Perdemos Dom Paulo Evaristo Arns. Depoimento

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • “O Judiciário foi usado como vingança e impediu que a democracia siga seu curso”, afirma a antropóloga Lilia Schwarcz

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Dezembro 2016

Dom Paulo representou uma época, um fantástico momento em que o Brasil marchava para se encontrar. Um momento em que gritos histéricos da extrema direita não tinham lugar, abrindo muitas possibilidades, muitas dúvidas e muita vontade de ser sujeito desta reconstrução nacional, escreve Rudá Ricci, sociólogo, em artigo publicado em seu blog, 14-12-2016.

Eis o artigo.

Os mais jovens nem devem ter noção de sua importância. Seus atos foram sempre equilibrados, mas firmes.

O Brasil, um dia, teve gente que estava à altura de seu povo. Gente que tinha posição, mas que não se furtava de, como Didi, colocar a bola embaixo do braço e reorganizar o time. Felizmente, conheci vários deles, como Ulysses Guimarães, Mário Covas (não o fez em relação ao Brasil, mas segurou a gana desvairada por poder de FHC, dando limites ao seu partido, até então) e Dom Paulo.

Logo que entrei na PUC-SP, para cursar direito (em 1980), fomos recebidos num dia por Dom Paulo. Ele falava aos calouros (não me lembro se para um curso ou para alguns escolhidos e sortudos). O que lembro é do espanto em ouvi-lo dizer: “o Brasil está mudando e vocês, privilegiados, precisam se encontrar com este novo país. Precisam estar nas periferias, precisam visitar os metalúrgicos em greve. Tudo o que precisarem para se encontrar com o Brasil da gente sofrida e honesta vocês terão aqui na PUC”. Em seguida, fomos apresentados à miríade de núcleos e centros de extensão e pesquisa da universidade. Lembro-me muito do papel destacado para o Instituto Sedes Sapientiae, cujas salas não abrigavam apenas o atendimento psicológico a tanta gente, mas a sede da Comissão Pastoral da Terra de SP, ao Comitê de Apoio ao Cone Sul, ao CEPIS e tantos outros núcleos de defesa da democracia, dos direitos e da solidariedade.

A PUC-SP, sob sua guarida, era uma festa democrática com todos seus muros adornados por cartazes, faixas e grafites. Havia de tudo por lá, incluindo um poeta existencialista que declamava em frente às sedes de vários Centros Acadêmicos, vestido de preto e iluminado por muitas velas, uma série de reuniões, debates.

Fui premiado por Dom Paulo porque foi ele quem levou Paulo Freire para a PUC e, assim, tive o privilégio de conhecê-lo, trabalhar com ele e ter sua amizade e ensinamento. Fui premiado pelo clima aberto e caloroso, engajado, que deu sentido profissional ao sonho de um garoto que saía de Tupã, interior conservador e acanhado, para a metrópole que tudo absorve e transforma. Fui premiado por Dom Paulo ter aberto a PUC para a equipe de transição do governo de Luiza Erundina, do qual fiz parte. Fui contemplado pela generosidade quase ingênua, como quando decidi realizar debates sobre cinema e política e todas as portas se abriram, incluindo a produção de cartazes e todo o TUCA aberto para exibir Eles Não Usam Black Tie seguido de debate com Beth Mendes, a diretoria do sindicato dos metalúrgicos do ABC (com a presença de Djalma Bom) e de São Paulo (com a presença de Medeiros), assim, do nada, com a mera vontade e energia de um calouro.

Dom Paulo fez da Arquidiocese um bastião de engajamento social cristão. Não aquele que ilustra o próprio ego e parece dar sentido aos pedidos que alguns fazem quando oram, mas o que promove a encarnação como empatia em relação à vida e existência do outro.

Dom Paulo representou uma época, um fantástico momento em que o Brasil marchava para se encontrar. Um momento em que gritos histéricos da extrema direita não tinham lugar, abrindo muitas possibilidades, muitas dúvidas e muita vontade de ser sujeito desta reconstrução nacional. Tudo parecia mais simples, bastava ter vontade. As portas estavam sempre abertas.

No dia em que o Brasil perdeu feio da Alemanha, perdi outro amigo, Plínio de Arruda Sampaio. Hoje, perdemos Dom Paulo, um dia depois do Senado decidir destruir o Brasil como civilização. Gente assim, como os dois, parece escolher quando partir para uma dimensão que ao menos conseguem entender e se sentir acolhido.

Fiquem tranquilos. Nós, que aprendemos com vocês e continuamos aqui, sabemos o que fazer. Vamos lutar para que sua herança seja honrada e respeitada. Não serão alguns gritos histéricos que nos assustarão. Assim como nunca os assustaram. Estejam em paz.

Leia mais

Veja também

O documentário sobre a vida de dom Paulo, produzido pela TV Puc em parceria com a TV Cultura de São Paulo:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Perdemos Dom Paulo Evaristo Arns. Depoimento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV