Reanimadas, centrais preparam 'marcha decisiva' para Brasília

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Maio 2017

Entidades esperam mobilizar pelo menos 80 mil pessoas na próxima quarta, em Brasília, para pressionar governo e Congresso. E também vão participar de atos neste domingo pelo país.

De "fôlego novo" após as denúncias que, na avaliação das entidades, enfraqueceram o governo e causaram baixas na base aliada, as centrais sindicais esperam mobilizar ao menos 80 mil pessoas na próxima quarta-feira (24), em Brasília, em marcha unificada contra as reformas. Mesmo que os relatores tenham anunciado a suspensão do andamento das reformas da Previdência e trabalhista, sindicalistas querem pressionar o Congresso por uma nova agenda. Em reunião na tarde do dia 19, na sede da CTB, em São Paulo, eles discutiram também a participação nos atos de domingo (21) pelo país, contra o governo e por eleições diretas.

A reportagem é de Vitor Nuzzi e publicada por Rede Brasil Atual - RBA, 19-05-2017.

Para o presidente da CTB, Adilson Araújo, o momento é favorável às centrais e à mobilização, após um período adverso. "Enfrentamos uma ofensiva conservadora feroz, uma correlação de forças difícil", afirma, apontando um "cerco imposto pelo governo". As denúncias veiculadas nesta semana envolvendo o presidente Michel Temer, deram "um fôlego" aos movimentos sociais. "Com o agravamento da crise, essa marcha passa a ser decisiva."

O clima político ainda inspira "visões diferentes" entre os representantes das centrais, observou Adilson. A CTB é uma das que defende a via eleitoral. "No quadro de ingovernabilidade, não há outra saída a não ser eleições diretas." Ainda que com algumas diferenças, a "resistência democrática" é o que reúne as entidades "no propósito de buscar uma saída para a nação".

"É extremamente saudável que o campo democrático-popular assuma a construção de uma frente ampla, para um novo projeto de desenvolvimento, capaz de trazer crescimento com geração de emprego e renda. Sem isso, o país sucumbe", analisa o presidente da CTB. "O país está ingovernável. O caminho está dado, não podemos ficar parados na estação."

Presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM) e do sindicato da categoria em São Paulo, Miguel Torres, um dos vices da Força, disse que a preocupação é garantir uma solução política "dentro da legalidade", com a avaliação de que Temer não reúne mais condições de governar.

Ele acredita que é preciso retomar as negociações sobre um projeto para o país em outras bases, sem as reformas apresentadas pelo governo – ao contrário do que pretende o chamado mercado financeiro. "O mercado quer uma solução rápida (para a crise) para retomar as reformas."

A Força, assim como as demais centrais, participará das manifestações deste domingo contra o governo e por eleições diretas. Miguel anunciou que os metalúrgicos de São Paulo, além da marcha, farão um acampamento em Brasília a partir da quarta-feira. A concentração das centrais sindicais na capital federal está marcada para as 11h, na área do estádio Mané Garrincha.

No final da tarde, a CUT divulgou relação de atos no domingos em todas as regiões. Confira a relação.

ALAGOAS
Maceió – Concentração no Posto 7

BAHIA
Salvador - 15h, concentração Campo Grande, seguida de carreata

CEARÁ
Fortaleza - ato às 15h na Praia de Iracema
Crato - 8h, Igreja Seminário São José

DISTRITO FEDERAL
Brasília – 10h, ato no Museu da República

GOIÁS
Goiânia -10h, Praça do Trabalhador
Catalão – 9h, Praça Duque de Caxias

MARANHÃO
São Luís – Mobilização no sábado (20). Panfletagem nos mercados da cidade

MINAS GERAIS
Belo Horizonte – 9h, Praça Tiradentes
Uberlândia - 9h, Praça Ismene Mendes (antiga Tubal Vilela)

MATO GROSSO DO SUL
Campo Grande - 9h, Praça Ari Coelho

MATO GROSSO
Cuiabá - 9h, Praça Cultural do CPA

PARÁ
Belém - 10h, Praça da Republica

PERNAMBUCO
Recife – concentração a partir das 13h – Marco Zero
Petrolina – 7h, Feira da Areia Branca

PARANÁ
Curitiba – 14h, Praça Santos Andrade
Cascavel - 15h, Igreja Matriz
Pato Branco - 16h, Praça Presidente Vargas

RIO DE JANEIRO
Rio de Janeiro - Atividades descentralizadas

RIO GRANDE DO NORTE
Natal – 9h, Praça das Flores

RIO GRANDE DO SUL
Porto Alegre – 11h, Parque da Redenção

RONDÔNIA
Porto Velho - 7h, panfletagem na Feira do Produtor

SANTA CATARINA
Chapecó - 9h, Praça Coronel Bertaso
Joinville - 16h, Praça da Bandeira
Blumenau – 16h, Praça Dr. Blumenau

SERGIPE
Aracaju - Ato às 15h, Arco da Orla

SÃO PAULO
São Paulo - 15h, Avenida Paulista (Masp)
Botucatu - 11h, Praça da Catedral
Campinas - 15h, Largo do Rosário
Piracicaba - 14h, Praça José Bonifácio
Santa Bárbara d´Oeste - 15h, em frente ao Teatro Manoel Lyra

TOCANTINS
Palmas - ato às 18h, Feira do Bosque

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reanimadas, centrais preparam 'marcha decisiva' para Brasília - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV