Fila de quem busca emprego há mais de dois anos bate recorde no Rio Grande do Sul

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Mais de 50 mil assinaturas exigem proteção para o Padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • Massacragem dos Chiquitanos vai à ONU. Artigo de Aloir Pacini

    LER MAIS
  • Um confinamento frutífero: em que o papa Francisco trabalhou durante a pandemia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Novembro 2019

Reflexo da crise, o número de desempregados que procuram trabalho por dois anos ou mais rompeu, pela primeira vez, a marca dos 100 mil no Rio Grande do Sul. Após ensaiar trégua, esse grupo atingiu a marca de 106 mil pessoas no terceiro trimestre, alta de 17,8% frente a igual intervalo de 2018. É o nível mais elevado da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em 2012.

A reportagem é de Leonardo Vieceli, publicada por Zero Hora, 25-11-2019.

De julho a setembro, o número de profissionais nessa situação correspondeu a 19,7% de todos os desempregados no Estado (540 mil). Ou seja, um a cada cinco desocupados encarava a escassez de vagas por 24 meses ou mais. O tamanho do grupo é similar ao da população de Erechim (105,1 mil habitantes), no norte do Rio Grande do Sul.

Os dados foram levantados por ZH a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, cuja edição mais recente foi divulgada na semana passada.

– Trabalhadores perderam o emprego, não conseguiram voltar ao mercado e passaram ao grupo de quem procura trabalho há dois anos ou mais. É uma espécie de efeito acumulativo – define o coordenador da Pnad Contínua no Estado, Walter Rodrigues.

A parcela de 106 mil desocupados é formada por 68 mil mulheres e 38 mil homens. Por idade, os mais afetados são os de 18 a 24 anos. Para o IBGE, o trabalhador é considerado desempregado quando está afastado do mercado e segue em busca de recolocação. Se exercer os populares bicos no período de procura, deixa de integrar o contingente de desocupados.

A informalidade foi o caminho que se abriu para Bianca Rodrigues, 18 anos, obter alguma renda. Moradora da Capital, a jovem procura há cerca de dois anos o primeiro emprego com carteira assinada. Diante das dificuldades, passou a exercer atividades de babá e faxineira, sem registro formal.

A íntegra da reportagem pode ser lida aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fila de quem busca emprego há mais de dois anos bate recorde no Rio Grande do Sul - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV