Arquidiocese do Rio rechaça apoio de grupo católico a Freixo

Revista ihu on-line

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

Edição: 504

Leia mais

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Mais Lidos

  • Não há condições éticas de Temer seguir no cargo, diz secretário-geral da CNBB

    LER MAIS
  • Brasil será denunciado na OEA por violar direitos dos povos indígenas

    LER MAIS
  • A reforma trabalhista nos leva ao fundo do poço. Artigo de Luiz Gonzaga Belluzzo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

27 Outubro 2016

Um dia depois de 12 religiosos de paróquias da Igreja Católica no Rio terem divulgado uma declaração de apoio à candidatura de Marcelo Freixo (PSOL) à prefeitura, a Arquidiocese do Rio se manifestou desautorizando-os, e dizendo-se “perplexa” com o texto de endosso. Numa nota desta quarta-feira, 26, a entidade, de forma não-explícita, critica Freixo por ser favorável à descriminalização do aborto e à união de pessoas do mesmo sexo, e argumenta que tais bandeiras o desqualificam como candidato cristão.

A reportagem é de Roberta Pennafort, publicada por O Estado de S. Paulo, 27-10-2016.

“O voto do católico só poderá assim ser considerado se os programas dos candidatos merecedores desse voto também estiverem em comunhão com os princípios humano-cristãos. Não é possível compactuar com posições que entram em confronto com princípios contrários aos valores cristãos, tais como o respeito à vida e a clara oposição ao aborto e à eutanásia; a tutela e a promoção da família, fundada no matrimônio monogâmico entre pessoas de sexo oposto e protegida em sua unidade e estabilidade, frente às leis sobre o divórcio; o tema da paz, que é obra da justiça e da caridade, e que exige a recusa radical e absoluta da violência, anarquismo e terrorismo”, afirma o texto da cúria.

“A Arquidiocese, diante da manifestação pública de alguns membros do clero e do laicato, esclarece que não autorizou ninguém a falar em seu nome, nem dos padres, tampouco em nome de movimentos, pastorais, associações e paróquias acerca do atual processo político carioca. As pessoas podem se manifestar pessoalmente e arcar com as consequências, mas não podem falar por quem não foram autorizadas. Tampouco têm autorização da autoridade diocesana para indicar qualquer candidato aos cargos públicos”, diz a nota da Arquidiocese, que se declara “apartidária”. A reportagem entrou em contato com padres que assinaram o manifesto, mas eles não quiseram dar entrevista, alegando não estarem autorizados pela cúria a falar sobre o assunto.

O manifesto, assinado por dez padres, um frade e uma freira, além de mais de 800 leigos, como funcionários de paróquias e frequentadores, afirma: “Nós, padres da Arquidiocese do Rio de Janeiro, no horizonte do Evangelho da Libertação, da efetivação de uma ‘Igreja em saída’ (como compreende o Papa Francisco) e da antecipação do Reino de Justiça e paz inaugurado por Jesus Cristo, entendemos que a candidatura de Marcelo Freixo à prefeitura é a que mais sintoniza com a construção de uma cidade mais justa, fraterna e igualitária. Desse modo, entendendo como o Papa Francisco que a política é uma forma sublime de caridade em face da qual não podemos “lavar as mãos”, como Pilatos o fez. Na companhia de um grande número de católicos e católicas, leigos e leigas comprometidos com a democracia, com a vida e a dignidade humanas na história concreta de nossa cidade marcada pela violência, injustiça e exclusão social, nos unimos, à luz da fé, na luta pela vida e pela promoção da pessoa humana na força evangélica da ‘opção preferencial pelos pobres’”. O texto, que vem sendo compartilhado nas redes sociais, é concluído assim: “Afirma o Papa Francisco que envolver-se na política é uma obrigação para um cristão. Os cristãos não podem fazer como Pilatos e lavar as mãos!”

A Arquidiocese do Rio rejeita também vinculação ao candidato Marcelo Crivella (PRB), oponente de Freixo neste segundo turno. Um santinho com uma foto de Crivella ao lado do cardeal Dom Orani Tempesta foi distribuído na porta de igrejas e em outros pontos de grande circulação de pessoas, como forma de sugerir que o candidato, que é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, fundada por seu tio, o Bispo Edir Macedo, tem boa relação com a Igreja Católica, e de endossar sua retórica de que “não mistura religião e política”. O episódio aconteceu em setembro, e foi rechaçado por Dom Orani, que não autorizou o uso de sua imagem no panfleto. Crivella é o líder das pesquisas eleitorais. Na terça-feira, 25, o Datafolha divulgou que ele tem 63% da s intenções de votos válidos, contra 37% de Freixo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Arquidiocese do Rio rechaça apoio de grupo católico a Freixo