"Populismo, palavra maltratada": o choque do papa revolucionário

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS
  • Papa Francisco quer incluir 'pecado ecológico' na doutrina oficial da Igreja, após Sínodo da Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Novembro 2016

Nem mesmo o choque da eleição de Trump nos poupou do tédio conformista de colunistas e comentaristas diversos que lidavam com a epocal rejeição às elites dominantes. Entre os poucos que se destacaram desse descontado pântano de ideias, as mesmas há já cinco anos, foi, como de costume, o Papa Francisco, um dos inovadores já do pensamento político global.

A reportagem é de Fabrizio D'Esposito, publicada no jornal Il Fatto Quotidiano, 14-11-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

E não nos referimos tanto à entrevista scalfariana da última sexta-feira no La Repubblica, mas sim ao novo livro do pontífice, que recolhe mensagens, discursos e homilias de quando ele era arcebispo de Buenos Aires.

No volume intitulado Nei tuoi occhi è la mia parola [Nos teus olhos está a minha palavra], há uma conversa com o fiel Antonio Spadaro, diretor da revista La Civiltà Cattolica, em parte antecipada pelo Corriere della Sera da quinta-feira, 10 de novembro, e que passou para o segundo plano por causa do clamor do sucesso trumpiano nos Estados Unidos.

Lá, defende Bergoglio: "Há uma palavra muito maltratada: fala-se muito de populismo, de política populista, de programa populista. Mas isso é um erro". Textual. O Papa Francisco é um revolucionário, como muitos o definem, incluindo Scalfari, que acolhe o populismo na sua acepção contemporânea, no ano do Senhor de 2016.

É a resposta ou, melhor, um solapão clássico às doutrinas políticas àqueles que (incluindo Lenin) defenderam a incompatibilidade histórica entre revolução e populismo, ao longo da atávica fratura entre direita e esquerda.

Sem dúvida, apesar da sacudida do papa, há o seu conhecimento do peronismo ou justicialismo argentino. Não por acaso, Bergoglio muitas vezes foi acusado de ser um populista por ser peronista. Ao mesmo tempo, porém, Francisco também é o pontífice que agrada à esquerda vermelha antiga e não se envergonha em nada da comparação entre comunistas e cristãos sobre os pobres, sobre os fracos e sobre os excluídos.

Povo, em uma única palavra. Entendida como categoria não mística, mas "histórica e mítica": "O povo se faz em um processo, com o compromisso em visto de um objetivo ou um projeto comum. A história é construída por esse processo de gerações que se sucedem dentro de um povo. É necessário um mito para entender o povo".

E uma grande visão, modelo Aristóteles, em vez do "politiquês, as disputas pelo poder, o egoísmo, a demagogia, o dinheiro". Eis a receita para um populismo saudável e vencedor. Palavra de Bergoglio. Viva o Papa. Viva o povo ou, melhor, el pueblo.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Populismo, palavra maltratada": o choque do papa revolucionário - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV