“A encíclica Laudato Si’ deveria ter sido diferente”. Entrevista com Jaime Lorandi, presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Outra carta dos quatro cardeais ao Papa. Agora pedem uma audiência

    LER MAIS
  • O que resta do padre?

    LER MAIS
  • ‘Temos um pacote do veneno tramitando no Congresso Nacional’, alerta procuradora

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

20 Abril 2017

Reclamar ao bispo pode ser expressão de impotência, mas o Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) elevou a hierarquia e, em 2015, resolveu levar queixa ao papa Francisco. Quase dois anos depois, não desiste. Presidente do Simplás, Jaime Lorandi não se conforma com a rejeição de encíclica ao uso de plástico.

A entrevista é publicada por Zero Hora, 20-04-2017.

Eis a entrevista.

Quando começou a articulação?

Em julho de 2015, quando o papa Francisco escreveu a encíclica Laudato Si’. Apresenta orientações, conselhos que dá a pessoas de boa vontade sobre questões da vida moderna. Passou a orientar o respeito ao ambiente.

O que gerou a queixa?

A encíclica fala sobre evitar o uso de material plástico. Sou estudioso de encíclicas e empresário do plástico. Entendo os benefícios e o quanto o plástico ajuda na qualidade de vida das pessoas mais humildes. Entendemos que a poluição ocorre por descarte errado. Ao escrever “evitar o uso de material plástico”, o Papa dava conselho contrário a seus princípios. Se tomada ao pé da letra, prejudicaria a vida dos pobres. A encíclica deveria ter sido diferente.

E por que contestar o Papa?

Faço parte da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast). Conheço encíclicas, plásticos e pessoas humildes. O setor queria uma posição sobre a frase da encíclica. Meus colegas pediram um artigo. A ideia era sugerir que, em vez de evitar o uso, houvesse redução do consumo excessivo de todos os materiais, além de separação e destinação correta para reutilização. Redigi oito páginas, e comecei o envio pelas vias normais ao Vaticano. Mas o Papa recebe de mil a 2 mil cartas por dias. Em março de 2016, conversei com o bispo de Caxias do Sul, Alessandro Ruffinoni (nascido na Itália). Ele achou interessante, mas longa. Reduzi para quatro páginas. No mês seguinte, o bispo me chamou e mostrou uma resposta de um cardeal em nome do Papa. Dizia que a encíclica deveria ser interpretada com bom senso. A frase que pede para evitar continua lá. O Papa respondeu. Significa possibilidade de ir ao Vaticano.

O senhor foi ao Vaticano?

Em novembro de 2016, havia um encontro com empresários cristãos. No Vaticano, fui apresentado a um monsenhor brasileiro, redator de discursos do Papa. Mostrei a reivindicação. Ele foi acessível e apontou outro monsenhor, responsável pelo diálogo internacional. Os dois me orientaram que a representação não pode ser pessoal. Na audiência, fiquei a 15 metros do Papa.

O fato de a Braskem, apoiadora da articulação, ser investigada na Lava Jato não abalou sua fé?

De jeito nenhum. Há a Braskem dos corruptos e a dos profissionais éticos. Quem faz a empresa são 6 mil pessoas honestas. A administração não foi ética. Minha empresa, em Farroupilha, é cliente da Braskem. Fiquei chateado por a cúpula do principal fornecedor ter vivido isso.

Agora a meta é a ONU?

A Abiplast tem contatos com a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), 90% dos alimentos são embalados em plásticos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - “A encíclica Laudato Si’ deveria ter sido diferente”. Entrevista com Jaime Lorandi, presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho