“Francisco nos ensina a redescobrir o divino que está dentro de nós”. Entrevista com Alberto Maggi, teólogo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Março 2020

“As missas sem povo online? Eu não gosto. Infelizmente, muitos padres se acostumaram a isso. Para eles, não há salvação sem um Deus que vem de fora para salvar o homem. Se a celebração da missa é tirada deles, eles não sabem o que fazer. Eles não entendem que o Senhor já está em nós, ele se faz pão na palavra. Ele está dentro do homem e apenas pede para poder ajudar os outros”.

Alberto Maggi, conceituado biblista, padre e teólogo, comenta o momento atual. O Papa disse que é possível, enquanto se espera que tudo volte à normalidade, pedir a Deus perdão pelos pecados rezando em silêncio. Um retorno à oração pessoal e íntima, muitas vezes esquecida por uma Igreja que deseja ter o controle sobre os fiéis.

A entrevista com p. Alberto Maggi é de Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 28-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Padre Maggi, algumas reportagens falam de padres que celebram com os fiéis em segredo. O que acha disso?

Absurdo. Eles também dão comunhão sob as duas espécies, bebendo do cálice, alegando que é o sangue de Cristo e, como tal, não pode transmitir o vírus. Isso não é fé, é fanatismo. Bancam os cristãos das catacumbas e não sabem que provocam uma hecatombe.

Um erro grosseiro de visão de si, de Deus e do mundo?

Eles acham que são os únicos intermediários entre as pessoas e Deus, mas o Senhor não precisa de intermediários. Por muito tempo Deus tem sido visto como externo ao homem e distante. Jesus superou isso. João diz que para aqueles que amam o Pai, Jesus e o próprio Pai virão nele. Deus se manifesta não quando levantamos as mãos para o céu, mas quando arregaçamos as mangas e ajudamos os outros.

Para um determinado grupo do clero, tudo isso significaria perder o controle sobre os fiéis e, para alguns fiéis, sair de uma visão clerical da fé.

Se Deus está no coração do homem, não se pode controlá-lo. Mas quando você descobre Deus dentro de você tudo muda. Você não precisa mais procurá-lo e viver por ele, mas vive dele. Deus não lhe pede mais nada.

Qual é a utilidade de pedir a Deus para parar a pandemia?

Deus não pode detê-la, não pode mudar o curso da história, mas pode dar ao homem sua força para vivê-la.

Como você explica esse momento tão difícil?

Os danos do coronavírus também são o produto de uma política que inicialmente privilegiou os interesses econômicos de alguns em detrimento do bem comum. Francisco na “Laudato Si” pede um cuidado para a casa comum que poucos perseguem. O paraíso perdido deve ser conquistado agora.

Em que sentido?

Francisco assume uma leitura profética da narrativa da criação. O livro de Gênesis não olha para o passado, não é história, mas teologia. O autor não descreve a saudade por um passado, mas a profecia para o paraíso a ser construído.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Francisco nos ensina a redescobrir o divino que está dentro de nós”. Entrevista com Alberto Maggi, teólogo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV