A versão suavizada de Marcelo Crivella decola no Rio com a crise do PMDB carioca

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • 'A ética do século 21 é a bioética', afirma filósofo espanhol

    LER MAIS
  • Quem é o grupo que pode lançar Luciano Huck à presidência em 2018

    LER MAIS
  • Tuitadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Setembro 2016

Lançar um disco de músicas religiosas em zulu nos anos 90 e vender 20.000 cópias não te torna, necessariamente, um bom cantor, mas sim um gênio do marketing. É com um lance como esse que pode se vencer uma eleição municipal. Marcelo Crivella – senador, bispo evangélico, disco de ouro, de platina e diamantes, ex-ministro da Pesca no Governo Dilma Rousseff, ex-aliado do PT, ex-taxista, engenheiro civil, ex-missionário na África e defensor da família tradicional brasileira – chega à sua quinta eleição no Rio de Janeiro como líder indiscutível nas pesquisas e vê-se com chances de ganhar no segundo turno.

A reportagem é de María Martín, publicada por El País, 28-09-2016.

Com 29% das intenções de votos, segundo a última pesquisa do Datafolha e 35%, segundo o Ibope, Crivella (PRB) olha de cima seus cinco principais rivais, empatados tecnicamente no segundo lugar, com entre 5% e 11% da intenção de voto. “Ele tem se beneficiado de uma crise de hegemonia no Rio, provocada, entre outros fatores, pelo rompimento do PMDB com o PT. Na ausência de alternativa todos buscam o vácuo de poder. Mas Crivella, nesse contexto de crise, se dá melhor porque o eleitor evangélico vota no irmão”, explica o cientista pesquisador Cesar Romero Jacob, coautor do estudo A geografia do voto nas eleições para prefeito e presidente nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo.

Crivella, no seu segundo mandato como senador (hoje licenciado), é um velho conhecido nas eleições executivas cariocas. Apresentou sua candidatura à Prefeitura em 2004, em 2008 e agora. E lutou para conquistar a cadeira de governador em 2006 e 2014. Sempre saiu disparado nas pesquisas, mas nunca ganhou. Sua rejeição era grande. Daqueles anos, ainda ecoa nas redes sociais uma crítica de que Crivella fez ao seu rival pelo Partido Verde, Fernando Gabeira, em 2008: “Ele defende aborto, homem com homem e maconha. Essas coisas são fortes”. O bispo (hoje licenciado) teve outros deslizes amplamente explorados pelos seus adversários na época, como o que proferiu durante sua campanha a governador em 2014 ao falar da falta de investimentos nas regiões mais pobres do Estado: “Se deixar a população da Baixada, das regiões periféricas, vivendo em miséria, essas pessoas migram para vir roubar na capital”.

Mas Crivella aprendeu e apresentou-se em 2016 com a cartada da moderação e um jingle de uma versão de um funk. Reuniu-se com líderes religiosos de todos os credos, conversou com ativistas da comunidade LGBT e fez esforços por atrair os católicos (entre os quais também é líder em intenção de voto), e até os ateus. Seu discurso ponderado, tanto que se declara a favor de apoiar com dinheiro público a parada LGBT na cidade, lhe rendeu simpatias. Sua rejeição nas eleições de 2004 era de 32%, hoje beira os 27%, segundo a última pesquisa do Ibope. Pedro Paulo (PMDB), sucessor do prefeito Eduardo Paes, o rival que mais lhe preocupa e o segundo candidato mais rejeitado nas pesquisas – depois de Jandira Feghali (PC do B) – provoca antipatia em 36% do eleitorado.

Um assessor de uma campanha rival compara o esforço de Crivella em suavizar seu perfil “extremamente conservador e religioso” ao experimentado por Lula, antes de se autobatizar como “Lulinha, Paz e Amor”. “Lula perdia eleição após eleição, era visto como um candidato extremista, incapaz de aglutinar a quem não pensasse como ele fora da esquerda. Com Crivella, assim como com Lula, houve um trabalho profissional para polir a imagem do personagem”, explica. Crivella ainda, destacam assessores e rivais, explora o jeito do “malandro carioca”, rápido e habilidoso na hora de interagir e usar o sarcasmo para atacar o adversário.

Nas suas passeatas de campanha, toda vez que vê um casal ele aproveita e apela: “Casal apaixonado não vota em candidato que bate em mulher”. E nos seus discursos justifica seus fracassos eleitorais: “Eu bati na trave, mas não bati em mulher”, em referências constantes ao episódio de violência protagonizado por Pedro Paulo contra sua ex-mulher que foi arquivado pela Justiça por falta de provas. Pedro Paulo têm hoje 11% das intenções de voto, segundo o Datafolha.

Seus rivais, por outro lado, exploram o perfil religioso e conservador do candidato, adepto do criacionismo. De modo que a religião é hoje para Crivella uma faca de dois gumes em uma cidade onde cerca de 24% dos fiéis são evangélicos, enquanto a média nacional, segundo dados do censo do IBGE de 2010, é de 22,2%. Se contassem apenas pelos evangélicos, praticamente não haveria segundo turno, pois Crivella lidera com 50% e 51% a intenção de voto entre os evangélicos pentecostais e não pentecostais, segundo o Datafolha. Mas a aproximação dos evangélicos não é suficiente para ganhar uma eleição e ainda é motivo de receio entre os eleitores que sentem-se atraídos pelas suas propostas. O próprio Crivella reclama que parte da sua campanha é focada em combater o preconceito contra os evangélicos e promete que membros da igreja não formarão parte do seu potencial Governo.

Mas, apesar de seus esforços por separar púlpito e palanque, Crivella não é um evangélico comum. Ele é sobrinho de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal, a terceira igreja evangélica mais poderosa do Brasil. Macedo é dono, ainda, da tevê Record, palanque fundamental para um candidato que não deixa passar um dia sem lamentar os “ataques” que ele diz sofrer da todo-poderosa TV Globo e os jornais do grupo. Suas alianças com o clã familiar do ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR), que já foi condenado por formação de quadrilha, para mais que dobrar seu tempo em televisão, também estão sendo questionadas. Mas ele, com oratória de pastor, modulando o tom e a expressão facial, repete: “A política precisa de alianças. Ninguém pode ganhar uma eleição sozinho. A aliança que eu consegui com o PR nos deu tempo de televisão, mas não foi nenhuma condição do ex-governador de participar do nosso governo […] Poderei, sim, lidar com a deputada Clarissa Garotinho, que foi quem me ajudou a construir essa aliança”.

Entre as propostas de Crivella para a cidade está organizar um mutirão para zerar as filas de espera nos hospitais, investir no combate às epidemias como o dengue, assumir a gestão das 16 UPAs estaduais que sofrem com a falência do Estado, criar 20.000 novas vagas em creches ou reformular o papel da Guarda Municipal como agente comunitário e não perseguidora de camelôs. Em uma recente enquete do jornal O Globo na qual questionava-se os candidatos sobre 15 assuntos importantes no Rio, Crivella, que já se batizou como um “socialista moderno”, coincide em 11 questões com outro de seus principais rivais, Marcelo Freixo (PSOL), e em apenas seis com Pedro Paulo.

No segundo turno, onde sua presença é quase certa, Crivella tentará demonstrar, após cinco eleições, que aprendeu com o marketing a conquistar o povo além de vender discos.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A versão suavizada de Marcelo Crivella decola no Rio com a crise do PMDB carioca - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV