Primado e sinodalidade. Entrevista com Bruno Forte

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • "No Brasil, há corpo mole em relação ao Papa Francisco, mas não discordância pública". Entrevista com Jose Oscar Beozzo

    LER MAIS
  • Teologia da libertação: a Igreja resiste a Francisco

    LER MAIS
  • Papa inicia viagem ao Chile com visita surpresa ao 'bispo dos pobres'

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Outubro 2016

De 15 a 22 de setembro de 2016, foi realizada em Chieti, a convite do arcebispo Dom Bruno Forte e com o apoio da Conferência Episcopal Italiana, a 14ª sessão plenária da Comissão Mista Internacional para o Diálogo Teológico entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa.

A reportagem é de Gianfranco Brunelli, publicada no sítio da revista Il Regno, 21-10-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A comissão, instituída por João Paulo II e pelo Patriarca Ecumênico Dimitrios I, por ocasião da visita do papa ao Fanar, no dia 30 de novembro de 1979, reuniu-se periodicamente. Nos últimos anos, depois do encontro de Ravenna em 2007, que produziu o importante documento sobre "As consequências eclesiológicas e canônicas da natureza sacramental da Igreja. Comunhão eclesial, conciliaridade e autoridade", houve outras plenárias em Chipre (2009), Viena (2010) e Amã (2014).

No encontro de Chieti, foi alcançado um significativo acordo sobre a relação entre o primado do bispo de Roma e a sinodalidade da Igreja inteira, e foi aprovado um documento, votado por todos os participantes, apenas com a exceção da Igreja da Geórgia, intitulado "Sinodalidade e primado no primeiro milênio: rumo a uma compreensão comum a serviço da unidade da Igreja".

Pedimos a Dom Bruno Forte, que faz parte da comissão e participou dos (além de ter hospedado os) trabalhos, uma reflexão sobre o encontro.

Eis a entrevista.

Dom Forte, conhecemos as dificuldades e as divisões externas e internas que atravessam as Igrejas, incluindo as ortodoxas. No encontro de Chieti, estavam presentes todas as Igrejas ortodoxas?

Todas, exceto a Igreja búlgara. E gostaria de observar que essa participação, depois da celebração do Santo e Grande Concílio pan-ortodoxo de Creta, de junho passado, é ainda mais importante, dadas as dificuldades intraortodoxas que tinham surgido lá. Também deve ser lembrado que, em Ravenna, em 2007, a Igreja Ortodoxa Russa retirou em um certo ponto a sua delegação. O fato de que em Chieti, no dia 21 de setembro, tenha se chegado a um acordo sobre um documento conjunto é de grande importância. Agora, deu-se um passo decisivo, apesar da distinção da Igreja Ortodoxa da Geórgia. A primeira razão do valor do consenso alcançado consiste precisamente no próprio fato de ter aprovado e publicado um documento comum sobre os temas fundamentais da sinodalidade e do primado do bispo de Roma. Agora, ele será debatido nas respectivas comunidades eclesiais.

Falemos do documento. Sobre o que se alcançou o consenso?

O texto parte do reconhecimento comum da relevância fundamental da Igreja local, presidida pelo bispo, que nela é sinal de Cristo pastor, especialmente na presidência da assembleia eucarística celebrada com os presbíteros e o povo de Deus. Essa relevância, sempre enfatizada pela Ortodoxia, foi trazida novamente à tona pelo Concílio Vaticano II e estimulou uma renovada vitalidade pastoral das Igrejas presentes nos diversos lugares do planeta. Desde as origens, no entanto, o destaque dado às Igrejas locais foi conjugado com a necessidade de uma comunhão regional, expressada por sínodos e concílios dos quais as Igrejas locais participavam através dos seus respectivos bispos. Essa comunhão episcopal deu origem às metropolias e aos patriarcados, em que a variedade das Igrejas locais reconhecia uma manifestação e um instrumento significativo da única fé professada por todas.

O que Chieti acrescentou?

O passo importante dado em Chieti foi o de atestar juntos a necessidade e o fundamento de uma expressão da comunhão em nível universal. Nesse contexto, reafirmando a importância da comunhão sinodal de todos os bispos reunidos pela sucessão apostólica, ortodoxos e católicos confessaram unanimemente o papel único do bispo de Roma, isto é, da Igreja que preside na caridade, à qual sempre foi reconhecido o primeiro lugar na ordem ("taxis") das sedes patriarcais. Concretamente, esse primado foi entendido no Oriente como um "primado de honra", enquanto, no Ocidente, particularmente a partir do século IV, foi referido ao papel de Pedro entre os apóstolos, interpretando o primado do bispo de Roma entre todos os bispos como uma prerrogativa ligada ao fato de ser o sucessor de Pedro, o primeiro entre os Doze.

A "sinergia" do bispo de Roma foi definida pelo Concílio de Niceia II de 787 como uma das condições necessárias para reconhecer a ecumenicidade de um concílio. A referência ou o apelo à Sé Romana e ao seu bispo e o acordo com ele, em suma, foram cada vez mais percebidos como sinal e garantia da unidade da Igreja universal. Afirmou-se a necessidade de um primeiro e de uma cabeça (para usar a linguagem do n. 34 dos Cânones dos Apóstolos, muito importante para os ortodoxos) não só na Igreja local (o bispo) e em nível regional (o patriarca), mas também em nível universal, e se reconheceu que, na comunhão universal das Igrejas, esse papel cabe ao bispo de Roma, que era a primeira das Igrejas patriarcais do primeiro milênio, quando Oriente e Ocidente estavam unidos.

O modelo do primeiro milênio poderá voltar à tona para uma comunhão das Igrejas no terceiro milênio?

A resposta a essa pergunta vai marcar as próximas etapas do diálogo católico-ortodoxo, marcado, em todo o caso, de maneira relevante, por aquilo que aconteceu em Chieti: uma aceleração no diálogo, uma retomada significativa depois de quase uma década de impasse.

Que problemas permanecem?

É um processo em curso. Entre as dificuldades, como também foi reiterado em Chieti, certamente, continua irresolvida a questão uniata, isto é, das Igrejas de tradição oriental que entraram, ao longo do tempo, em plena comunhão com Roma e que, naturalmente, têm direito, por parte de todos, ao maior respeito pela sua dignidade. Como afirmava o Metropolita de Pérgamo, Zizioulas, em Viena, em 2010, "veremos o modelo de união no futuro. Não funcionamos com um modelo fixado antecipadamente. O que os ortodoxos devem reforçar é a sua unidade universal e também a sua concepção do primado. E a parte católica, sem dúvida, deve reforçar a dimensão sinodal". Como católicos, com o Papa Francisco, decisivamente iniciamos esse percurso.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Primado e sinodalidade. Entrevista com Bruno Forte - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV