Pesticidas estão destruindo muito mais do que as pestes

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Outubro 2019

O rápido desaparecimento do pardal-montês representa a maneira destrutiva como temos tratado o nosso ecossistema.

O artigo é de Johannes Herrmann ornitólogo e gerente de projetos em uma associação de conservação da natureza, publicado por La Croix Inernational, 04-10-2019. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Eis o artigo.

Esta é a história de um humilde pardal-montês. Ele vivia em uma fazenda. Gostava esconder o seu ninho em um antigo muro, capturar lagartas no jardim para os seus filhotes, recolher as pontas das gramíneas selvagens e, às vezes, cavar nos nossos campos.

Pardal-montês. (Foto: Divulgação)

Era conhecido por suas bochechas brancas, marcadas com uma mancha escura. Por volta do ano de 2000, observei a seu respeito: “O pardal-montês da Eurásia: abundante, porém muitas vezes confundido com o pardal-doméstico”.

Hoje, 20 anos depois, três quartos desta espécie desapareceram da França. E ela não é a única.

Um programa de monitoramento de pássaros nos levou a um local bastante interiorano, com poucas cercas, grama alta, árvores ocas, uma paisagem promissora... e nada aí encontramos. Alguns chapins, nenhum boubela, nenhum picanço. Nada de abelhas nem gafanhotos. O enredo é claro. A conclusão é clara: muitíssimos pesticidas são usados aqui.

Sem câncer, sem problema?

Esse impacto não está visível em nossa urina e não causa câncer. Os produtos fazem o que devem fazer: matar ervas daninhas e insetos. Mas aqui fomos longe demais.

Os inseticidas neonicotinoides exterminam indiscriminadamente. O emprego massivo de herbicidas mata insetos e pássaros ao eliminar suas fontes de alimentos. Tudo em torno das nossas cultuas morre. Este é o lado oculto de um debate na área da saúde. “Não causa câncer? Sem problema! Sem problema!”

Ou mesmo… os cientistas estão advertindo. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a AgriculturaFAO (na sigla em inglês) tem mostrado preocupação: sem insetos, sem minhocas, não podemos mais esperar ver os nossos campos prosperarem por muito tempo. Então, que matemos os insetos indesejados e mantenhamos os campos!

Infelizmente, os seres vivos não veem as coisas dessa forma. Diz-se que esta planta, este pardal são “prejudiciais” e aqueles outros, não. Mas coletaríamos os órgãos do nosso próprio corpo que são úteis, removeríamos eles, acrescentaríamos outros, “melhoraríamos” ao final? Pois é assim que estamos tratando os nossos ecossistemas.

Precisamos de uma abordagem ecológica global que deixe espaço a todos. O respeito devido a cada ser vivo, ao que o Papa Francisco faz referência em Laudato Si’, não é somente um desejo piedoso romântico – ele deriva de uma simples observação científica da vida.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pesticidas estão destruindo muito mais do que as pestes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV