Teólogo elogia a ''teologia invertida'' de Francisco sobre duas antigas heresias

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • A maior ameaça para a humanidade não é a mudança climática, mas a Inteligência Artificial, afirma o filósofo de Oxford apoiado por Bill Gates

    LER MAIS
  • Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos

    LER MAIS
  • A lição da economista do Papa entre desenvolvimento, responsabilidade e ecologia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Março 2019

Duas antigas heresias, que o Papa Francisco aponta frequentemente como “inimigas da santidade”, estiveram no centro de uma conferência em Roma na terça-feira, 12, que tentou explicar a “teologia invertida” do pontífice argentino.

A reportagem é de Claire Giangravè, publicada em Crux, 13-03-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“O Papa Francisco pratica uma tradução da tradição”, disse o teólogo italiano Andrea Grillo, que leciona na Pontifício Ateneu Santo Anselmo, em Roma. “Ele move o inimigo de fora para dentro.”

Suas observações ocorreram durante uma conferência intitulada “Dois inimigos da santidade: pelagianismo e gnosticismo”, no dia 12 de março, na Pontifícia Universidade Gregoriana, administrada pelos jesuítas em Roma.

Grillo se referia ao pelagianismo e ao gnosticismo, as duas heresias de 1.500 anos de idade que Francisco vê refletidas na Igreja Católica hoje. O pontífice condenou essas “heresias modernas” em sua exortação apostólica de 2013, Evangelii gaudium, e novamente em 2018, na Gaudete et exsultate.

De acordo com o teólogo, há uma clara diferença entre a descrição do papa sobre essas crenças nesses documentos e a visão que é apresentada na Placuit Deo, ou “Aprouve a Deus”, uma carta de quatro páginas escrita pela Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano e publicada no dia 1º de março de 2018.

“A tentação do pelagianismo”, disse Grillo, “pode ser encontrada no controle estrutural das crenças abstratas.”

Como Francisco disse na Gaudete et exsultate, o pelagiano moderno é uma “peça de museu”, que atribui uma importância excessiva a estilos, normas e aparências e, portanto, corre o risco de ser “fossilizado” ou até mesmo “corrompido”.

O gnosticismo, por sua vez, leva a confiar no próprio raciocínio e inteligência para alcançar a salvação e, portanto, torna-se retrógrado e, nas palavras de Grillo, “é incapaz de transcendência”.

A insistência de Francisco nessas heresias visa a “desmascarar as tendências autorreferenciais” presentes na Igreja, disse o teólogo. Tudo isso se perde na Placuit Deo, continuou Grillo, que “deu um passo para trás” e “perdeu completamente o contexto”.

No documento emitido pela Congregação para a Doutrina da Fé, o neopelagianismo e o neognosticismo “são conjugados em relações não com a Igreja, mas com o mundo. Como se a Igreja estivesse livre da tentação, e o seu trabalho fosse ressaltar as tentações para o mundo”.

De acordo com o teólogo, a carta está cheia de “criptognosticismo e criptopelagianismo”, a ponto de ele sugerir que o nome do documento fosse mudado de Placuit Deo para Placuisset Romanae Curiae, ou “Aprouve à Cúria Romana”.

Grillo disse que a “visão da tradição [por parte de Francisco] é invertida” e, portanto, leva a uma “tradução da tradição”, representada pelas duas antigas heresias, e “move o inimigo de fora para dentro”.

“Não são os outros que caem no pelagianismo e no gnosticismo, somos nós”, enfatizou Grillo: “Não é uma crítica em relação ao exterior, mas uma autocrítica da Igreja”.

Essas heresias, continuou, podem ser encontradas naqueles que, dentro da Igreja, resistem à modernidade, encerrando-se em crenças que muitas vezes confundem tradição eclesial com herança feudal, estruturas patriarcais e antiga burocracia romana.

Os escritos de Francisco, disse Grillo, parecem apontar para uma maneira diferente que desafia o entendimento da Igreja sobre a fé e a teologia. Ele destacou quatro pontos em que o pelagianismo e o gnosticismo paralisam a Igreja:

  1. Tradução incompreensível” é o termo usado por Grillo para descrever o apego ao latim antigo dentro da Igreja Católica, apesar da nova onda de modernização introduzida pelo Concílio Vaticano II.
  2. Liturgia mumificada”, disse, significa a “humilhação da verdadeira tradição cristã”.
  3. Mulher desordenada”, por sua vez foi usado para descrever a falta de argumentos reais e sólidos por parte da Igreja para negar às mulheres papéis de liderança, de poder e de autoridade dentro da Igreja.
  4. Niilismo canônico, de acordo com Grillo, é algo óbvio no ramo canônico e judicial do Vaticano, que está lutando para encontrar respostas oportunas para as mudanças atuais que afetam as pessoas e especialmente a família.

Citando o Papa João XXIII que inaugurou o Vaticano II, Grillo pediu uma Igreja “que tenha a coragem de realmente ouvir os sinais dos tempos”.

“O pelagianismo e o gnosticismo, essas duas palavras tiradas da tradição antiga, retornam com o Papa Francisco como dois critérios para interpretar os desafios que a Igreja está enfrentando no mundo moderno”, concluiu o teólogo, “e anunciam uma Igreja que está disposta a se expor ao mundo”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Teólogo elogia a ''teologia invertida'' de Francisco sobre duas antigas heresias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV