48% do eleitorado do Vale do Sinos possui até ensino fundamental incompleto

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Maria Madalena, a primeira testemunha da Ressurreição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Guilherme Rodrigues, João Conceição e Marilene Maia | 22 Setembro 2018

O ensino fundamental incompleto é ainda o corte de grau de instrução que possui o maior número de eleitores e se torna uma característica comum entre os municípios do Vale do Sinos. Apesar da maior escolaridade do eleitorado da região nos últimos anos, o Vale do Sinos possui 48,53% do eleitorado com ensino fundamental incompleto.

O Observatório das realidades e das políticas públicas do Vale do Rio dos Sinos - ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, traçou o perfil do eleitorado que irá às urnas em outubro.

Gênero

O número de eleitores no Brasil aumentou de 75.813.519 em 1988 para 147.302.357 em 2018, resultando em uma expansão de 94% da população votante. Os homens representavam 50,50% do eleitorado brasileiro em 1988. Entretanto, este cenário mudou, as mulheres são a maioria do eleitorado nas eleições deste ano, representando 52,50% do total de eleitores. O Rio Grande do Sul, que também aumentou o número de eleitores, apresentou o mesmo movimento que o Brasil. As mulheres também são a maioria, com 52,50% do eleitorado (mesmo percentual nacional).

O Vale do Sinos vai contar com 52,56% de eleitoras nas eleições de outubro.

O voto feminino foi instituído somente no ano de 1932. Apesar do avanço, ainda existia uma série de limitações: apenas mulheres casadas, viúvas e solteiras com renda própria poderiam votar. Dois anos depois, em 1934, as restrições supracitadas foram eliminadas do Código Eleitoral, embora somente em 1946 a obrigatoriedade do voto foi estendida às mulheres. Uma das explicações possíveis para o aumento da participação das mulheres votantes, além da obrigatoriedade, é o fato de elas representarem mais da metade da população brasileira e consequentemente do eleitorado.

Apesar de as mulheres representarem mais da metade da população brasileira e do eleitorado, isso não reflete na participação delas em cargos políticos. Atualmente, a Câmara Federal conta com aproximadamente 10% das mulheres e o Senado Federal com 14%. Já na Assembleia do Rio Grande do Sul, apenas 9 das 55 cadeiras são ocupadas por mulheres, isto é, um pouco mais de 16% de presença das mulheres. No Vale do Sinos, em 2016, apenas 14 mulheres conseguiram se eleger, resultando numa média de uma vereadora por município. Em 2012, a situação foi pior, nenhuma mulher tinha sido eleita.

Geração

O percentual de eleitores não obrigados a votar (facultativo) de 16 e 17 anos no Brasil nas eleições deste ano representa 0,95% do total. Em 2008, esse percentual era 1,91%. No estado a tendência é a mesma, em 2008 era 1,53% e passou para 0,65%. Por outro lado, aumentou a participação do eleitorado acima de 60 anos no Brasil. Em 2008, eram 14,51%; nestas eleições a participação passou para 18,84%. O Vale do Sinos também teve encolhimento na participação dos eleitores jovens entre 16 e 24 anos, passando de 17,11% para 13,31%.

A diminuição do eleitorado jovem e o aumento dos eleitores acima de 60 anos pode estar relacionada às mudanças demográficas no país. Outra explicação que pode ser dada é a falta dos jovens em cargos políticos visto que menos de 3% dos deputados federais e senadores são jovens.

Os municípios de Araricá, Estância Velha, Nova Hartz e Portão conseguiram eleger um vereador com idade abaixo de 29 anos na última eleição municipal. Em 2012, foram eleitos 6 vereadores com idade entre 18 e 24 anos. Os vereadores eleitos para o mandato de 2017-2019 estão, na sua maior parte, com idade entre 40 e 59 anos, e os eleitores de 2018 dessa mesma faixa etária, na região, são 26,09%.

Escolaridade

Os dados relacionados ao grau de instrução dos eleitores disponibilizados pelo TSE indicam considerável melhora em alguns indicadores. Logo, comparando os anos de 2008 e 2018, constata-se uma queda de 18% na participação de eleitores analfabetos no Brasil, ao passo que esse dado é de -30% para o Rio Grande do Sul. Por outro lado, continuando a análise comparativa, é observável um aumento dos eleitores com ensino superior completo para o Brasil, passando de 4.614.715 em 2008 para 13.576.120 em julho deste ano, isto é, um aumento de aproximadamente 194%. Já o Rio Grande do Sul segue esta tendência que, apesar do menor grau de intensidade, contabiliza um aumento de 127% (329.522 de eleitores em 2008 para 750.638 em julho deste ano).

Outro dado de destaque é que para este ano, no Brasil, a maior parcela da população votante (25,8%) se concentra no estrato com ensino fundamental incompleto; em 2008 esta parcela representava 34%. O segundo corte de instrução com maior número de eleitores para o Brasil é o ensino médio completo com 22,9%, cerca de 10 pontos percentuais a mais que 2008 (12,2%).

O Rio Grande do Sul segue a tendência nacional e apresenta eleitores com o ensino fundamental incompleto como a maior fração do eleitorado estadual (31,95% em 2018). Para o ano de 2008 este corte apresentava uma participação ainda maior, 40,3%. Eleitores com ensino médio completo representam a segunda maior participação do eleitorado gaúcho, com cerca de 20,1% em 2018 (em 2008 esta percentagem era de 11,82%).

Apesar da relativa queda entre o decênio de 2008 e 2018, o ensino fundamental incompleto é o corte que (ainda) possui o maior número de eleitores (maior percentagem de participação do eleitorado) e se torna uma característica comum entre os municípios do Vale do Sinos. Em 2008, 62,98% do eleitorado possuía ensino fundamental incompleto, agora em 2018 são 48,53%.

Ivoti recebe destaque pelos estratos mais qualificados, com 14,37% de seu eleitorado com ensino superior completo para o ano de 2018 (em 2008, esta parcela representava apenas 2,94%, isto é, um aumento de 389%). Já a fração do eleitorado de Ivoti com ensino superior incompleto para 2018 é de 11,21% (em 2008 era 4,2%). Segundo os dados do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul - TCERS, Ivoti foi o município da região que mais investiu em educação ao aplicar 35,96% dos impostos nesta área.

O segundo município com mais eleitores com ensino superior completo e incompleto para este ano é Canoas, com 8,45% e 10,17%, respectivamente. Por outro lado, o município de Araricá possui a menor parcela do eleitorado com ensino superior completo (0,85% em 2008 para 2,57% em 2018), seguido de Sapucaia do Sul, com 1,03% em 2008 e 2,57% em 2018.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

48% do eleitorado do Vale do Sinos possui até ensino fundamental incompleto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV