Austrália. Comissão que investigou pedofilia pede mudanças profundas

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS
  • Mais um golpe... em nome de Deus

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Dezembro 2017

A comissão australiana que investigou os abusos sexuais contra menores no seio das instituições religiosas e públicas do país recomendou mudanças profundas em todos os níveis, em sua última audiência, após cinco anos de trabalho.

A reportagem é publicada por El Nuevo Diario, 13-12-2017. A tradução é do Cepat.

O presidente da comissão, Peter McClellan, reivindicou mudanças na “cultura, estrutura e práticas de governo de muitas instituições”.

“Deve haver muitos dirigentes e membros de algumas instituições incomodados com a intromissão (...), mas se os problemas que identificamos forem abordados adequadamente, devem produzir mudanças”, disse McClellan.

Em uma declaração com a presença do primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, e do chefe da oposição, Bill Shorten, o juiz McClellan ressaltou que os abusos contra menores não são um assunto do passado e convocou o país a fazer tudo o que for possível para protegê-los.

“O trágico impacto do abuso contra cada um deles e por meio deles contra toda a sociedade, não exige menos”, disse McClellan, um dia antes da comissão apresentar seu relatório final ao Governo.

A comissão foi criada em fins de 2012, pela então primeira-ministra trabalhista Julia Gillard e, durante seu trabalho, reuniu depoimentos de 8.013 pessoas e entrevistou 1.300 testemunhas.

Durante 57 audiências públicas, compareceram altos dirigentes religiosos, entre eles, o cardeal George Pell, chefe das Finanças do Vaticano, como parte da investigação de 44 estudos de casos em instituições católicas.

A Igreja Católica, com forte presença na Austrália, recebeu queixas de 4.500 pessoas por supostos abusos contra menores, cometidos por 1.880 membros desta instituição, sobretudo irmãos e sacerdotes, entre 1980 e 2015, embora alguns casos se refiram aos anos 1920.

Ao longo destes anos, a Comissão Real ofereceu uma série de recomendações sobre como indenizar as vítimas e maiores sanções para penalizar os agressores.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Austrália. Comissão que investigou pedofilia pede mudanças profundas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV