Empresas chinesas são fortes candidatas na compra da usina de Belo Monte

Revista ihu on-line

Biomas brasileiros e a teia da vida

Edição: 500

Leia mais

Hospitalidade - Desafio e Paradoxo. Por uma cidadania ativa e universal

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Mais Lidos

  • Richard Allen - 26 de março

    LER MAIS
  • O golpe de classe jurídico-parlamentar como farsa e tragédia

    LER MAIS
  • "Deus continua a procurar aliados, homens e mulheres capazes de acreditar no impossível”, afirma

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

17 Fevereiro 2017

Empresas chinesas estariam de olho na usina hidrelétrica de Belo Monte, a terceira maior do mundo, que ainda está em construção no Rio Xingu, no município de Altamira (PA), mas já está parcialmente à venda. A informação foi publicada pelo Estadão nesta terça (14).

A reportagem é publicada por Brasil de Fato, 15-02-2017.

Embora não esteja oficializada a venda, as empresas chinesas State Grid e China Three Gorges (CTG) são fortes candidatas na compra, caso o consórcio Norte Energia, responsável pela construção da hidrelétrica e coordenação, decida de fato vender a usina.

Segundo o jornal, as empresas que compõem o controle da Norte Energia já contrataram o Bradesco BBI para sondar potenciais investidores no Brasil e no exterior.

O que está à venda é a parte das empresas Neoenergia, Cemig, Light, Vale, Sinobras, J. Malucelli e dos fundos de pensão Petros (Petrobrás) e Funcef (Caixa). A soma da participação das empresas na Norte Energia é de 50,02%.

O valor patrimonial de Belo Monte é estimado em R$ 10 bilhões. A previsão é que, em 2019, a usina esteja em funcionamento e, quando concluída, a hidrelétrica de 11.233 megawatts (MW) de energia, terá consumido mais de R$ 31 bilhões, inicialmente o projeto começou orçado em R$ 18 bilhões.

Disputa

Desde que chegou no Brasil, em 2013, a CTG investiu mais de R$ 15 bilhões. Nos últimos três anos, a empresa comprou as hidrelétricas de Salto (Paraná), Garibaldi (Goiás), Jupiá e Ilha Solteira (as duas últimas localizadas no rio Paraná), além de metade dos projetos de construção das usinas de Santo Antônio do Jari e de Cachoeira Caldeirão. A empresa adquiriu também um terço da Hidrelétrica de São Manoel.

Em nota, a assessoria de comunicação da CTG afirmou que “não comenta rumores de mercado”.

A empresa State Grid também está interessada no setor elétrico. No Brasil desde 2011, comprou 51% da participação no consórcio de Belo Monte por R$ 5 bilhões. A chinesa é responsável pela construção da segunda linha de transmissão da usina.

Por telefone, a State Grid informou que “não tem nada a declarar sobre o assunto”.

O Brasil de Fato procurou a empresa Norte Energia para se pronunciar sobre o assunto, mas até o fechamento da matéria não houve retorno da empresa.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Empresas chinesas são fortes candidatas na compra da usina de Belo Monte