Meu Deus

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Mai 2017

“Declaro que escolhi, racionalmente, um Deus no qual acreditar. É o Deus das escrituras mas não é o Deus de todo o mundo. É o que comandou o Dilúvio, para varrer com tudo o que existia na Terra e começar de novo. Portanto um Deus com uma surpreendente característica humana, para um ser onipotente: a de reconhecer seu erro, levantar, sacudir a poeira, dar a volta por cima e começar de novo, como no samba”, afirma Luís Fernando Verissimo, escritor, em crônica publicada por Zero Hora, 08-05-2017.

Eis o texto.

“As loiras se divertem mais”, dizia um slogan publicitário, acho que de tintura para cabelos, anos atrás. Não sei se loiras naturais ou artificiais se divertem mesmo mais, sei que os céticos se divertem menos. Ser um cético na vida significa renunciar a tudo que maravilha e consola os que acreditam. Minha reação ao que as pessoas estão dispostas a crer para que a vida e a morte tenham sentido, por mais irracional que seja, não é de superioridade intelectual: é da mais baixa inveja. Inteligente é quem descobre em uma ou mais das grandes cosmogonias religiosas, no guru mais próximo ou em qualquer ordenação do sobrenatural a explicação de tudo, burro é quem se priva dessas certezas. Não canso de contar que, quando fazia o horóscopo no jornal, nunca deixava de ler, no dia seguinte, o que eu mesmo previra para o meu signo. Já que o universo e a existência são coisas tão misteriosas que nenhuma explicação é mais ou menos provável do que outra, até um cético como eu poderia estar sendo usado, sem saber, para transmitir mensagens do céu.

Não acho uma boa que livros como os do Richard Dawkins e do Christopher Hitchens, que defendem o ateísmo, se transformem em best-sellers. Precisamos, isto sim, de livros de céticos e ateus defendendo a hipocrisia, ou a necessidade de se crer no incrível para evitar niilismo e suores noturnos. Na falta de argumentos racionais para o antirracionalismo se pode dizer que o ateísmo não oferece nada parecido, em drama e beleza, com o grande circo místico das crenças e das narrativas religiosas, que além de encantarem ainda prometem a salvação – e não vamos nem falar no teto da Capela Sistina, que nenhum ateu faria igual. O ateísmo é aborrecido como um mundo sem loiras.

Para seguir meu próprio conselho mas não ser completamente falso, declaro que escolhi, racionalmente, um Deus no qual acreditar. É o Deus das escrituras mas não é o Deus de todo o mundo. É o que comandou o Dilúvio, para varrer com tudo o que existia na Terra e começar de novo. Portanto um Deus com uma surpreendente característica humana, para um ser onipotente: a de reconhecer seu erro, levantar, sacudir a poeira, dar a volta por cima e começar de novo, como no samba. O Deus do Dilúvio é o Deus das dúvidas e do segundo pensamento. Um Deus com quem, decididamente, se pode conversar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Meu Deus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV