Padre católico em Davos fala sobre inteligência artificial e fé

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. O MAS e o triunfo avassalador

    LER MAIS
  • "Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas". Entrevista com Carlos Frederico Marés de Souza Filho

    LER MAIS
  • O PT e o voto evangélico

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Janeiro 2020

Novas tecnologias na sociedade levantam questões importantes sobre a alma, de acordo com um delegado católico que está participando do Fórum Econômico Mundial em Davos.

A reportagem é de Christopher Lamb, publicada em The Tablet, 23-01-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O Pe. Philip Larrey, cátedra de Lógica e Epistemologia da Pontifícia Universidade Lateranense, que participou de discussões com empresas de tecnologia sobre as questões éticas em torno da inteligência artificial e dos robôs, participou de uma discussão sobre “A fé na Quarta Revolução Industrial, promovida pelos Emirados Árabes Unidos.

O Pe. Larrey disse à The Tablet que as tecnologias emergentes levantam questões sobre a imortalidade e a alma. Entre os bilionários do Vale do Silício, explicou, o investimento pesado estava sendo direcionado a tecnologias para estender amplamente a expectativa de vida e ao movimento “trans-humanista”, buscando modos de transferir a consciência humana para um formato digital.

“As empresas de tecnologia mais inteligentes querem dialogar com a Igreja Católica, porque temos uma tradição de 2.000 anos sobre o que significa ser humano”, disse ele. “A riqueza da tradição católica nos dá o enquadramento para falar sobre as tecnologias que temos, sobre como fomos criados e sobre qual é o nosso propósito.”

O Pe. Larrey, de Mountain View, Califórnia, onde o Google tem a sua sede e que ajudou a organizar o encontro de 2016 entre o papa e Eric Schmidt, presidente executivo da holding Alphabet, do Google, ressaltou que “a questão de saber se podemos realmente nos tornar imortais remonta ao livro de Gênesis”.

Ele disse que alguns dos gurus da tecnologia deixaram claro que não estão interessados em ter um diálogo com o Vaticano.

“Eles querem fazer as suas coisas e estão fazendo avançar, com muito dinheiro, projetos para tentar mantê-los imortais ou resolver problemas de saúde”, disse o Pe. Larrey, que escreveu dois livros, “Connected World” [Mundo conectado] e “Artificial Humanity” [Humanidade artificial].

Em setembro passado, os grandes investidores do Vale do Silício foram ao Vaticano para discutir ética em meio a conversas sobre um possível documento papal sobre a inteligência artificial. O arcebispo Vincenzio Paglia, referência do papa para as questões da família e pró-vida, encontrou-se com Brad Smith, presidente da Microsoft. A próxima assembleia do seu departamento, a Pontifícia Academia da Vida, se concentrará na inteligência artificial.

O Pe. Larrey salientou que, sejam quais forem os desenvolvimentos tecnológicos, é importante colocar as pessoas diante das plataformas.

“A Igreja não é contra o uso de máquinas, mas o que o Papa está dizendo é colocar o ser humano no centro da tecnologia”, explicou.

O padre-filósofo ressaltou que as paróquias, embora usem a tecnologia digital, são locais de contato humano. Ele disse que as reivindicações sobre robôs que dominarão o mundo são exageradas e que os governos não permitirão que as máquinas tomem o emprego das pessoas imediatamente. O mesmo vale para o ministério pastoral.

“Eu não vejo padres-robôs no futuro”, acrescentou.

O Pe. Larrey também é presidente da Humanity 2.0, que fornece uma plataforma de diálogo entre os setores público, privado e religioso. Ele já esteve em Davos antes e, embora goste das oportunidades de conhecer pessoas, não é alguém acrítico. “Está um frio congelante, e todos com os quais você se encontra são pessoas VIP que pensam que receberam o direito de governar o mundo”, brincou.

O papa Francisco, em sua mensagem, lembrou aos participantes do Fórum Econômico Mundial que a sua principal preocupação deve ser a “única família humana” e alertou contra o “isolacionismo, individualismo e colonização ideológica” do debate contemporâneo.

As mudanças digitais e tecnológicas, disse ele, beneficiaram a humanidade, mas também deixaram pessoas para trás. A mensagem do papa foi entregue pelo cardeal Peter Turkson, do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, que esteve em Davos e estava acompanhado pelo Pe. Augusto Zampini-Davies, uma autoridade do dicastério.

Nota de IHU On-Line:

O Instituto Humanitas Unisinos – IHU promove o XIX Simpósio Internacional IHU. Homo Digitalis. A escalada da algoritmização da vida, a ser realizado nos dias 19 a 21 de outubro de 2020, no Campus Unisinos Porto Alegre.

XIX Simpósio Internacional IHU. Homo Digitalis. A escalada da algoritmização da vida.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Padre católico em Davos fala sobre inteligência artificial e fé - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV