As ruas do Brasil voltam a se agitar, agora contra a reforma da Previdência

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • “É triste ver homens da Igreja que não sabem ceder o lugar”, afirma o Papa Francisco

    LER MAIS
  • “O tecnoliberalismo lança-se à conquista integral da vida”. Entrevista com Éric Sadin

    LER MAIS
  • Lava Jato estuda como preservar bancos do impacto da delação de Palocci

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

16 Março 2017

As ruas voltaram a se agitar no Brasil. Os protestos contra as reformas da Previdência e trabalhista propostas pelo Governo Michel Temer provocaram paralisações nos transportes públicos e em bancos enquanto manifestações e marchas, de variados tamanhos, convocadas por sindicatos e grupos de esquerda, se fizeram ver em duas dezenas de cidades nesta quarta-feira. Em São Paulo, foi uma jornada complicada com interrupções parciais de ônibus e metrô, que ajudaram a amplificar a repercussão midiática da pauta anti-Temer, encerrada com um duro discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na av. Paulista. No Rio, o ato terminou com um grupo pequeno de manifestantes e a Guarda Municipal trocando rojões e bombas de gás. A repressão dos agentes, já nas mãos da PM, atingiu até clientes de um bar na região da Cinelândia.

A reportagem é de Heloísa Mendonça, publicada por El País, 16-03-2017.

A mobilização contra os planos do Planalto, em especial contra o aumento das exigências para se obter uma aposentadoria no sistema público do país, foi o primeiro grande protesto nacional do ano. A jornada alimenta de combustível uma crise política que, nove meses após o impeachment e em meio ao escândalo da Operação Lava Jato, já se tornou crônica.

A paralisação parcial de metrô e ônibus em São Paulo, aliado à suspensão do rodízio de veículos particulares, imprimiu em algumas zonas da cidade um clima de feriado caótico, contribuindo para a percepção na maior cidade do país de que o chamado à "greve geral" havia pegado. Na Paulista, sindicalistas, movimentos sociais, servidores, estudantes e um grande número de professores tomaram a avenida no fim da tarde para protestar contra a reforma da Previdência. A maioria também pedia a saída de Temer do poder. "Esta reforma da Previdência é completamente equivocada. Temer está tirando um direito de aposentadoria especial que temos, porque ele não sabe o que é a vida de um professor nem de uma sala de aula", reclamava Silvana Caseiro, professora da rede pública de Guarulhos. Pelas regras propostas, será aumentado o tempo de contribuição previdenciária, por exemplo.

Sob gritos de "olê, olê, olá, olá, Lula, Lula", o ex-presidente petista chegou ao local por volta das 19h para discursar contra o atual Governo. Disposto a fazer oposição ao Planalto ao passo que se movimenta em direção a uma nova candidatura presidencial em 2018, Lula ligou a saída de Dilma Rousseff, que ele classifica de "golpe", ao esforço de Temer de aprovar as reformas da Previdência. “O golpe foi dado para colocar (no poder) um cidadão sem nenhuma legitimidade para acabar com as conquistas sociais do povo. E uma força política no Congresso para enfiar goela abaixo do povo brasileiro uma reforma que vai impedir a aposentadoria de milhões”, disse. "Quem pensa que o povo está contente está errado. Esse povo só vai parar quando eles elegerem um presidente democraticamente", afirmou.

No Rio, bombas e tensão no centro

Enquanto isso, no Rio, o protesto adquiria grandes dimensões. O ato na região central da cidade reuniu servidores públicos, já habituais nas manifestações contra o ajuste fiscal estadual, famílias, estudantes e sindicatos. A marcha tomou praticamente toda a avenida Presidente Vargas, artéria central da cidade com quatro pistas e 3,5 km, e correu com tranquilidade até o final do ato. "O que me traz aqui é a angústia de ver a população sendo jogada na miséria. Estou aqui pela empregada doméstica, pelo trabalhador do campo e pelo faxineiro. Eles não vão aguentar 49 anos trabalhando", explicava o professor Fabiano Lins, 53, acompanhado dos seus filhos.

Foi no final do protesto, na Central do Brasil, coração do transporte da cidade, que um grupo reduzido de manifestantes e a Guarda Municipal começaram a trocar rojões e bombas de gás. Agentes da guarda acabaram disparando contra a multidão, que pedia calma, e a reportagem conferiu, pelo menos, três feridos, entre eles um pescador que ficou desacordado em meio à nuvem de gás. O Choque, grupo especial da Polícia Militar, entrou em ação e continuava patrulhando as ruas até o envio desta reportagem. Até o Exército, que tem sede na região, ficou de prontidão para proteger a área sob seu controle.

O que restou, uma vez dispersada a massa de pessoas atemorizada pelas bombas, foi um rastro de destruição nas duas principais avenidas do centro da cidade. Praticamente todos os bancos da Presidente Vargas e a Avenida Rio Branco tiveram suas vidraças quebradas, assim como os pontos de ônibus. Sinalizações foram arrancadas e lixeiras foram convertidas em barricadas, enquanto transeuntes curiosos gravavam vídeos ou pulavam as colunas de fogo com um skate.

A confusão já era prevista. Como virou costume nos protestos de servidores públicos no Rio, há grupos responsáveis por "enfrentar a polícia em caso de abuso" e costumam ser o termômetro do grau de violência da manifestação. São eles, mascarados, os que às vezes provocam a confusão. Hoje, uma dessas pessoas alertou à reportagem que haveria violência no final do ato e que o grupo "estava preparado para reagir à polícia".

Em São Paulo, a manifestação transcorreu sem registros de violência. Após o ato, no entanto, um grupo de mascarados atiraram pedras e rojões contra policiais militares no Túnel 9 de Julho, segundo a corporação. Foram distúrbios menores em uma cidade polarizada politicamente como o resto do Brasil, acostumada a se dividir claramente desde 2015 em grupos pró-Dilma ou pró-Temer. Numa prova da impopularidade da reforma, houve quem, mesmo não indo ao protesto, se declarasse simpatizante da causa.

O Planalto confia no investimento em propaganda para esclarecer a reforma como a única maneira de salvar o país "do colapso", como discursou Michel Temer nesta quarta. É com essa arma que Temer pretende angariar mais apoiadores como o empresário Antônio Américo, que mora na região da av. Paulista e tentava desviar do ato para chegar em casa. "A reforma da Previdência é fundamental para o Brasil. Acredito que essas pessoas estão aqui por falta de informação mesmo. A aposentadoria da forma que está é insustentável para as contas públicas", defendeu. O empresário, frequentador dos atos na avenida a favor do impeachment no ano passado, se quiser poderá voltar ao local no dia 26 de março. O Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Para Rua, os dois principais grupos que organizaram as manifestações que pediam a saída de Dilma Rousseff, voltarão às ruas em defesa da Operação Lava Jato. Na pauta do MBL também está a defesa de uma reforma na Previdência. O barulho nas ruas está de volta e não só por esta quarta.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - As ruas do Brasil voltam a se agitar, agora contra a reforma da Previdência