Argentina. Após questionamento da Igreja, Governo restitui pensões

Revista ihu on-line

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Mais Lidos

  • Carta de um jovem católico: da Renovação Carismática à descoberta da Teologia da Libertação

    LER MAIS
  • Crueldade Social como política de Estado: cortes do Bolsa Família

    LER MAIS
  • Como a visão utópica do Vale do Silício pode estar levando o mundo ao capitalismo brutal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

19 Junho 2017

A ministra do Desenvolvimento Social, Carolina Stanley, confirmou que as pensões serão devolvidas, mas que irão analisar a lista de 70 mil beneficiados caso por caso para determinar quem não deve receber. A medida, criticada por vários setores, foi cancelada após o pedido da Igreja.

A reportagem é publicada por Clarín, 16-06-2017. A tradução é de André Langer.


Foto: Reprodução do Instagram do Papa Francisco

A ministra do Desenvolvimento Social, Carolina Stanley, anunciou na última sexta-feira a decisão do Governo de Mauricio Macri de reverter o cancelamento de dezenas de milhares de pensões a pessoas com alguma deficiência, mas esclareceu que haverá uma revisão caso por caso para determinar quem não deverá receber esse benefício.

A reação da Casa Rosada se deu três dias depois do surgimento das primeiras denúncias de “erros” no corte desses benefícios. E as críticas vieram de todo o leque da oposição, desde o kirchnerismo, o massismo e a esquerda, como do sindicalismo e de diversos setores sociais. No entanto, o impacto maior no lado da situação veio da Igreja, que aderiu aos questionamentos.

Fontes do governo esclareceram ao Clarín que a restituição das pensões será feita de maneira automática a partir da semana que vem, embora a lista de 70 mil benefícios cortados não vá atingir pessoas falecidas e nem aqueles com altos rendimentos comprovados.

A novidade também foi divulgada em meio a um protesto no Obelisco portenho, que atraiu centenas de manifestantes. No governo, comenta-se que houve alguma participação do campo político. A boca pequena, fontes ligadas ao governo indicam o município de La Matanza – governado pela kirchnerista Verónica Magario – como um dos lugares de onde vieram muitos dos manifestantes.

Em um comunicado, a ministra – que teve uma reunião com o chefe de Gabinete, Marcos Peña – reiterou que o Governo “vai garantir o pagamento das pensões a todas as pessoas deficientes” e alertou que houve uma “utilização política deste tema por parte de máfias que lucram com o clientelismo”.

Stanley garantiu que “a primeira coisa que queremos é transmitir tranquilidade e que há um milhão e meio de famílias que recebem uma pensão na Argentina e que vão continuar a recebê-la”.

A ministra explicou, além disso, que serão restituídas “todas aquelas pensões de pessoas deficientes e que, por erro de aplicação de critério, podem ter sido excluídas do recebimento da pensão no último mês”. E indicou que nesses casos “vão recebê-la na semana que vem”.

Por essa razão, pediu a toda a população que “tenha tranquilidade de que vão receber novamente a sua pensão”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Argentina. Após questionamento da Igreja, Governo restitui pensões