O Ensino da Igreja é claro: 'Fake news' e outras inverdades são erradas e perigosas

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco sugere reformulação do Pai Nosso. O problema? A tradução da frase 'Não nos deixeis cair em tentação'

    LER MAIS
  • “As redes sociais estão dilacerando a sociedade”, diz um ex-executivo do Facebook

    LER MAIS
  • Julgamento de Lula, a primeira data crucial da eleição presidencial de 2018

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Dezembro 2017

Quando o presidente Donald Trump tuitou que a revista Time tinha o contatado sobre sua nomeação ao prêmio "Personalidade do ano", mas que ele havia recusado, um representante da revista disse que o tuíte do presidente não tinha "nenhum traço de verdade". No dia seguinte, relatórios terem trazido à tona que Trump vinha negando que fosse sua a voz na famigerada gravação do programa "Access Hollywood", fazendo comentários maldosos sobre as mulheres. Mas quando a gravação foi divulgada, no ano passado, Trump reconheceu que era ele. Não tem como ambos serem verdade.

Enquanto isso, na mesma semana, o jornal The Washington Post revelou que uma organização ativista tinha pagado uma mulher para mentir sobre ter engravidado do candidato ao Senado Roy Moore na adolescência. A história foi uma tentativa de expor o viés da mídia do The Washington Post caso tivessem continuado com a história falsa, mas, em vez disso, o jornal revelou a verdade: que o abuso e a gravidez não aconteceram e a mulher trabalhava para uma organização ironicamente denominada Veritas, que significa, em latim, "verdade".

A reportagem é de Heidi Schlumpf, publicada por National Catholic Reporter, 05-12-2017. A tradução é de Luísa Flores Somavilla.

Estes três exemplos recentes levantam a questão: Mentir é errado? Ainda é — como dizem os católicos — pecado?

Com certeza, dizem teólogos e moralistas. Como os pais já apontaram através dos tempos, não é porque todo mundo está fazendo que é certo.

A tradição católica ética é clara ao afirmar que mentir é moralmente errado e, na verdade, sustenta que é errado em todas as situações, embora alguns moralistas vejam distinções. Mas todos concordam que as consequências da mentira são muito graves quando advém de líderes de instituições sociais, como o governo, a mídia ou até mesmo igrejas.

"Mentir destrói a confiança entre as pessoas, corroendo a comunicação”, disse Lisa Fullam, professora de teologia moral na faculdade jesuíta de teologia da Universidade de Santa Clara, na Califórnia.

A mentira generalizada — ou talvez o amplo conhecimento sobre a mentira, graças às novas tecnologias midiáticas — pode levar ao cinismo, no qual as pessoas pensam que todo mundo é falso por seus próprios interesses, disse ela.

Não apenas é pecado, mas tem implicações perigosas para uma democracia, onde a confiança na honestidade dos dirigentes é fundamental e o conhecimento verdadeiro é necessário para a cidadania, afirmou.

O problema das "fake news” (notícias falsas) e de outras nas redes sociais chegou a chamar a atenção do Vaticano, que anunciou que o Papa Francisco fará um discurso sobre o tópico no Dia Mundial das Comunicações Sociais, em maio de 2018. O tema será "A verdade vos tornará livres". O tema será particularmente adequado para os estadunidenses, que passam quase 11 horas por dia em frente a uma tela, onde as notícias são mediadas por algoritmos e empresas que decidem o que eles veem, disse Marcus Mescher, professor adjunto de ética cristã na Xavier University, em Cincinnati.

"Nós vivemos em uma cultura do copia e cola, em que as coisas podem ser editadas e descontextualizadas”. "Há grandes chances de engano e distorção”, disse Mescher. “Portanto, é mais importante para nós não apenas sermos honestos e transparentes, mas nos responsabilizarmos pelos padrões de verdade e confiabilidade e discernirmos se o que estamos compartilhando ou consumindo é credível".

Mary Beth Yount, professora adjunta de estudos teológicos na Neumann University, em Aston, Pensilvânia, concorda que a ética, a honestidade e a desonestidade têm implicações não apenas individuais, mas sociais.

"Principalmente agora, as pessoas na sociedade não sabem em quem confiar, quem falará por eles e quem se importa com eles", disse Yount. "Muito disso vem de um engano intencional, para influenciar as eleições, angariar dinheiro para apoio político ou beneficente, ou até mesmo promover leitores e aumentar acessos. É muito difícil na nossa sociedade ser confiável e confiar que os outros são verdadeiros".

O que a Igreja ensina

Claro, “Não levantar falsos testemunhos” é um dos dez mandamentos, e a discussão sobre a mentira no catecismo da Igreja Católica vem no tópico dos mandamentos.

Mas muito do ensino do catecismo advém de Santo Agostinho, que foi o primeiro a articular a posição da Igreja sobre a mentira. "Santo Agostinho condena a mentira em qualquer circunstância", explicou Julia Fleming, professora de ética na Universidade de Creighton, em Omaha, Nebraska. "Ele considera a mentira uma violação contra Deus, que é a verdade. Os seres humanos devem escolher a Deus acima de todas as coisas, inclusive a nossa sobrevivência física ou outras coisas desejáveis".

Então, de acordo com Santo Agostinho, os fins nunca justificam os meios, e até mesmo as mentiras que poderiam salvar vidas são consideradas moralmente erradas.

Mas São Tomás de Aquino expande esse ensinamento. Embora sustente que toda mentira é pecado, ele faz a distinção de que "nem toda a mentira é grave", disse Fleming. A gravidade do pecado depende do próprio ato ou de sua intenção e/ou circunstâncias.

"Querer magoar alguém é diferente de mentir para ajudar alguém", disse Fullam. "Quanto maior for o bem pretendido com a mentira, mais a gravidade do pecado é atenuada. Mas ainda é pecado".

A definição de mentira do catecismo é "dizer o que é falso com a intenção de enganar o próximo” (nº 2508), o que sugere a dimensão comunitária e relacional de mentir.

Mas nem toda declaração falsa é mentira, pois a mentira é intencional. "Uma pessoa pode estar equivocada, fora de si ou ser uma pessoas para quem a distinção entre verdadeiro e falso parece sem sentido”, afirmou Fleming.

Mas é justamente esta intenção de enganar que é tão perigosa nas inverdades que são ditas na nossa cultura atual, disse Mescher. "A finalidade é fomentar o medo e a divisão", disse. "É isso que eu acho mais moralmente ultrajante. As pessoas estão literalmente tentando nos separar e semear a desconfiança e a insegurança, que são ameaças fundamentais à solidariedade e à proximidade, e até mesmo à dignidade humana básica".

Grande parte da discussão em torno das várias declarações falsas do Presidente Trump depende de ele ter ou não a intenção de enganar, mas isso diminui outro aspecto da culpabilidade moral, disse Fullam.

A ideia de "ignorância vencível" diz que as pessoas não podem ser absolvidas da responsabilidade moral por darem falsas declarações apenas porque não sabiam a verdade — se o assunto for algo que devem saber ou que se espera que saibam, comentou.

A ignorância vencível "acrescenta outra camada de capacidade de avaliar o ato de alguém", disse ela.

Da mesma forma, a Igreja ensina que as autoridades civis, especialmente, têm uma responsabilidade ética de fornecer informações precisas. O documento do Concílio Vaticano II Inter Mirifica (Decreto sobre os Meios de Comunicação Social) observou que a sociedade tem o direito à informação baseada na verdade, na justiça e na solidariedade, disse Fleming.

"A verdade ainda é importante, porque nós agimos de acordo com o que percebemos ser a verdade", declarou, citando o exemplo da desinformação sobre as armas de destruição em massa que levou os Estados Unidos a ir à guerra no Iraque, depois de 11 de setembro.

Além de semear o medo e a desconfiança, as mentiras e as "fake news" matam a compaixão e fomentam a apatia moral ou a inércia, disse Mescher. "Isso suga o compromisso das pessoas de ser moralmente responsáveis por si e pelo outro".

Esperança para o futuro?

Será que a Igreja — apesar de sua própria história de nem sempre ser verdadeira — pode ser profética em praça pública sobre a importância desta virtude?

Sim, a Igreja pode oferecer não apenas a sua voz, mas também seus rituais, como o sacramento da reconciliação e da lamentação, disse Mescher, que acredita que o Papa lamentará o estado atual das coisas na sua próxima mensagem sobre as “fake news”.

Yount é otimista. "Não é tarde demais", afirmou. “Estão acontecendo rupturas, mas ainda pode dar certo".

Ela observa que o catecismo chama a reparações pelos que mentem, seja por compensação direta ou "satisfação moral em nome da caridade". (nº 2487)

Mas a Igreja deve falar sempre a verdade para ter credibilidade, principalmente entre os jovens millennials, que desconfiam das instituições religiosas. "Eu esperava mais [dos líderes da Igreja], pois vi que eles desviam e evitam algumas verdades difíceis", disse Yount.

A igreja pode renovar seu compromisso com a verdade, disse Fullam, embora a honestidade possa ser arriscada. "Mas este é um momento em que precisamos focar no que significa ser pessoas verdadeiras", disse ela.

Talvez este seja um momento de despertar, disse Fleming, e o fato de haver mais mentiras públicas vão chamar a atenção para a questão. "Não há nada como fatos alternativos. Pode haver interpretações alternativas. Mas as coisas são ou não são", disse ela. "No final, acredito que a verdade tem um poder próprio".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Ensino da Igreja é claro: 'Fake news' e outras inverdades são erradas e perigosas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV