“A Igreja necessita de mulheres nas missas”, afirma James Martin, jesuíta

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “O Papa não é liberal, é radical”, afirma cardeal Kasper

    LER MAIS
  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Julho 2019

“Me surpreende que as mulheres não possam pregar nas missa, tantos os fiéis durante a missa como os que presidem estão perdendo a sabedoria, experiência e as reflexões inspiradas de metade dos seus membros. Santa Maria Madalena, rogai por nós”, escreveu o padre James Martin, no Twitter.

A reportagem é publicada por El Universo, 25-07-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O padre jesuíta James Martin recebeu centenas de críticas no twitter depois de propor que as mulheres leigas, e não somente padres e diáconos, preguem, fazendo homilias durante as missas da igreja católica, informou o portal de notícias religiosas ACI Prensa.

Ele também compartilhou um artigo da revista jesuíta America, da qual é diretor, escrito por Jean Molesky-Poz, uma professora universitária a qual permitiu pregar nas missas por vários anos em uma paróquia ao norte da Califórnia, nos Estados Unidos, até que um novo bispo entrou na diocese e reservou as pregações da missa para sacerdotes e diáconos.

“Surpreende-me que as mulheres não possam pregar nas missa, tantos os fiéis durante a missa como os que presidem estão perdendo a sabedoria, experiência e as reflexões inspiradas de metade dos seus membros. Santa Maria Madalena, rogai por nós”, escreveu o padre Martin, no Twitter.

Depois disse: “Apenas pensem: mulheres com doutorado em teologia. Irmãs católicas com décadas de experiência. Mulheres conselheiras espirituais. Autoras. Mães. Médicas. Advogadas. Professoras. Avós. Mulheres que trabalham com os pobres e marginalizados. E assim sucessivamente. A igreja necessita das vozes das mulheres nas missas”.

James Martin desde 2017 foi nomeado pelo papa Francisco como um dos consultores da Secretaria de Comunicação do Vaticano.

Enquanto isso, o site oficial dos bispos alemães recentemente lançou a ideia de que as mulheres preguem homilias nas missas.

Em resposta à publicação do jesuíta, a famosa líder pró-vida Lila Rose afirmou que ela “como mulher conta com inumeráveis oportunidades para compartilhar sua visão de mundo”.

“O fato de que não compartilhamos o mesmo papel que os padres não diminui nossa dignidade”, pontuou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A Igreja necessita de mulheres nas missas”, afirma James Martin, jesuíta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV