“Estamos sob ataque: hackers tentam atrasar a execução da vacina”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Dezembro 2020

Na corrida pela vacina anti-Covid, a anglo-sueca AstraZeneca ocupava a primeira posição até uma semana atrás. Depois, a notícia de um erro no preenchimento de uma dose e a necessidade de aprofundamentos atrasaram a fase de aprovação.

A entrevista é de Fabio Tonacci, publicada por La Repubblica, 04-12-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Piero Di Lorenzo, o senhor é presidente da IRBM de Pomezia [empresa de biotecnologia molecular italiana], que produziu materialmente a vacina da AstraZeneca. O que tem a dizer a esse respeito?

Que é descabido falar de erro que impediu a experimentação. A verdade é que, em um lote do produto usado em um grupo de voluntários, havia sido inserida uma quantidade menor de produto. Essa situação, que veio à tona logo após a vacinação, foi imediatamente comunicada às agências reguladoras com uma integração do protocolo experimental. A partir da análise de todo o protocolo feito no fim da fase 3, constatou-se que aquela linha teve uma eficácia muito maior do que as outras, ou seja, de 90%.

E isso não é um erro?

Poderíamos falar de erro se isso tivesse vindo à tona durante a fase de administração e só tivesse sido descoberto no fim. Neste caso, repito, encontramo-nos diante de uma contingência feliz. A história da pesquisa científica está repleta desses casos fortuitos que deram resultados históricos: pensemos apenas na penicilina e nos antibióticos.

A AstraZeneca foi a única entre as multinacionais que trabalham com vacinas a comunicar dois níveis de eficácia, 70% e 90%. Por quê?

Foi considerado justo dar publicidade a todos os resultados individuais das várias linhas do protocolo, informando sobre o feliz caso que havia se verificado. Em vez disso, tudo isso foi instrumentalizado para desacreditar a experimentação e atrasar a chegada do nosso produto ao mercado.

De quanto será o atraso?

Certamente não sou eu que posso ditar os tempos da validação da EMA [o Ministério da Saúde italiano]. Espero que, dentro de algumas semanas, eles consigam concluir a análise dos dados que, de acordo com o que sei, serão enviados em sete a dez dias, salvo imprevistos.

A IRBM produzirá doses para a venda?

A nossa vocação é a pesquisa. Agora, estamos empenhados em realizar os testes de validação nas produções feitas no exterior e em particular na Inglaterra, mas eu prometi ao ministro Speranza e ao presidente da AstraZeneca que, se for útil, também daremos uma mão na produção, produzindo uma dezena de milhões de doses em 2021.

O trabalho continua normalmente?

Não. A normalidade acabou quando foi divulgado o preço de venda da vacina (2,80 euros por dose). Desde então, começamos a sofrer ataques de hackers profissionais muito violentos, que se intensificaram quando foi divulgada a quantidade de mais de três bilhões de doses que seriam produzidas. Já tivemos sete ataques muito pesados.

Ataques de quem?

Só posso dizer que vieram do exterior.

Qual era o objetivo?

Entrando no servidor da IRBM, roubar os dados sensíveis da operação da vacina. Só graças aos especialistas e às defesas corporativas, e com a ajuda das instituições competentes, é que pudemos resistir. Mas pense que agora não podemos mais usar e-mails e telefones para todas as comunicações de dados sensíveis, e eu lhe garanto que é um grande grão de areia na engrenagem.

O momento leva a pensar no motivo “político” para enfraquecer a posição de uma vacina que é econômica e fácil de transportar.

Bem, eu seria hipócrita se respondesse que não pensei no jogo geopolítico que poderia estar por trás desses fatos, sobre o qual eu ouvi falar por parte de alguns comentaristas. Mas eu prefiro afugentar os maus pensamentos.

A experimentação continuará, depois da aprovação do EMA, na Itália?

Todas as linhas de experimentação continuarão, porque ainda se esperam respostas quanto ao tempo de eficácia do soro. Também é verdade que, pelo mesmo motivo, os testes estão começando em vários outros países, incluindo a Itália.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Estamos sob ataque: hackers tentam atrasar a execução da vacina” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV