Máscaras que desmascaram as assimetrias sociais

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Karl Rahner sobre o que significa amar Jesus

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Mai 2020

"Uma imensa multidão anônima navega na órbita do capital, tentando se manter com as sobras da caridade. Onde estão as políticas públicas para essa população!", escreve Alfredo J. Gonçalves, cs, padre, vice-presidente do SPM.

Eis o artigo.

O paradoxo é simbólico e ao mesmo tempo eloquente. A multidão mascarada pelas ruas e praças do mundo inteiro desmascara (e escancara) as assimetrias entre continentes, áreas geográficas, países e regiões no interior de cada nação. Em casos extremos como o Brasil, estima-se que o grupo minoritário que integra 1% da população contém riqueza superior à metade mais pobre dos habitantes. Ou ainda, a renda média desse mesmo grupo privilegiado ultrapassa a casa dos 35 mil reais por mês, enquanto os mais pobres ficam, em média, com menos de mil reais mensais. Uma diferença que gira em torno de 40 vezes.

As distorções do sistema econômico, porém, se agravam com a situação de crise prolongada, por causa da pandemia. O vírus das disparidades torna-se mais agressivo e venenoso. Amplia-se simultaneamente a concentração de renda, por um lado, e a exclusão social, por outro. Aqui não se trata de um vírus que veio de fora, mas de uma enfermidade crônica que se instala no próprio organismo vivo que é o meio de produção capitalista. Lucros aritmeticamente progressivos e acumulação do capital são ingredientes que, desde a origem, fazem parte de seu DNA. O crescimento da economia, por si só, sofre de uma disfunção congênita e hereditária. A riqueza produzida acaba sendo drenada para o topo da pirâmide social, restando para os moradores dos andares de baixo raras e parcas migalhas.

Semelhante estado de coisas contradiz frontalmente o conceito de “desenvolvimento” que caracteriza o conteúdo da Carta Encíclica Populorum Progressio (PP, 1967), publicada pelo então Papa Paulo VI. Trata-se de uma espécie de segundo capítulo da Constituição Pastoral Gaudium et Spes (GS, 1965), aprovada pelo Concílio Vaticano II. Ambos os documentos, de resto, têm a marca registrada do Cardeal João Batista Montini, eleito para a cátedra de Pedro após a morte do Papa João XXIII, durante os trabalhos do Concílio. Montini escolheu para o seu pontificado justamente o nome de Paulo VI.

Tanto a GS quanto a PP alertam para um crescimento baseado na concorrência predadora e desleal, puramente acumulativo. Tal risco representa uma espécie de seleção natural de Darwin aplicada à economia. Vencem os mais fortes, ao passo que os mais fracos vão ficando para trás, à beira da estrada e da vida. É como juntar galinhas e raposas dentro do mesmo galinheiro, ou tubarões e sardinhas no interior do mesmo aquário. Um de seus subtítulos mais proféticos diz textualmente: “o desenvolvimento é o novo nome da paz”. “Desenvolvimento do homem todo e de todos os homens”, “desenvolvimento integral”. Com esta expressão, o pontífice referia-se a um crescimento econômico seguido de justa e equitativa distribuição de renda. Os frutos do trabalho coletivo não podem ser individualmente apropriados. O bem-estar comum e o trabalho devem ter primazia sobre a acumulação privada do capital. Mais tarde escreverá João Paulo II: “sob toda a propriedade privada pesa uma hipoteca social”.

Tais considerações desmentem a falácia de que o mais importante é o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o qual representa a soma de todas as riquezas produzidas por determinada sociedade. Não é verdade que quando o PIB sobe a população se torna mais rica. A riqueza produzida, como vimos, é canalizada para o andar de cima da pirâmide social, deixando a base cada vez mais marginalizada. Toda crise traz o efeito perverso de reforçar esse desequilíbrio, tornando “os ricos cada vez mais ricos às custas dos pobres cada vez mais pobres”, diz ainda João Paulo II, em visita ao México. Nessa guerra darwinista, os primeiros a tombarem são os mais frágeis. Rostos lembrados pelo Documento de Puebla, de 1979 (DP, n. 30 a 39). Mas eles se atualizam: além dos indígenas, afro-americanos, crianças e mulheres, devemos incluir os migrantes, refugiados e indocumentados!... E também os trabalhadores informais, temporários, autônomos!... Uma imensa multidão anônima navega na órbita do capital, tentando se manter com as sobras da caridade. Onde estão as políticas públicas para essa população!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Máscaras que desmascaram as assimetrias sociais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV