Orçamento 2017 prova: teto dos gastos achata despesas sociais e beneficia sistema financeiro

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Outra carta dos quatro cardeais ao Papa. Agora pedem uma audiência

    LER MAIS
  • O que resta do padre?

    LER MAIS
  • ‘Temos um pacote do veneno tramitando no Congresso Nacional’, alerta procuradora

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

18 Março 2017

Os efeitos da Emenda Constitucional 95 (ex PEC 55/241), aprovada em dezembro do ano passado, já são visíveis e negativos. E mais cortes virão, com a meta de superávit primário.

A reportagem é de Jorge Cordeiro, publicada por Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), 17-03-2017.

Aprovada em dezembro de 2016, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55/241 – agora Emenda Constitucional no 95 (EC 95) – já revela sua essência: limitar despesas com políticas públicas e programas sociais para liberar recursos para pagamentos de juros, priorizando o sistema financeiro em vez dos cidadãos brasileiros.

Seus efeitos já são visíveis no Orçamento de 2017 e mais cortes ainda virão. Isso porque os gastos sociais estão agora submetidos a um duplo teto: a EC 95 e a meta de superávit primário.

Leia aqui a íntegra da análise pelo Inesc do Orçamento 2017 à luz do teto de gastos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Orçamento 2017 prova: teto dos gastos achata despesas sociais e beneficia sistema financeiro