Morre dom Paulo Evaristo Arns, cardeal-profeta do Brasil, “para ver melhor”

Revista ihu on-line

Hospitalidade

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa nomeia Cardeal O’Malley como membro da Congregação para a Doutrina da Fé

    LER MAIS
  • Bispos malteses: católicos recasados “em paz” podem comungar

    LER MAIS
  • A escola de samba que desafiou o agronegócio do Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

15 Dezembro 2016


Dom Helder Câmara e dom Paulo Evaristo Arns, profetas da Igreja no Brasil (Foto: Outras Palavras)

"Morreu no final da manhã desta quarta-feira (28) em São Paulo, cardeal arcebispo emérito de São Paulo dom Paulo Evaristo Arns, aos 95 anos. Ele estava internado desde 28 de novembro com uma broncopneumonia. Foi um dos líderes da renovação teológica do Brasil e da América Latina dos anos 1960/70 que levou à criação da Teologia da Libertação. “Morreu um profeta e pastor”, disse o padre Júlio Lancelotti, vigário da Pastoral do Povo da Rua, criada por dom Paulo. O funeral ocorrerá na catedral da Sé, no centro de São Paulo. O teólogo Leonardo Boff, franciscano como dom Paulo, disse que o cardeal “foi ao encontro do Senhor a quem sempre serviu nos pobres e torturados. Foi meu mestre inesquecível. Disse um poeta latino-americano ‘Morrer é fechar os olhos para ver melhor’. É o que ocorreu com o cardeal Arns. Agora vê Deus face a face.” Não é possível olhar para a história do Brasil na segunda metade do século XX sem ver dom Paulo Evaristo Arns. [ao final, 14 fotos marcantes da trajetória de dom Paulo].

O depoimento é de Mauro Lopes, publicado por Outras Palavras, 14-12-2016.

Ao lado de dom Pedro Casaldáliga, dom Helder Câmara, dom Antônio Batista Fragoso, dom José Maria Pires e outros, dom Paulo compôs a linha de frente de uma Igreja popular, comprometida com os pobres, os direitos humanos e a luta contra o regime militar brasileiro instalado com o golpe de 1964. Os teólogos formuladores da Teologia da Libertação no Brasil eram interlocutores frequentes de dom Paulo e os demais bispos e cardeais, alguns deles leigos e outros sacerdotes ou religiosos: Carlos Mesters, frei Betto, Leonardo Boff, Ivone Gebara, José Comblin, entre outros.

Em maio de 1966, foi nomeado bispo auxiliar do então cardeal arcebispo de São Paulo, dom Agnelo Rossi, e a partir de então sua ligação com a maior cidade do Brasil tornou-se profunda. Estimulava a criação de centenas de núcleos das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), visitava com frequência os presos da Casa de Detenção e, em 1969, foi designado por dom Agnelo Rossi para acompanhar os frades dominicanos e outros religiosos na prisão. Ao visitá-los e a outros presos, constatou que todos eram torturados –a experiência marcou dom Paulo.

Um ano depois, em 1970, o Papa Paulo VI nomeou-o arcebispo de São Paulo –os dois tiveram uma amizade sólida, que foi decisiva anos depois na defesa de dom Pedro Casaldáliga, perseguido e odiado pelo regime militar brasileiro e pela cúpula conservadora da Cúria romana. Dom Paulo procurou o Papa para interceder por dom Pedro e a resposta de Paulo VI tornou-se famosa: “Mexer com Pedro é mexer com o papa”.

Os militares não gostaram nada da nomeação de dom Paulo, menos ainda quando ele tornou-se cardeal, em 1973, no auge da repressão governamental. Ato contínuo à sua nomeação como cardeal, ele criou Comissão de Justiça e Paz, que funcionava na Cúria Metropolitana e tornou-se o polo de resistência, refúgio, solidariedade e ações legais em defesa de prisioneiros e desaparecidos políticos, seus familiares.

Em 1975, quando o jornalista Wladimir Herzog foi morto sob tortura na sede do II Exército em São Paulo, em 25 de outubro, dom Paulo uniu-se ao rabino Henry Sobel (Herzog era judeu) e ambos lideraram as celebrações religiosas até o enterro, debaixo de intensa pressão do regime militar, que desejava que sua versão de “suicídio” prevalecesse. O culto na catedral da Sé, presidido por dom Paulo, sob intenso cerco das forças de repressão, que reuniu milhares de pessoas, é um dos marcos da vida brasileira.

Em outubro 30 de outubro de 1979 sofreu um duro golpe com o assassinato pela polícia de Santo Dias da Silva, seu amigo pessoal, operário metalúrgico, líder da Pastoral Operária e das Comunidades Eclesiais de Base. O velório e enterro de Santo ocorreu novamente sob pressão violenta do regime militar e, mais uma vez, dom Paulo liderou as celebrações religiosas.

O lema de dom Paulo como bispo, arcebispo e cardeal – “De esperança em esperança – foi uma inspiração em sua vida sacerdotal. Ele dizia que São Francisco era “o encanto de toda minha vida” e que seu desejo último era “ser padre na vida eterna”.

No livro Da esperança à utopia (São Paulo, Sextante, 2001), de autoria do próprio dom Paulo, ele escreveu sobre seu lema e sua vocação: “Qualquer coisa que tenha feito em minha vida ou ainda chegue a realizar explica o fato de eu ser padre. Fui por longos anos professor, mas sempre padre-professor, ao ensinar literatura, teologia ou didática. Escrevi livros e milhares de artigos mesmo antes da ordenação sacerdotal. Trazem a marca de padre. Amei muito na vida e passei por situações humilhantes, por calúnias graves e muito difundidas, mas sempre como padre ou porque desejei cumprir a missão que Cristo me confiou. Meu lema de bispo, arcebispo e cardeal – ‘De esperança em esperança’ – foi escolhido na época em que eu era simples padre. Nem me custa acrescentar: gostaria de ver as angústias e promessas do mundo com o coração de padre. E quando, um dia, o coração deixar de bater, que o amor encontre na vida eterna a mesma forma de ser padre, assim como Cristo, o eterno sacerdote, o dispuser”.

A última aparição pública de dom Paulo Evaristo Arns foi uma homenagem, na noite de 24 de outubro no Teatro da Pontifícia Universidade Católica (Tuca), na capital paulista, pelos seus 95 anos de vida, comemorados no dia 14 de setembro. A cerimônia foi marcada por relatos de ações de Arns contra a ditadura militar, nas décadas de 60 e 70, e em defesa dos direitos humanos. O papa Francisco enviou uma mensagem especialmente para a comemoração.

“Louvemos e agradeçamos ao Altíssimo, onipotente e bom Senhor pelos 95 anos de vida de Dom Paulo, seus 76 anos de consagração religiosa, 71 anos de sacerdócio ministerial, 50 de episcopado e 43 anos de cardinalato”, afirmou a nota da Arquidiocese de São Paulo logo depois da morte do cardeal-profeta.

Veja mais fotos de dom Paulo


A última aparição pública de dom Paulo, em 24 de outubro, homenagem na PUC de São Paulo -com boné do Movimento dos Sem Terra (MST) (Foto: Outras Palavras)


Em 1972, arcebispo de São Paulo, aos 51 anos (Foto: Outras Palavras)


Missa de corpo presente na catedral da Sé em São Paulo, dias depois do assassinato do estudante Alexandre Vannuchi Leme pela repressão militar (Foto: Outras Palavras)


Velório de Vladimir Herzog, morto em 25 de outubro de 1975 em dependências do Exército em São Paulo (Foto: Outras Palavras)


Celebração multirreligiosa na catedral da Sé depois da morte do jornalista Vladimir Herzog em outubro de 1975. De terno, à direita, o rabino Henry Sobel (Foto: Outras Palavras)


Dom Paulo pedindo passagem ao corpo do operário Santo Dias da Silva, assassinado pela polícia em outubro de 1979 (Foto: Outras Palavras)


Com o Papa Paulo VI, em Roma (Foto: Outras Palavras)


Com o educador católico Paulo Freire, nos anos 80 (Foto: Outras Palavras)


Com o povo, em celebração na Praça da Sé, diante da catedral, nos anos 80 (Foto: Outras Palavras)


O cardeal depois de visita presos na Casa de Detenção, em São Paulo, em 30 de dezembro de 1980. (Foto: Outras Palavras)


Com Lula, em 1979, pouco antes da fundação do PT e da prisão do então líder sindical (Foto: Outras Palavras)


Os amigos dom Pedro Casaldáliga e dom Paulo Evaristo Arns (Foto: Outras Palavras)


Dom Paulo e a irmã, Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança, morta em janeiro de 2010 durante terremoto no Haiti (Foto: Outras Palavras)


Em 2010, durante celebração eucarística dos 65 anos de sua ordenação sacerdotal, na Catedral da Sé (Foto: Outras Palavras)

Leia mais

Veja também

  • O documentário sobre a vida de dom Paulo, produzido pela TV Puc em parceria com a TV Cultura de São Paulo:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Morre dom Paulo Evaristo Arns, cardeal-profeta do Brasil, “para ver melhor”