Deserto espiritual. A propósito do caso dramático do bebê Charlie

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Reitor da Unisinos rejeita medalha oferecida pelo Itamaraty

    LER MAIS
  • A Bíblia como vocês nunca leram

    LER MAIS
  • Carta dos epidemiologistas à população brasileira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Julho 2017

caso dramático do bebê Charlie põe em destaque os prejuízos que podem se originados pela implantação generalizada da cultura do descartetantas vezes denunciada enfaticamente pelo Papa, e por uma visão puramente técnico-científica da prática médica.

O comentário é de Lucetta Scaraffia, jornalista, historiadora e professora da Universidade La Sapienza de Roma, publicado por L'Osservatore Romano, 01 e 02-06-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Causando uma desconfiança que pode atingir até irreparáveis rupturas na fundamental aliança terapêutica entre paciente (ou, como neste caso, entre a família do paciente) e médicos, por um lado, e chegar ao absurdo de mistificação e manipulação das notícias, pelo outro.

Alguns meios de comunicação, especialmente na Itália, destacaram-se por assumir esse trágico acontecimento tornando-o objeto de conflito ideológico, mais uma oportunidade de se manifestar politicamente a favor ou contra a eutanásia. Embora no doloroso caso do bebê Charlie Gard este não seja o problema. A frase, tantas vezes repetida, 'desligar o plugue da tomada’ evoca imediatamente um ato de eutanásia, e não a possível escolha de colocar um fim a uma insistência na ‘obstinação terapêutica’, para ser substituída por cuidados paliativos. E se aquele plugue, em primeiro lugar, jamais devesse ter sido ligado? No caso britânico, não temos os elementos para responder, mas sabemos que, em um mundo em que se exige que a ciência vença a morte a todo custo, é cada vez mais difícil encontrar um lugar para a aceitação dolorosa, mas inevitável, do fim. E, para os médicos, encontrar as palavras para explicar a pais destroçados e desesperados que seu sofrimento será inevitável, e ficar ao seu lado com humanidade e caridade.

Nesse episódio o que faltou - parece ficar claro - é um horizonte humano e espiritual mais amplo aonde inscrever, apesar de não explicar, o mistério da dor infantil, e mais genericamente do sofrimento. Correr de uma esperança médica, muitas vezes ilusória, para outra, sem deixar àquela pobre criatura a possibilidade de morrer com a menor dor possível, aceitando esse seu trágico destino, é o sinal do deserto espiritual moderno, é a outra face da eutanásia e de uma mentalidade que está se tornando cada vez mais comum.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Deserto espiritual. A propósito do caso dramático do bebê Charlie - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV