O encontro de Francisco de Assis com o sultão, ainda em 1219

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Pro Pope Francis: carta aberta de apoio ao Papa Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco: "Ante a escandalosa corrupção e os enormes problemas sociais, o Brasil precisa que seus padres sejam sinal de esperança"

    LER MAIS
  • Autocrítica do Magistério e reforma da Igreja. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

29 Abril 2017

“O pobrezinho de Assis queria ir a todo o custo entre os muçulmanos: conseguiu isso na terceira tentativa. Cortesia, respeito e diálogo caracterizaram a conversa entre os dois. Francisco, com o seu agir, insere-se em uma nova lógica de evangelização: paritária e não de superioridade, ir ao encontro do outro e dialogar com o outro.”

A opinião é do padre franciscano italiano Enzo Fortunato, diretor da revista San Francesco, em artigo publicado no jornal Corriere della Sera, 28-04-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A visita do Papa Francisco ao Egito ocorre em um momento de grandes tensões diplomáticas, sociais e religiosas. O encontro de 28 de abril traz à mente o de São Francisco, ocorrido em junho de 1219 com o sultão do Egito, Melek-al-Kamel, em Damietta. Um dos gestos mais extraordinários de paz na história do diálogo entre Islã e cristianismo.

O pobrezinho de Assis queria ir a todo o custo entre os muçulmanos: conseguiu isso na terceira tentativa. Cortesia, respeito e diálogo caracterizaram a conversa entre os dois. Francisco, com o seu agir, insere-se em uma nova lógica de evangelização: paritária e não de superioridade, ir ao encontro do outro e dialogar com o outro.

A partir daquele encontro com o mundo islâmico, Francisco aprendeu algo bonito, que ele tentou transplantar para o Ocidente. Como foi sugerido, o convite presente na “Carta aos governantes dos povos”, a ser anunciado a cada noite, “por um pregoeiro ou por outro sinal, pelo qual sejam dados louvores e graças ao Senhor Deus onipotente por todo o povo”, pode ser considerado a tentativa de introduzir entre os cristãos o costume do convite ao louvor divino dos muezins.

O Santo e os seus frades convidavam as pessoas àquele diálogo da vida, no qual a verdade não é possuída por ninguém, mas é descoberta em conjunto através da partilha das experiências de vida.

A abordagem de Francisco na evangelização não segue a estrada da imposição, mas a da “contaminação”. E é no rastro do encontro, não da cruzada ou da marginalização, que o Papa Francisco se move. Uma viagem que desperta a maior atenção para os novos horizontes que poderão ser abertos no Oriente Médio.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O encontro de Francisco de Assis com o sultão, ainda em 1219