A caderneta e a saúde dos adolescentes. “Rasguem”, sugere Jair Bolsonaro

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS
  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Março 2019

A caderneta voltada para a saúde dos adolescentes que Jair Bolsonaro sugeriu que pais “rasguem” foi objeto de dois anos de preparação. Antes do lançamento, que aconteceu em 2009, o Ministério da Saúde ouviu especialistas, pais e jovens. E, um ano antes, fez um teste em cinco cidades – Tabatinga (AM), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Petrópolis (RJ) e Rio Branco (AC).

A informação é publicada por Outra Saúde, 11-03-2019.

Entrevistada pela Folha, Thereza de Lamare, que coordenou essa área do Ministério da Saúde entre 2004 e 2015, disse que a cartilha foi responsável pelo aumento no número de adolescentes cadastrados nas unidades básicas de saúde. Com 40 páginas, o documento orienta sobre cuidados com a saúde, transformações no corpo, primeira menstruação e prevenção de gravidez e doenças sexualmente transmissíveis – parte que incomodou Bolsonaro. “As pessoas têm a visão de que, se não falar sobre isso, está protegendo o adolescente. Mas as pesquisas mostram o contrário", disse ela.

Questionado, o Ministério afirmou que não tem informações sobre como pretende recolher o material. Até agora, mais de 32 milhões de cartilhas foram adquiridas. O material passou a ser entregue durante consultas em unidades de saúde e por meio do programa Saúde na Escola, com palestras que explicassem os assuntos abordados.

E tem mais: segundo o Estadão, o ministro da Educação Ricardo Velez já disse que o programa Saúde nas Escolas deverá ser “atualizado” para se adequar aos padrões das “famílias”. A reportagem liga a insatisfação da bancada evangélica com o governo Bolsonaro aos arroubos contra cartilhas educativas, que começaram em janeiro com o documento do Ministério da Saúde que se dirigia à população trans.

Segundo o jornal, são acenos que pretendem substituir a fome por cargos. Mas, ao que parece, não está funcionando. Por exemplo: na última sexta, quando várias exonerações aconteceram – deixando de fora inclusive parte do pessoal alinhado a Olavo de Carvalho no MEC –, uma indicação da bancada evangélica também caiu. Trata-se de Pablo Tatim, que trabalhava na Casa Civil.

Na última sexta, gente como o deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP) usou o Twitter para dizer que o governo não se comunica com a bancada e, por isso, é um gigante com pés de barro. Outro parlamentar, Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), reclamou: “A bancada nunca teve espaço, mas agora está pior. Ele [o presidente] só dialoga com os militares e com os filhos”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A caderneta e a saúde dos adolescentes. “Rasguem”, sugere Jair Bolsonaro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV