Inseticidas neonicotinoides e organofosfatos prejudicam a capacidade migratória de aves

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Agosto 2018

Aves que viajam longas distâncias entre suas áreas de reprodução e invernada podem ser particularmente suscetíveis a inseticidas neurotóxicos, mas a influência de inseticidas na capacidade de migração é pouco compreendida.

A reportagem foi publicada por EcoDebate, 20-08-2018.

Após a exposição aguda a dois inseticidas agrícolas amplamente utilizados, o imidaclopride (neonicotinoide) e o clorpirifos (organofosfato), foram comparados os efeitos sobre a massa corporal, atividade migratória e orientação em uma ave que se alimenta de sementes, o pardal (Zonotrichia leucophrys).

Durante a migração da primavera, os pardais foram capturados, mantidos e dosados por gavagem diariamente durante 3 dias com o controle do veículo, doses baixas (10% LD50) ou elevadas (25% LD50) de imidaclopride ou clorpirifos e testados em ensaios de orientação migratória, pós-exposição e durante a recuperação.

As aves de controle mantiveram a massa corporal e uma orientação para o norte sazonalmente apropriada ao longo da experiência. As aves dosadas com imidaclopride exibiram declínios significativos nos depósitos de gordura e massa corporal (perda média: -17% baixa, -25% de dose alta) e não conseguiram orientar corretamente. O clorpirifos não teve efeitos evidentes na massa, mas prejudicou significativamente a orientação.

Estes resultados sugerem que aves silvestres consumindo o equivalente a apenas quatro sementes de canola tratadas com imidacloprid ou oito grânulos de clorpirifos por dia durante 3 dias podem sofrer comprometimento.

Referência:

Imidacloprid and chlorpyrifos insecticides impair migratory ability in a seed-eating songbird

Margaret L. Eng, Bridget J. M. Stutchbury & Christy A. Morrissey
Scientific Reports, volume 7, Article number: 15176 (2017)

https://doi.org/10.1038/s41598-017-15446-x

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Inseticidas neonicotinoides e organofosfatos prejudicam a capacidade migratória de aves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV