes de segurança e eficácia – mas pesquisadores ainda possuem muitos questionamentos enquanto essa e outras vacinas chegam a milhões de pessoas.

A reportagem é de Heidi Ledford, David Cyranoski e Richard Van Noorden, publicada por Nature, 03-12-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Em uma velocidade impressionante, o Reino Unido tornou-se o primeiro país a aprovar a vacina contra a covid-19 que foi testada amplamente. Em 02 de dezembro, os reguladores britânicos concederam a autorização para uso emergencial de uma vacina das empresas Pfizer e BioNTech, apenas sete meses depois de começarem os testes clínicos. Os trabalhadores da saúde, assim como cuidadores e residentes de casas de cuidado, devem receber as primeiras doses nas próximas semanas.

China e Rússia já aprovaram vacinas, mas sem esperar pela imunização para completar a rodada final de testes em pessoas. Reguladoras nos EUA e União Europeia estão esperando problematizar essas decisões nas próximas semanas.

Testes em mais de 43 mil pessoas mostraram que a vacina Pfizer é 95% eficaz na prevenção de doenças quando medida uma semana após os participantes receberem sua segunda dose, disse a empresa com sede em Nova York em novembro, quando junto à BioNTech, de Mainz, Alemanha, submeteu um pedido de aprovação emergencial à agência estatal estadunidense Food and Drug Administration. O ensaio até agora reuniu dados de apenas 170 casos de covid-19 em seu controle e intervenção, e a eficácia no mundo real pode ser menor do que em um ensaio, mas ainda é um resultado extraordinariamente promissor, diz o imunologista Danny Altmann do Imperial College de Londres: “Esta é uma notícia brilhante”.

A aprovação é um momento histórico. Mas os pesquisadores ainda possuem muitos questionamentos enquanto essa e outras vacinas chegam a milhões de pessoas.

As vacinas previnem a transmissão do SARS-CoV-2?

Além da vacina Pfizer, os reguladores estão estudando dados de uma vacina semelhante feita pela Moderna de Cambridge, Massachusetts, e uma terceira produzida pela AstraZeneca de Cambridge, Reino Unido, e pela Universidade de Oxford, Reino Unido. As três foram testadas em grandes ensaios clínicos e se mostraram promissoras na prevenção dos sintomas da doença.

Mas nenhuma demonstrou que previne a infecção por completo ou reduz a propagação do vírus na população. Isso deixa aberta a chance de que aqueles que são vacinados possam permanecer suscetíveis à infecção assintomática – e podem transmitir essa infecção a outras pessoas que permanecem vulneráveis. “Na pior das hipóteses, você tem pessoas andando por aí se sentindo bem, mas espalhando vírus por toda parte”, diz o virologista Stephen Griffin da Universidade de Leeds, no Reino Unido.

A Pfizer disse que seus cientistas estão procurando maneiras de avaliar a transmissão do vírus em estudos futuros. Por enquanto, a AstraZeneca e a Universidade de Oxford podem dar as primeiras dicas sobre se uma vacina pode proteger contra essa transmissão. Embora ainda não tenham publicado os resultados completos, o estudo testou rotineiramente os participantes para o SARS-CoV-2, permitindo aos investigadores rastrear se as pessoas foram infectadas sem desenvolver sintomas. As primeiras indicações são de que a vacina pode ter reduzido a frequência dessas infecções, o que sugere que a transmissão também pode ser reduzida.

Quanto tempo vai durar a imunidade induzida pela vacina?

Não há uma maneira rápida de determinar quanto tempo vai durar a imunidade ao vírus SARS-CoV-2, e os pesquisadores precisarão monitorar isso de perto nos próximos meses e anos.

Houve alguns relatos de que pessoas que tiveram contato com o coronavírus e desenvolveram anticorpos contra ele podem experimentar queda nos níveis de anticorpos e até mesmo reinfecção meses depois, mas ainda não está claro quão prevalente é a reinfecção. Há sinais de que o sistema imunológico preserva a memória da infecção por coronavírus na forma de células de memória especializadas que podem entrar em ação rapidamente se o vírus for encontrado novamente. E as vacinas, diz Altmann, são deliberadamente projetadas para provocar fortes respostas do sistema imunológico.

Ainda assim, será importante para as autoridades de saúde pública monitorar a imunidade – e saber quando ela começa a diminuir. Uma forma de fazer isso, além de acompanhar as infecções entre as pessoas que receberam as vacinas, é avaliar periodicamente seus níveis de anticorpos e células imunológicas. Acompanhar como essas respostas imunológicas mudam pode dar uma indicação precoce de quando estão diminuindo para níveis preocupantes, diz Altmann. Mas a grande variação nas respostas imunológicas das pessoas pode tornar um desafio descobrir as circunstâncias em que uma vacina não funciona, e tais estudos precisarão rastrear muitas pessoas. “Você precisa ter uma boa tentativa em algumas análises populacionais de alto nível para descobrir se está ganhando ou perdendo”, diz Altmann. “Do contrário, você pode ser um governo se enganando nos últimos anos”.

O quão bem as vacinas funcionam em grupos de pessoas como idosos e crianças?

A maioria dos testes de vacinas foram feitos em dezenas de milhares de pessoas, mas para cada uma, as conclusões sobre a eficácia são tiradas de menos de 200 pessoas que desenvolveram a doença. Como resultado, seria difícil esmiuçar os dados para analisar a eficácia em diferentes grupos – como grupo de obesos ou de idosos – sem perder a força estatísticas. “Nós precisamos ver mais dados em termos de efeitos da vacina em diferentes grupos demográficos”, disse Michael Head, um pesquisador infectologista da University of Southampton, Reino Unido.

Há indicações recentes que as três vacinas protegem pessoas acima de 65 anos. Mas os pesquisadores provavelmente necessitariam de dados do mundo real de um amplo número de pessoas vacinas antes de poder ter a granularidade demográfica necessária para garantir que partes da população não estão protegidas.

Não há dados ainda sobre como as vacinas agem em crianças e grávidas. Alguns testes deixam outros grupos de pessoas para trás, assim como para garantir que dados seguros estão sendo coletados antes de come.ar Em 02 de dezembro, a Moderna revelou o planejamento para testar sua vacina em adolescentes.

Como as vacinas se comparam uma com a outra?

Todas as três vacinas provavelmente superarão o objetivo de 50% de eficácia, e todas serão seguras, com base nos testes clínicos. Mas há muitas diferenças em como elas funcionam, em quais contextos, que podem moldar o curso da pandemia.

As vacinas da Pfizer e da Moderna dependem do RNA envolto em uma partícula de lipídio que as células transportam, onde são usadas como molde para gerar uma proteína viral que estimula o sistema imunológico. A vacina da AstraZeneca usa DNA de um vírus inofensivo que é transportado para dentro das células.

Os últimos dados sugerem que a abordagem por RNA deve ser mais efetiva para proteger do desenvolvimento de sintomas da doença. Mas há diferenças sutis nas respostas imunológicas provocadas por cada abordagem, nota Griffin. Pesquisadores devem eventualmente encontrar que uma abordagem trabalha melhor que outra em certos grupos de pessoas, ou que uma é a melhor na limitação da transmissão.

Diferenças de custos e logísticas também interferem em qual é a melhor vacina para qual região. Logo depois do governo do Reino Unido anunciar a autorização para a vacina da Pfizer, as autoridades reconheceram que as vacinas para os residentes em casas de cuidados seria um desafio, porque necessita ser armazenada em temperaturas extremamente baixas (-70 °C). As outras duas vacinas não precisam ser mantidas em temperaturas tão baixas, e a imunização da AstraZeneca parece ser mais fácil e barata, afirmou Head.

As comparações entre a eficácia das diferentes vacinas são importantes e devem ser feitas, mas até lá, o caminho a seguir é claro, diz Altmann. “Pegue qualquer vacina que seu governo possa comprar”, diz ele. “Tudo que eu quero é sair desta bagunça e minha família não estar em perigo, e qualquer uma das vacinas de que estamos falando nos levará a isso”.

O vírus sofrer mutações para escapar da imunidade dada pelas vacinas?

Alguns vírus, como o astuto vírus da gripe, são notórios pelas mutações e transições de partes de seus genomas. O genoma SARS-CoV-2, no entanto, parece ser bastante estável até agora. A maioria das vacinas em desenvolvimento, incluindo as três que lideram a embalagem, têm como alvo uma proteína chamada spike, de que o vírus precisa para infectar as células. E as respostas imunológicas provocadas por essas vacinas provavelmente terão como alvo vários locais dessa proteína.

Tudo isso dá aos pesquisadores alguma garantia de que o vírus pode não desenvolver formas de escapar da imunidade. Mas as campanhas de vacinação em massa irão, pela primeira vez, colocar uma enorme pressão sobre o SARS-CoV-2 para se adaptar e selecionar qualquer cepa do vírus que possa escapar das defesas imunológicas. “Nunca vimos um vírus como este sob pressão seletiva”, diz Griffin. “Portanto, não sabemos como ele responderá”.

Como resultado, os pesquisadores precisarão monitorar as amostras de SARS-CoV-2 em busca de sinais de mudança, diz Charlie Weller, chefe de vacinas da instituição de caridade de pesquisa biomédica Wellcome, em Londres. “A vigilância robusta com amostragem e sequenciamento contínuos será fundamental para avaliar qualquer impacto potencial na saúde pública e detectar quaisquer mutações”, diz ela, “assim como a pesquisa contínua no desenvolvimento da próxima geração de vacinas da covid-19”.

Será útil ter vacinas prontas contra outros alvos, no caso de precisarem ser implantadas contra uma cepa de SARS-CoV-2 que se tornou resistente aos jabs de alvo de pico, diz Altmann. “Não está no topo da minha lista de pânico”, diz ele. “Mas nunca diga nunca: pode haver versões emergentes em que precisaríamos ter na manga vacinas contra outros alvos”.

Como os cientistas monitorarão as questões de segurança de longo prazo?

“A segurança do público sempre esteve em nossas mentes”, disse June Raine, presidente-executiva da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA) do Reino Unido, em um comunicado que acompanhou o anúncio do Reino Unido de que havia aprovado a vacina Pfizer.

A vacina completou apenas alguns meses do período de ensaio clínico de dois anos, que precisará ser concluído antes de ser aprovada para venda livre no mercado. Como resultado, as autoridades de saúde, médicos e pessoas que recebem a vacina estarão observando de perto por sinais de perigo ainda não observados.

Os ensaios clínicos controlam as vacinas rigorosamente para possíveis efeitos colaterais com uma combinação de autorrelato dos participantes e coleta de dados pelos médicos. A vacina Pfizer-BioNTech é administrada em duas doses com pelo menos três semanas de intervalo. Por uma semana após cada dose, os participantes do estudo controlam seu estado de saúde usando um diário eletrônico ou aplicativo de smartphone. Eles fornecem amostras de sangue no dia seguinte ao recebimento da dose e uma semana depois, para que os pesquisadores possam procurar qualquer coisa que possa indicar uma reação perigosa.

Os ensaios da Pfizer revelaram que alguns destinatários sentiram dor no local da injeção, juntamente com febre, fadiga, dores nos músculos e dores de cabeça – embora esses sintomas geralmente durassem apenas alguns dias e geralmente não fossem considerados graves. Mas eles podem alimentar o medo. “Quando a reação à vacina e à doença têm as mesmas características, as pessoas ficam preocupadas”, diz Jerome Kim, diretor-geral do International Vaccine Institute de Seul.

A garantia da MHRA de que a vacina é segura baseia-se no monitoramento de centenas de participantes por pelo menos dois meses após a segunda dose. Raramente há complicações graves após esse ponto, diz Kim.

Mas depois que uma vacina é aprovada, seja totalmente ou apenas para uso de emergência, os médicos devem continuar relatando quaisquer reações adversas. Muitos países têm algum tipo de programa, como o Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas dos EUA, que coleta relatos de sintomas graves depois que as pessoas recebem a vacina. Os médicos americanos são legalmente obrigados a relatar esses sintomas. Para os medicamentos e vacinas contra a covid-19, o Reino Unido criou um site especializado de notificação do Coronavirus Yellow Card.

Kim diz que esses sistemas funcionam. “Ainda é necessário forte vigilância. Esses eventos raros podem ser importantes”, diz ele.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Reino Unido aprovou uma vacina da covid-19 – mas o que alguns cientistas ainda querem saber? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV