Os bispos do México e Estados Unidos, unidos contra a construção de um muro na fronteira

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Janeiro 2017

Os bispos mexicanos e estadunidenses se uniram contra o muro com o qual Donald Trump quer “proteger” seu país da imigração. Em dois comunicados, os prelados do norte e o sul do Rio Grande demonstraram sua “profunda dor” pelo anúncio do presidente dos Estados Unidos, que “colocará desnecessariamente em risco as vidas dos imigrantes”.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 27-01-2017. A tradução é do Cepat.

Em sua nota, a Conferência do Episcopado Mexicano (CEM) qualificou o muro como “desumana interferência” na vida de milhões de pessoas. Ao mesmo tempo, adverte Trump que a Igreja, no México e nos Estados Unidos, “continuará apoiando próxima e solidariamente” os migrantes dos dois lados da fronteira, como vem fazendo há mais de duas décadas.

“Expressamos nossa dor e rejeição à construção deste muro, e convidamos respeitosamente a fazer uma reflexão mais profunda acerca das formas como é possível procurar a segurança, o desenvolvimento, a ativação do emprego e outras medidas, necessárias e justas, sem provocar mais danos aos que já sofrem, os mais pobres e vulneráveis”, afirma o comunicado da CEM.

“Seguiremos apoiando próxima e solidariamente a tantos irmãos nossos que provêm da América Central e do Sul, e que seguem em trânsito através de nosso país para os Estados Unidos”, ressalta o episcopado mexicano, que conclui pedindo às autoridades do país que continuem “em busca de acordos” com o país vizinho para que “se salvaguarde a dignidade e o respeito” dos migrantes, que só procuram “melhores oportunidades de vida”.

Por sua parte, os bispos dos Estados Unidos destacaram que a construção do muro prometido por Trump, na fronteira com o México, “aumentará significativamente a detenção e deportação de imigrantes” e será “omissa à sentença de cumprimento da lei estatal e local sobre a melhor maneira de proteger suas comunidades”.

O bispo Joe Vásquez, presidente do Comitê de Migração e bispo da Diocese de Austin, declarou: “Estou desolado porque o presidente priorizou construir um muro em nossa fronteira com o México” e porque “esta ação colocará desnecessariamente em perigo a vida de imigrantes”.

“A construção desse muro só fará com que os migrantes, especialmente as mulheres e crianças, sejam mais vulneráveis aos traficantes e contrabandistas”, disse. E acrescentou que “a construção de um muro de tais dimensões desestabiliza muitas comunidades vivas e muito bem conectadas entre elas, que vivem em paz ao longo da fronteira”.

“Ao invés de construir muros, meus irmãos bispos e eu continuaremos seguindo o exemplo de Francisco. Nós buscaremos construir pontes entre as pessoas, as pontes que nos permitem romper as barreiras da exclusão e exploração”, apontou.

Considerou, além disso, que “o anunciado aumento de espaço de detenção para imigrantes e as atividades de controle da imigração é alarmante”, porque “separará famílias e provocará medo e pânico nas comunidades”.

“Respeitamos o direito de nosso governo federal em controlar nossas fronteiras e garantir a segurança para todos os estadunidenses, mas não acreditamos que uma ação em grande escala para a detenção de imigrantes e o crescente intensivo uso de controle em comunidades imigrantes seja o caminho para obter essas metas”, afirma o bispo.

“Continuaremos – conclui o comunicado – apoiando e nos solidarizando com as famílias imigrantes. Recordamos nossas comunidades e nossa nação, que estas famílias têm um valor intrínseco como filhos de Deus. E a todos os afetados pela decisão de hoje, que estamos aqui para caminhar com eles e acompanhá-los nesta ocasião”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os bispos do México e Estados Unidos, unidos contra a construção de um muro na fronteira - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV