Por dano ambiental, Ronaldinho Gaúcho continua sem poder sair do país 

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Maio 2019

O ex-jogador Ronaldinho Gaúcho e o irmão, o empresário Ronaldo de Assis Moreira, não poderão sair do país ou renovar o passaporte até reparar os danos ambientais causados pela construção ilegal de um trapiche irregular, em Porto Alegre. A decisão é da 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, nesta terça-feira (14), manteve a apreensão dos documentos, negando o pedido de habeas corpus da defesa do jogador.

A reportagem é de Sabrina Rodrigues, publicada por O Eco, 14/05/2019.

Em 2015, Ronaldinho Gaúcho e Assis Moreira foram condenados por construir um trapiche, com plataforma de pesca e atracadouro, na orla do Guaíba, em Porto Alegre. A construção não tinha licenciamento e foi feita em Área de Preservação Permanente. Os irmãos foram condenados ao pagamento de multa que, segundo o Ministério Público do Rio Grande do Sul, alcançava o valor de R$ 8,5 milhões em novembro do ano passado, quando foi determinada a apreensão dos documentos.

Em junho de 2017, na fase de cumprimento da sentença, os réus não foram encontrados, sendo então, intimados por edital, mas mesmo assim, não cumpriram a decisão judicial. Como não houve o pagamento da multa, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) acatou o pedido do Ministério Público e determinou a apreensão dos passaportes até que a indenização seja paga.

O advogado da família, Sérgio Queiroz, entrou com um pedido de habeas corpus no STJ, que foi negado pelo ministro Francisco Falcão em decisão liminar. Nesta terça-feira, a segunda turma manteve a decisão do relator.

Sérgio Queiroz diz que respeita a decisão, embora não concorde com ela e que irá recorrer.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por dano ambiental, Ronaldinho Gaúcho continua sem poder sair do país  - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV