O futuro está no prato

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

10 Agosto 2017

Documentário aborda questões sobre consumo, fome no mundo, obesidade, desperdício de alimentos e traz a mensagem de que podemos salvar o planeta através da comida.

A reportagem é de Felipe Souza e publicado por Greenpeace, 09-08-2017.

Nesta terça-feira (8), no Cine Sala São Paulo, foi exibido o documentário “Fonte da Juventude”, do diretor Estevão Ciavatta. O filme questiona a forma de consumo dos alimentos e aborda exemplos de que é possível começar uma mudança significativa no mundo por meio da alimentação.

Segundo relatório feito pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), o número de pessoas afetadas pela fome no mundo é de 108 milhões, enquanto 41 mil toneladas de alimento são desperdiçada por ano só no Brasil.

Para o diretor, o longa tenta mostrar para o mundo que é possível comer bem. “É para sensibilizar, um filme propositivo, que complexifica os desafios do ambiente alimentar do Brasil e traz soluções encontradas por brasileiros de diferentes classes sociais”, disse Ciavatta em debate após a exibição.

Para a apresentadora e chef de cozinha Bel Coelho, o maior desafio está na educação. “O movimento de mudar a alimentação no Brasil está com as crianças. São elas elas que vão aprender e levar para casa e para seus familiares”, defendeu ela.

No Brasil, mais da metade da população está com sobrepeso. Um estudo divulgado pelo Ministério da Saúde revelou que o número de pessoas acima do peso no país cresceu 26,3% nos últimos dez anos. Em 2016, os obesos representavam 53,8% da população.

Gerd Sparovek (ESALQ/USP), também presente no debate, acrescentou que a abordagem do cineasta é muito necessária e sincera: “O filme fez a mágica de mostrar tudo. Mostrou a aldeia, quem produz e o pequeno produtor”.

Há vinte anos o Greenpeace questiona o modelo agrícola praticado no Brasil. Para Marina Lacôrte, da campanha de Agricultura e Alimentação, o documentário instiga a população a continuar cobrando do governo e seus representantes. “O filme mostra o quão sério é a questão da alimentação no Brasil e o quanto estamos colocando em risco a saúde das nossas crianças”.

O filme estará disponível para estudo e pode ser solicitado para uso acadêmico. Acesse o site e veja como solicitar o documentário. Veja o episódio 1. Os demais se encontram no You tube.

 

 Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O futuro está no prato