FAO alerta que oceanos serão ainda mais vitais no futuro da segurança alimentar

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Mantido o ritmo atual, Brasil levará 200 anos para levar ensino médio a todos os jovens, mostra pesquisa

    LER MAIS
  • 'Sobram evidências de que o governo está do lado de quem explora o trabalho escravo e não de quem é explorado'

    LER MAIS
  • Para fiscal, só falta dizer que é preciso ter correntes para definir trabalho escravo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

17 Junho 2017

Diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, José Graziano da Silva, afirmou que os oceanos serão ainda mais importantes no futuro da alimentação da população terrestre

A reportagem é de Monica Grayley, publicada por Rádio ONU, 09-06-2017.

Uma política eficiente de proteção de mares e oceanos é vital para a segurança alimentar. O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, afirmou que os oceanos serão ainda mais importantes no futuro da alimentação da população terrestre.

José Graziano da Silva disse à ONU News que é preciso reverter o quadro de degradação imediatamente. Ele participou da Conferência sobre os Oceanos encerrada nessa sexta-feira em Nova Iorque.

Riqueza

“Os oceanos ocupam ¾ da nossa Terra e hoje os seus recursos estão sendo dilapidados. Se nós não encontramos uma maneira de reverter essa situação. De cuida melhor dos nosso oceanos e preservar esta riqueza para o futuro. Isso vai comprometer a sustentabilidade do planeta.”

O chefe da FAO afirmou ainda que não se deve tratar os oceanos como se fossem “uma lixeira”.

Peixes e plástico

“As estimativas são que em 2050, se nós continuarmos na mesma tendência, nós vamos ter a mesma quantidade de plástico nos oceanos em peso que de peixe. Então, temos que reverter essas situação. Temos que encontrar uma forma de parar e de limpar os oceanos. Não basta só parar, o grande desafio é também como evitar que essa acidificação em curso e que outras formas de poluição, principalmente do plástico, sigam crescendo.”

José Graziano da Silva lembrou que existem tecnologias apropriadas à limpeza dos oceanos e mares. Segundo ele, em muitas áreas a poluição é uma questão financeira. Mas com a economia verde, os cidadãos também podem ajudar participando da coleta seletiva do lixo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - FAO alerta que oceanos serão ainda mais vitais no futuro da segurança alimentar