62% dos filósofos são ateus. A religião sobreviverá?

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Um milhão de crianças fora da escola: o absurdo do trabalho infantil no Brasil

    LER MAIS
  • Papa pede boicote a bens produzidos por trabalhadores forçados

    LER MAIS
  • Discurso da esquerda não dá a Lula a menor chance de fazer bom governo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Janeiro 2017

"Todas as grandes religiões do mundo afirmam ser baseadas na revelação, e não apenas na razão. Infelizmente, a revelação tende a ser entendida como um dado a mais de Deus que a ciência não consegue alcançar. Bem entendida, a revelação é como se apaixonar: nós não nos voluntariamos a nos apaixonar, mas simplesmente acontece, e fomos 'recrutados'", escreve George Dennis O'Brien, presidente emérito da Universidade de Rochester, em artigo publicado por Commonweal, 03-01-2017. A tradução é de Luísa Flores Somavilla

Eis o artigo.

Não há melhor texto para começar um efervescente grupo de discussão local do que Talking God, de Gary Gutting. Gutting é professor de filosofia na Universidade de Notre Dame e colaborador do blogue de filosofia Stone, do The New York Times (e também do Commonweal). Talking God é uma compilação de doze entrevistas sobre questões de Deus e da religião realizadas por Gutting e publicadas na internet para o Stone. A maioria dos entrevistados são filósofos acadêmicos, com alguns historiadores e cientistas. No capítulo final, Gutting entrevista a si mesmo.

Por que a ênfase em filósofos? Gutting cita uma pesquisa recente indicando "que 62 por cento dos filósofos são ateus (e mais 11 por cento ‘tendem’ a esse ponto de vista.)" Se Deus sobreviver às questões desse cético grupo, talvez a religião tenha futuro. Mas uma coisa que as entrevistas sugerem é que a religião pode ter menos a ver com a existência de Deus do que a maioria de nós acredita.

Alvin Plantinga, um filósofo analítico cristão, defende que há argumentos contundentes, se não conclusivos, sobre a existência de Deus e dos nossos deveres religiosos.

Em contrapartida, Howard Wettstein afirma que "a crença não é uma noção judaica. "O Deus que existe ou não dos debates entre a maioria dos teístas e ateístas "é uma ideia errada de Deus". A participação na oração judaica não exige o apoio da metafísica teológica.

John D. Caputo, descrito por Gutting como um "Derrideano Católico", trabalha com a tradição fenomenológica continental. Para ele, também, não importam as declarações sobre a existência ou não de Deus. São irrelevantes para a religião genuína.

Para completar o assunto das religiões líderes abraâmicas, há uma entrevista fascinante com Sajjad Rivzi, diretor do Instituto de Estudos Islâmicos da Universidade de Exeter. Rivzi defende que Abraão é o fundador do Islã. E Mohammed, o seu profeta final. Rivzi acredita que o judaísmo e o cristianismo são subprodutos do Islã. A palavra "Islã" pode ser traduzida como "obediência" ou "submissão" à vontade de Deus. Considerando a obediência de Abraão aos mandamentos de Deus para deixar seu lar ancestral e mais tarde para sacrificar seu filho Isaac, ele representa o próprio paradigma do Islamismo.

Religião-sem-Deus soa estranho para os cristãos, muçulmanos e muitos judeus que discordam de Wettstein, mas há grandes religiões não-teístas: o hinduísmo e o budismo, por exemplo.

Jonardon Ganeri, atual editor do The Oxford Handbook of Indian Philosophy, aponta que os pressupostos ocidentais sobre a estrutura da religião distorcem o hinduísmo. Os hindus acreditam no "divino", mas também acreditam em muitos deuses - alguns grandes, outros menores - ou mesmo não acreditam em nenhum deus. Não existe um "Deus único e verdadeiro" no hinduísmo. "O hinduísmo é uma figueira em cuja sombra da copa, apoiada não por um, mas por muitos troncos, é sustentada uma grande diversidade de pensamentos e ações."

O budismo, em oposição tanto ao hinduísmo quanto às religiões ocidentais, é, segundo Jay Garfield, "uma religião sem divindade". Garfield, que tem relações com a Universidade Central de Estudos Tibetanos dentre suas várias afiliações acadêmicas, ressalta que para o Buda não só não há Deus, como também não há ego ou alma. As práticas espirituais budistas têm a intenção de nos despertar da ilusão do eu e dos seus desejos.

Gutting não entrevista apenas pessoas que pertencem a religiões não-teístas; ele também conversa com vários ateus convictos - filósofos que julgam haver boas razões para negar a existência de Deus. Louise Anthony, que leciona na Universidade de Massachusetts, em Amherst, perdeu sua fé católica na sua primeira aula de filosofia. Como poderia o Deus todo-poderoso de pura bondade de sua fé infantil ser o Criador de um mundo com tanta maldade? A ideia de um Deus assim é contraditória. Ela não é uma simples agnóstica: "Eu defendo que sei que Deus não existe." Se Anthony é um "ateu convicto", Gutting classifica Philip Kitcher, professor da Columbia University, como um "ateu moderado". Kitcher não rejeita tanto a religião ou a crença em Deus quanto rejeita as doutrinas religiosas, que, segundo ele, inevitavelmente geram intermináveis confusões e conflitos. Há algo que ele chama de "religião refinada", que não é uma crença na doutrina, "mas um compromisso de promover valores mais duradouros".

Gutting observa que as entrevistas "enfatizam principalmente a religião natural", ou seja, não colocam a "revelação" como uma fonte de crença ou prática. Segundo ele, "a religião baseada na revelação divina... simplifica a justificação de reivindicações religiosas". A religião natural enfrenta o desafio da ciência natural, e há entrevistados que são experts em física e biologia.

Tim Maudlin é um filósofo da ciência cujo trabalho recente tem sido desenvolver uma linguagem matemática para descrever o espaço e o tempo. Ele é franco em sua declaração de que "o ateísmo é a posição padrão em qualquer investigação científica". Michael Ruse, autor de Darwinism as Religion, considera a religião a partir do contexto da evolução biológica. Ele destaca a possível função adaptativa da religião e admite que a ciência "não explica tudo".

Ao final das entrevistas, o leitor pode compartilhar das visões dos dois últimos filósofos. O epistemólogo Keith DeRose, de Yale, sugere que "nem teístas nem ateus sabem se Deus existe... não sabem mesmo". Argumentos a favor ou contra a existência de Deus podem ser mais ou menos plausíveis, mas nunca conclusivos.

O filósofo e historiador de Princeton Daniel Garber se pauta na complexa história do ateísmo moderno. No século XVII, a maioria dos filósofos eram religiosos. Se a maioria dos filósofos do século XXI são ateus, não é por causa da ascensão da ciência, como muitas vezes se defende, mas por causa de uma mudança cultural mais ampla, provocada por eventos como a Revolução Industrial e as guerras mundiais. Tanto quanto ele possa acreditar, Garber encontra uma barreira na questão do mal. Gutting pergunta a Garber se ele tende a aceitar a aposta de Pascal. Pascal argumentou que considerando a escolha entre a existência ou não de Deus, era mais racional apostar na sua existência. Se existir, se ganha uma bênção infinita; se não, não se perde nada. Garber não está apostando. "O que me preocupa... é a possibilidade de eu corromper a minha alma, enganando-me ao acreditar que algo existe só porque eu quero que exista. Para um filósofo, isto é uma espécie de condenação na vida."

Depois de avaliar as várias opiniões apresentadas nas outras entrevistas, Gutting - o entrevistado - opta pelo agnosticismo. Um tanto surpreso, o Gutting entrevistador pergunta: "Como você pode ser agnóstico e dizer que é católico?" Ao que Gutting entrevistado responde: "A revelação 'fundamental' é o ideal moral expresso no relato bíblico da vida de Cristo".

Apesar de sua brevidade, Talking God contém uma rica variedade de ideias sobre Deus e religião. Minha apresentação das diferentes posições das entrevistas é feita de modo grosseiro: perde muito de suas nuances e sofisticação. Se você realmente escolher este livro para discutir em grupo, reserve vários encontros e não espere chegar a um consenso. Embora eu não hesite em recomendar o livro, tenho que confessar que, por todo o vai e vem dos argumentos, não tenho certeza de que se chegou ao assunto de Deus e da religião. Considerando os pressupostos básicos da maioria, se não de todos os interlocutores de Gutting, eu me pergunto o porquê de 27 por cento dos filósofos não serem ateus. O ateísmo faz parte do seu território.

Em um diálogo imaginário, Iris Murdoch pede que Platão caracterize a religião e ele diz: "[a religião] tem de ser o centro de tudo... ela é mais real do que nós... nós não somos voluntários, fomos recrutados". Filósofos são "voluntários" a Deus e à religião. Eles querem justificativas racionais para aceitar a causa. Este modo de Filosofia foi justamente chamado de "ateísmo metodológico". Mesmo que se aceitem argumentos em prol da existência de Deus e se conclua que a religião é valiosa, se permanece um espectador racional, e não um participante religioso. Há filósofos que rejeitam o modelo racional-espectador da filosofia, mas eles são geralmente vistos com desconfiança pela maioria. Pensadores como Kierkegaard, Nietzsche e, à sua própria maneira, Wittgenstein não eram filósofos racionais-espectadores. E Nietzsche não era um ateu comum: para ele, Deus estava morto.

Todas as grandes religiões do mundo afirmam ser baseadas na revelação, e não apenas na razão. Infelizmente, a revelação tende a ser entendida como um dado a mais de Deus que a ciência não consegue alcançar. Bem entendida, a revelação é como se apaixonar: nós não nos voluntariamos a nos apaixonar, mas simplesmente acontece, e fomos "recrutados".

Dois dos entrevistados no livro de Gutting estão no rastro da "revelação". Howard Wettstein encontra a religião na oração. John Caputo encontra Deus não em doutrinas racionalizadas, mas em "uma forma intrínseca de viver... os desejos do nosso coração". Amém.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

62% dos filósofos são ateus. A religião sobreviverá? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV