Mais de 500 crianças abusadas: o relatório final sobre o Coro de Regensburg

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Julho 2017

Punições corporais e violências sexuais marcaram a infância de pelo menos 547 crianças e adolescentes que passaram pelo Coro da Catedral de Regensburg entre 1945 e o início dos anos 1990: é o que afirma um relatório publicado nessa terça-feira em Regensburg pelo advogado Ulrich Weber, ao término de uma investigação de dois anos, conduzida a pedido da Cúria diocesana e dos responsáveis pelo coro.

A reportagem é de Luigi Accattoli, publicada por Corriere della Sera, 19-07-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em 67 casos, as violências teriam sido de natureza sexual: de assédios a estupros. Foram identificados 49 responsáveis pelos maus-tratos (nove dos quais seriam responsáveis por abusos sexuais) entre os educadores do coro, muitos dos quais já morreram. Os crimes agora estariam todos prescritos.

O relatório também atribui a Georg Ratzinger, irmão do Papa Emérito Bento XVI, algumas “corresponsabilidades” por ter “fingido não ver” e por “não ter intervindo apesar de saber”. Georg Ratzinger dirigiu o coro de 1964 a 1994.

Tratando-se de uma investigação realizada a pedido das autoridades da Igreja, os dados fornecidos pelo relatório gozam de uma boa confiabilidade. A Cúria de Regensburg disse-se disposta a indenizar as vítimas com um mínimo de 50 mil a um máximo de 20 mil euros por pessoa. “Cometemos erros e aprendemos muito”, comentou o vigário-geral de Regensburg, Michael Fuchs.

O redator do relatório conversou com muitas das vítimas e fala de um “clima de terror” que teria caracterizado a vida na escola e no internato do coro. Privação de alimentos e de recreação, e vários tipos de punição corporal – do tapa ao bastão – faziam parte do cotidiano.

Os meninos molestados teriam descrito a experiência vivida como “prisão, inferno, campo de concentração”. Aqueles que faziam xixi na cama eram impedidos de beber água. Muitos afirmam ter vivido naquele lugar “o pior período da vida”.

No relatório, figura uma carta de um dos meninos – listado como “vítima 153” – que implora para que a família o leve embora do coro o mais rápido possível: “Venham logo me buscar, assim que lerem esta carta, e não se esqueçam da mala. [Aqui] Eu sempre tenho que chorar”.

De acordo com algumas testemunhas, as punições corporais revelavam atitudes sádicas e sinais de “prazer sexual” naqueles que as infligiam. Quem relatava hematomas depois dos maus-tratos devia dizer que tinha se machucado ao cair.

O Coro “Regensburger Domspatzen” (Pardais da Catedral de Regensburg) é um dos mais antigos coros de vozes do mundo, fundado há mais de mil anos. O escândalo com conotação sexual que agora é documentado talvez seja o mais surpreendente entre aqueles que surgiram em ambientes católicos alemães ao longo da última década.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 500 crianças abusadas: o relatório final sobre o Coro de Regensburg - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV