O Papa: não podemos fingir que somos saudáveis num mundo doente

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Movimento que pediu pacote antiambiental a Paulo Guedes inclui Gerdau, Google, Amazon, Globo e outros

    LER MAIS
  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS
  • São Vicente de Paulo e a atualidade de sua herança espiritual

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Junho 2020

Francisco escreveu a Iván Duque Márquez, presidente da Colômbia, país anfitrião do Dia Mundial do Meio Ambiente 2020, comemorado em um nível virtual por causa do coronavírus. Não podemos ignorar a destruição do ecossistema, afirma o Papa, a casa comum deve ser construída e protegida juntos.

A reportagem é de Alessandro De Carolis, publicada por Vatican News, 06-06-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

O desastre ambiental na Sibéria despenca como uma emblemática montanha de gelo sobre o Dia Mundial do ambiente e, se possível, torna as palavras de Francisco ainda mais poderosas. O tom da mensagem que ele envia ao presidente colombiano é de urgência, condensa a preocupação de um olhar que não se resigna e chama à reunião. Aquelas “infligidos à nossa mãe terra - escreve Francisco - também são feridas que sangram em nós. O cuidado dos ecossistemas precisa de um olhar para o futuro, que não permaneça apenas no imediato, em busca de um ganho fácil e rápido; um olhar cheio de vida e que busque a conservação para o benefício de todos".

Nunca ficar calados diante da exploração

As três páginas da carta, dirigida ao presidente colombiano Duque Márquez, nascem diretamente do magistério do papa sobre esse tema, alguns dias antes do anúncio de um Ano especial dedicado à Laudato Si’, publicada há cinco anos, mas atual como nunca. A proteção ambiental e o respeito pela "biodiversidade do planeta são questões que dizem respeito a todos nós. Não podemos nos fingir saudáveis em um mundo doente", insiste Francisco, uma voz que nos estimula a assumir responsabilidades. "Não podemos - diz ele - permanecer calados diante do clamor quando vemos os custos tão altos da destruição e da exploração do ecossistema. Não é o momento de continuar olhando para o outro lado, indiferentes aos sinais de um planeta que está sendo saqueado e violado pela ganância do lucro e em nome - muitas vezes - do progresso".

Decisões corajosas

Para nós, o Papa reitera - dirigindo-se em particular aos participantes do Dia Mundial do Meio Ambiente, envolvidos em encontros à distância para a pandemia -, cabe “inverter a tendência e apostar em um mundo melhor e mais saudável, deixando-o em herança para as gerações futuras. Tudo depende de nós; se realmente queremos isso". E o convite especial é exatamente para compartilhar o que a Encíclica solicita, para estar "mais consciente - ele escreve - do cuidado e proteção da nossa casa comum, bem como dos nossos irmãos e irmãs mais frágeis e descartados na sociedade". Por esse motivo, explica: “Encorajo vocês nesta tarefa que empreenderam, para que suas deliberações e conclusões sejam sempre a favor da construção de um mundo cada vez mais habitável e de uma sociedade mais humana, na qual haja espaço para todos e ninguém fique de pé".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa: não podemos fingir que somos saudáveis num mundo doente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV