Rumo ao cisma? A direita clerical e o ''Manifesto da fé''

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • “América Latina caminha para o enfraquecimento e a desintegração”. Entrevista com Juan Tokatlian

    LER MAIS
  • Ernesto Cardenal. Não é um filho pródigo da Igreja

    LER MAIS
  • Papa Francisco revoga permanentemente todas as sanções canônicas contra o padre e poeta Ernesto Cardenal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Fevereiro 2019

Há menos de dois anos, em novembro de 2017, em uma surpreendente entrevista ao Corriere della Sera, ele anunciou que abandonaria a guerra no Vaticano contra o Papa Bergoglio: “Há um front de grupos tradicionalistas, assim como de progressistas, que gostariam de me ver à frente de um movimento contra o papa. Mas eu nunca farei isso”.

A reportagem é de Fabrizio D’Esposito, publicada por Il Fatto Quotidiano, 11-02-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Assim falou o cardeal alemão Gerhard Ludwig Müller, prefeito do ex-Santo Ofício, a Congregação para a Doutrina da Fé, e indicado na época como o mais renomado dos opositores do pontífice argentino. É claro, naquela conversa, o cardeal expressou preocupações com as divisões e a confusão doutrinal da Igreja, mas, indo à substância da questão, o seu recuo colocou sobre os ombros dos quatro cardeais das dubia sobre a comunhão aos recasados, incluindo o estadunidense Burke e o italiano Caffarra, depois falecido, o peso da liderança da frente conservadora e farisaica anti-Bergoglio.

Evidentemente, nesses 15 meses, as reflexões entre os rígidos defensores da Doutrina, vigorosamente contrários à misericórdia de Francisco, mudaram, e o cardeal alemão lançou um documento “dramático”, para citar um adjetivo usado pelos seus próprios torcedores: o “Manifesto da fé”, redigido por ocasião do sexto aniversário da renúncia de Ratzinger ao pontifica (no dia 11 de fevereiro) e assinado significativamente como “prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé de 2012 a 2017”.

O documento foi publicado pelo LifeSiteNews, o site estadunidense que lidera a rede internacional contra Bergoglio e megafone do pedido de renúncia a Francisco de dom Carlo Maria Viganò.

São muitas as questões contestadas por Müller sobre a “confusão” de hoje na Igreja, a ponto de comparar a situação ao tempo do Anticristo, cavalo de batalha do protesto tradicionalista. Da comunhão aos recasados ao diálogo inter-religioso e à existência do Inferno, do celibato dos sacerdotes ao papel das mulheres. O “Manifesto” é acompanhado por um pedido: a oportunidade de se levar em consideração e avaliar a hipótese de um cisma.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rumo ao cisma? A direita clerical e o ''Manifesto da fé'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV