Abusos em Regensburg: as acusações contra o cardeal Müller

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Julho 2017

O relatório sobre o escândalo do Coro de Regensburg também põe em causa, marginalmente, o cardeal Gerhard Ludwig Müller, que foi bispo de Regensburg de 2002 a 2012 e, depois, até o dia 1º de julho, prefeito da Doutrina da Fé, órgão que tem competência sobre o assunto.

A reportagem é de Luigi Accattoli, publicada por Corriere della Sera, 19-07-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Obviamente, não existe ligação entre a substituição de Müller na Doutrina da Fé e a publicação do relatório, mas, nele, o cardeal é citado pelo papel “fraco” que teria tido na condução das investigações depois da explosão do caso, que remonta a 2010. Nele, são assinaladas as suas “claras responsabilidades estratégicas, organizacionais e comunicacionais” nessa condução.

Deve-se lembrar, no entanto, que, desde o primeiro momento, o bispo Müller (Francisco o criaria cardeal em 2014) reconheceu o fato dos abusos em uma carta de 2010 às famílias dos alunos do coro, e deve-se dizer que resistências, pelo menos passivas, às investigações dos casos de abusos sexuais são frequentes entre os bispos: eles eram a norma até a “tolerância zero” do Papa Bento, mas também tiveram defensores mais tarde.

Em Roma, ele também tinha sido acusado de ter “feito pouco” pela luta contra a pedofilia. A acusação, em março, havia sido feita por Marie Collins, membro demissionário da Comissão para a Proteção dos Menores e ela mesma vítima de abusos no passado. Mas Francisco a tinha defendido, falando com os jornalistas no avião, em 13 de maio, ao voltar de Fátima: ele dissera que Collins pedia coisas justas, “mas nós também estávamos no caminho [para fazê-las]”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Abusos em Regensburg: as acusações contra o cardeal Müller - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV