O Papa e Merkel em “sintonia” sobre multilateralismo e proteção do clima

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Os milhões na Suíça do novo cardeal do Mali embaraçam Francisco

    LER MAIS
  • A vingança de Mazzolari, o padre dos pobres banido pela Igreja, mas amado por Francisco

    LER MAIS
  • “Um dia vou te matar”: como Roraima se tornou o Estado onde as mulheres mais morrem no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

19 Junho 2017

Há sintonia e objetivos humanos e religiosos compartilhados entre o Papa Francisco e Angela Merkel. Uma sintonia que se notou na audiência que o papa concedeu à chanceler alemã, em temas como as relações multilaterais, a importância da África ou os Acordos sobre o Clima de Paris.

A reportagem é de José Manuel Vidal, publicada por Religión Digital, 17-06-2017. A tradução é de André Langer.

Depois do encontro, que durou 38 minutos, Merkel disse à imprensa que, com o pontífice, tinha abordado, com “sintonia”, temas como a importância de um mundo multilateral sem muros ou a importância do continente africano por sua proximidade com a Europa.

Também falaram, segundo a chanceler alemã, da proteção do meio ambiente e dos Acordos sobre o Clima de Paris, destacando que é uma “lástima” a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de abandonar os acordos.

Merkel destacou que o papa estava “muito de acordo” sobre estas questões.

Também falaram sobre a defesa dos tratados internacionais e sobre a próxima reunião do G20, que a Alemanha acolherá entre os dias 07 e 08 de julho na cidade de Hamburgo.

Merkel chegou ao Vaticano junto com o seu marido, Joachim Sauer, e foram recebidos pelo prefeito da Casa Pontifícia, o também alemão Georg Gänswein.

Ato contínuo, chegaram à biblioteca privada do Palácio Apostólico, onde os esperava o pontífice, com quem a chanceler, filha de um pastor luterano, já se encontrou em outras seis ocasiões e teve, com a deste sábado, quatro audiências privadas.

Tanto Francisco como a própria Merkel apareceram muito sorridentes e antes de se reunirem a portas fechadas trocaram algumas palavras em alemão, embora, na audiência, tenham recorrido a um intérprete.

O papa, além disso, expressou seus pêsames pelo falecimento, na sexta-feira e aos 87 anos, do ex-chanceler alemão Helmut Kohl, que governou a Alemanha entre 1982 e 1998.

Após a reunião, procedeu-se à tradicional troca de presentes.

A chanceler, que recentemente fez uma viagem oficial à Argentina, presenteou o papa com três potes de doce de leite, típico de seu país natal, uma coleção de discos de Beethoven e uma escultura em forma de ramo de oliveira.

O papa, por sua vez, entregou à chanceler a sua Encíclica Laudato Si’ (2015), sobre o meio ambiente, e suas Exortações Evangelii Gaudium (2013) e Amoris Laetitia (2016).

Após a reunião com o secretário de Estado vaticano, Pietro Parolin, a chanceler visitou o cemitério teutônico, situado junto à Basílica de São Pedro e onde se encontra um centro cultural dedicado ao papa emérito Bento XVI.

A chanceler chegou a Roma na tarde da sexta-feira e teve um encontro na embaixada de seu país com os membros do Centro para a Proteção de Menores da Pontifícia Universidade Gregoriana, informou pelo Twitter o seu presidente, Hans Zollner.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O Papa e Merkel em “sintonia” sobre multilateralismo e proteção do clima