“Carne Fraca”: PF fez busca e apreensão no gabinete de Blairo Maggi

Revista ihu on-line

Biomas brasileiros e a teia da vida

Edição: 500

Leia mais

Hospitalidade - Desafio e Paradoxo. Por uma cidadania ativa e universal

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Mais Lidos

  • ONU confirma calor recorde e diz que clima entrou em ‘território desconhecido’

    LER MAIS
  • O Brasil e o receio do caminho para o abismo. Nota da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no B

    LER MAIS
  • Fome no mundo: "A humanidade está em perigo, mas não nos importamos". Entrevista com Michel Roy

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

19 Março 2017

Imprensa ignorou a informação; ministro tirou licença de dez dias na quinta, um dia antes da maior operação da história da Polícia Federal.

Mapa. Sigla do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Esplanada dos Ministérios, Bloco D, 8º Andar, sala 847, Brasilia/DF. Esse é o 19º endereço de uma lista de 71 alvos de busca e apreensão da Operação Carne Fraca, a maior da história da Polícia Federal, deflagrada ontem em sete Unidades da Federação, por decisão da 14º Vara da Justiça Federal, de Curitiba. Trata-se de uma das salas do Gabinete do Ministro (GM/Mapa) Blairo Maggi.

A reportagem é de Alceu Luís Castilho e publicada por De Olho nos Ruralistas, 18-03-2017.

A informação está disponível na lista de prisões (temporária ou preventiva), conduções coercitivas e de diligências de buscas e apreensão divulgada ontem pela própria PF. Mas passou despercebida pela imprensa. O 71º e último item da lista de buscas e apreensão é o Mapa, sem endereço detalhado. Apesar da dupla menção, os jornais não publicaram notícias sobre a visita dos agentes ao ministério. Apenas registraram em imagens a presença no prédio (como fez a Folha), sem informar que o alvo era o gabinete.

Mas a sala 847 aparece especificamente no item 19. Nela trabalham alguns assessores do ministro. Entre eles os que trabalham na Assessoria Parlamentar (Aspar/GM), na Divisão de Relacionamento Político e Informações (DRPI/Aspar/GM) e na Divisão de Acompanhamento do Processo Legislativo (DAPL/Aspar/GM). A PF não informou o alvo exato. O chefe de gabinete, Coaraci Nogueira de Castilho, trabalha na sala 805. Maggi, na sala 806. No mesmo andar.

Uma licença providencial

Blairo Maggi pediu licença de dez dias na quinta-feira, um dia antes da operação. Alegou que precisava cuidar de assuntos particulares, como fazer visitas a suas fazendas – o ministro é um dos maiores produtores de soja e milho do mundo. Na noite desse dia 16 de março ele estava no Palácio Paiaguás, em Cuiabá, na cerimônia de lançamento dos programas Criança Feliz, da União, e Pró-Família, do governo estadual, o anfitrião do evento.

A licença do ministério foi anunciada nessa mesma noite, às 20h40, pelo próprio ministro, em sua página no Facebook:

“Boa noite amigos! Depois de uma semana muito produtiva, aproveito para esclarecer que na semana seguinte estarei de licença para tratar de assuntos particulares. O período já havia sido reservado para uma viagem internacional ao Canadá e EUA, com representantes do setor pesqueiro, e portanto, não havia compromissos oficiais agendados no Brasil. Como todos sabem, essa semana a secretaria da pesca foi para outro ministério, assim sendo, apenas mantive o afastamento para realizar tarefas intransferíveis como atualizar meus documentos pessoais e encerrar minha mudança. Se sobrar tempo ainda irei visitar as fazendas. O Mapa estará sob responsabilidade do Secretário Executivo Eumar Novacki, que por diversas vezes já esteve como ministro interino e seguirá com as mudanças que estamos propondo na Pasta, acreditando nos benefícios para o Brasil. O período desse afastamento será descontado das férias. Abraço a todos”.

A nota oficial do ministro sobre a operação da PF, divulgada ontem, confirma a duração de dez dias da licença, que ele decidiu suspender:

“Diante dos fatos narrados na Operação Carne Fraca, cuja investigação começou há mais de dois anos, decidi cancelar minha licença de 10 dias do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O que as apurações da Polícia Federal indicam é um crime contra a população brasileira, que merece ser punido com todo o rigor.

Neste momento, toda a atenção é necessária para separarmos o joio do trigo. Muitas ações já foram implementadas para corrigir distorções e combater a corrupção e os desvios de conduta, e novas medidas serão tomadas. Estou coordenando as ações, já determinei o afastamento imediato de todos os envolvidos e a instauração de procedimentos administrativos. Todo apoio será dado à PF nas apurações. Minha determinação é tolerância zero com atos irregulares no Mapa”.

O juiz federal que autorizou a Operação Carne Fraca, Marcos Josegrei da Silva, disse em sua decisão que o envolvimento do Ministério da Agricultura é “estarrecedor”: “(O ministério) foi tomado de assalto – em ambos os sentidos da palavra – por um grupo de indivíduos que traem reiteradamente a obrigação de efetivamente servir à coletividade”.

As atenções em Brasília – e na imprensa -, porém, estão mais voltadas para o ministro da Justiça, Osmar Serraglio. Escutas da PF mostram que ele conversou no ano passado com o acusado de chefiar o esquema de propina nas fiscalizações sanitárias, Daniel Gonçalves Filho, a quem chamava de “grande chefe”. Segundo a Folha, o Palácio do Planalto teme que Serraglio seja alvo de novas denúncias.

Em agosto, menos fiscalização

De Olho nos Ruralistas informou em setembro, na semana de estreia do observatório, que Blairo Maggi anunciara a redução da fiscalização sanitária: “É o mercado que vai punir quem faz coisas erradas“. Entre as áreas que perderiam fiscalização estava a avicultura.As declarações foram dadas no dia 24 de agosto, durante o lançamento do plano Agro+. Ele disse que o Estado não tinha mais condições de contratar centenas de técnicos para “posições burocráticas”:

– Estamos retirando a fiscalização de áreas em que não havia mais necessidade. Temos de desonerar o setor. O Estado brasileiro não tem mais condições de ficar contratando centenas de técnicos para essas posições burocráticas. Temos de confiar mais nas empresas que fazem. Quem vai penalizar as empresas, uma vez erradas, pegas numa infração, é o sistema de fiscalização, mas (é) principalmente o mercado (que) tem de punir aquele que faz as coisas erradas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - “Carne Fraca”: PF fez busca e apreensão no gabinete de Blairo Maggi