Cresce a pobreza na América Latina e no Brasil

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • Carta do Papa Francisco a Leonardo Boff

    LER MAIS
  • A insuportável leveza do cristianismo pós-institucional. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “O problema da violência sexual é político, não moral”. Entrevista com Rita Segato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Março 2018

"No processo de reprimarização da economia e com a redução do preço das commodities, em geral, a ALC não conseguiu recuperar o dinamismo anterior e entrou em uma temporada de baixo crescimento e de estagnação social" escreve José Eustáquio Diniz Alvesdoutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 12-03-2018.

Eis o artigo.

“There are people dying

If you care enough for the living

Make it a better place

For you and for me” Michael Jackson

A América Latina passou por uma dúzia de anos de redução da pobreza, no período compreendido entre 2002 e 2014, época em que aproveitou a onda favorável do superciclo das commodities para aumentar o nível de emprego e reduzir a exclusão social. Mas os ventos favoráveis mudaram e a pobreza voltou a subir a partir de 2015.

O “Panorama Social de América Latina, 2017”, da Cepal, mostra que a pobreza abarcava 45,9% da população latino-americana em 2002, caiu para 28,5% em 2014 e subiu nos 3 anos seguintes, alcançando 30,7% em 2017. A extrema pobreza abarcava 12,4% da população latino-americana em 2002, também subiu nos anos seguintes e chegou a 10,2% em 2017.

Em números absolutos, havia 233 milhões de pessoas na pobreza na América Latina (18 países) em 2002, caiu para 168 milhões em 2014 e subiu para 187 milhões em 2017. Na extrema pobreza havia 63 milhões de pessoas em 2002, caiu para 48 milhões em 2014 e subiu para 62 milhões em 2017. O número de pessoas em situação de extrema pobreza ficou praticamente o mesmo em 2002 e 2017.

Para o cálculo global do nível da pobreza e da extrema pobreza da América Latina (18 países), para os anos mais recentes, a Cepal estimou a pobreza levando em consideração a correlação com a variação do PIB para os países que não tinham dados de 2015 e 2016.

A tabela abaixo mostra os dados disponíveis para os 18 países considerados. Nota-se que o Uruguai é o país com menor nível de pessoas pobres em toda a ALC. Para 2016, havia apenas 9,4 uruguaios em situação de pobreza e um percentual ínfimo de 0,3% uruguaios em situação de pobreza extrema. O Chile que tinha um nível de pobreza superior ao brasileiro, conseguiu melhores resultados para a melhoria da qualidade de vida da sua população e reduziu a pobreza de 22,2% em 2012 para 11,7% em 2015 e reduziu a pobreza extrema de 8,1%, em 2012, para 3,5% em 2015. Os dois países mais secularizados da ALC são os dois com menores níveis de pobreza.

A tabela abaixo não apresenta os dados do Brasil para 2015 e 2016, mas sabemos que nestes dois anos de grande crise econômica houve aumento da pobreza e da pobreza extrema. Mas com os dados disponíveis já se percebe que o Peru conseguiu reduzir mais rapidamente a pobreza extrema do que o Brasil.

A tabela abaixo também mostra que o país que mais aumentou a pobreza entre 2012 e 2014 foi a Venezuela, que tinha 21,2% de pobres em 2012 e passou para 32,6% em 2014. A pobreza extrema passou de 6% em 2012 para 9,5% em 2014 (a crise de refugiados da Venezuela que chegaram à Colômbia e ao Brasil é um exemplo da situação desesperadora do país). Segundo a pesquisa ENCOVI, de 2017, o percentual de pessoas abaixo da linha de pobreza na Venezuela atingiu 81,8% dos lares, enquanto a pobreza extrema chegou a 51,51%.

O relatório da Cepal mostra que os países que mais aumentaram o nível de pobreza em 2015 e 2016 foram o Brasil e a Venezuela, revertendo a redução que ocorreu em outros países da ALC:

“En este caso (2015-2016), la evolución regional de la pobreza y la pobreza extrema está particularmente influenciada por el devenir económico de dos países de significativo tamaño para la región, el Brasil y la República Bolivariana de Venezuela. Dado que no se dispone aún de datos comparables provenientes de las encuestas de hogares referidas a 2016 en el Brasil y a 2015 y 2016 en la República Bolivariana de Venezuela, las proyecciones sobre los cambios esperados en materia de pobreza se ven influidas por la contracción del PIB por habitante del 4,4% (2016) en el Brasil, y del 6,9% (2015) y el 10,8% (2016) en la República Bolivariana de Venezuela. El aumento de la pobreza proyectado en dichos países supera la reducción observada en el resto de la región” (p. 89 e 90)

A tabela mostra ainda que Honduras é o país com maior nível de pobreza da região, seguido de Guatemala, Bolívia, El Salvador, etc. O México – que é o segundo país da ALC em termos de população e economia – também apresenta níveis elevados de pobreza, a despeito de várias políticas de transferência de renda.

Para o caso brasileiro, artigo de Bruno Villas Boas, no Jornal Valor (18/12/2017) mostra os números do aumento da extrema pobreza no Brasil em 2015 e 2016. O número de pessoas vivendo com menos de US$ 1,9 por dia (ou R$ 133,72 por mês) foi de 8 milhões em 2014, passou para 9,8 milhões em 2015 e atingiu 13,3 milhões de pessoas em 2016. Em termos de percentagem da população, a extrema pobreza atingiu o menor nível, de 4,1% em 2014, passando para 4,9% em 2015 e 6,5% em 2016.

O artigo também mostra que havia 52,2 milhões de pessoas em situação de pobreza, representando 25,4% da população total brasileira. O que mostra que o Brasil está atrás da Costa Rica no combate à pobreza.

O fato é que a América Latina e Caribe (ALC) apresentou ganhos fundamentais na redução da pobreza durante o períodos em que o superciclo das commodities favoreceu os termos de intercâmbio e trouxe crescimento da renda e do emprego na região. No processo de reprimarização da economia e com a redução do preço das commodities, em geral, a ALC não conseguiu recuperar o dinamismo anterior e entrou em uma temporada de baixo crescimento e de estagnação social. Resta saber se esta situação será conjuntural e de curto prazo ou estrutural e de longo prazo, pois a alternativa necessária, incluída na meta dos ODS, é o fim da pobreza e da fome para a construção de uma América Latina mais próspera e justa.

“Create a world with no fear

Together we’ll cry happy tears

See the nations turn their swords Into plowshares” Michael Jackson

Referências:

CEPAL. Panorama Social de América Latina, CEPAL, Santiago de Chile, 2017

Bruno Villas Boas. Biênio de recessão levou 9 milhões à pobreza, Jornal Valor, SP, 18/12/2017.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cresce a pobreza na América Latina e no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV