19 de maio de 2018, o cardeal Castrillón Hoyos e o beato Oscar Romero... um dia especial

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS
  • Papa Francisco quer incluir 'pecado ecológico' na doutrina oficial da Igreja, após Sínodo da Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Maio 2018

No dia em que se celebram as exéquias do cardeal colombiano Darío Castrillón Hoyos, com o ritual da Última Commendatio e da Valedictio presididas pelo Santo Padre, durante o Consistório ordinário público foi anunciada formalmente a canonização do Beato mártir salvadorenho arcebispo Oscar Romero, do qual o cardeal falecido foi um ferrenho e duro opositor, ao ponto de fazer parte, por muitos anos, juntamente com o seu mentor, outro cardeal colombiano, discutido e polemizado, Alfonso López Trujillo (1935-2008), do bloco que criou toda forma possível de obstáculos à beatificação do arcebispo de San Salvador assassinado em 24 de março de 1980.

O comentário é publicado por Il Sismografo, 19-05-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

À oposições contra Romero de Castrillón Hoyos e López Trujillo somaram-se muitas outras, entre as quais as do Cardeal de Buenos Aires, Antonio Quarracino, de uma longa lista de núncios apostólicos credenciados na América Latina, liderados por Girolamo Progione, e muitos prelados da Cúria romana.

Em 30 de outubro de 2015, o papa recebendo uma peregrinação de salvadorenhos, terminou assim seu discurso: "Eu gostaria de acrescentar algo que talvez nos tenha escapado. O martírio de Dom Romero não aconteceu apenas no momento de sua morte, foi um martírio-testemunho, antecedido por sofrimento e perseguição até sua morte. Mas, também continuou depois, porque após a sua morte - eu era um jovem padre e fui testemunha - ele foi difamado, caluniado, enlameado, ou seja, o seu martírio continuou até mesmo por parte de seus irmãos no sacerdócio e no episcopado. Eu não falo por ter ouvido dizer, eu escutei essas coisas. Então, é bom vê-lo também assim: como um homem que continua a ser um mártir. Pois bem, acho que agora quase ninguém mais se atreve a fazê-lo. Depois de ter dado a sua vida, continuou a oferecê-la deixando-se golpear por todas aquelas incompreensões e calúnias. Isso me dá força, só Deus sabe o quanto. Só Deus conhece as histórias das pessoas, e quantas vezes as pessoas que já deram a própria vida ou que morreram continuam a ser apedrejadas com a pedra mais dura que existe no mundo: a língua".

Vea también

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

19 de maio de 2018, o cardeal Castrillón Hoyos e o beato Oscar Romero... um dia especial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV